Inicio Revistas Grãos Bacillus subtilis: Biocontrolador de fitonematoides

Bacillus subtilis: Biocontrolador de fitonematoides

0
449

 

Fabio Fernando de Araujo

Coordenador do Programa de Pós-graduação em Agronomia – UNOESTE – Presidente Prudente, SP

fabioaraujo880@gmail.com

 

Bacillus subtilis como biocontrolador de nematoides - CréditoShutterstock
Bacillus subtilis como biocontrolador de nematoides – CréditoShutterstock

Os nematoides são o grupo mais numeroso de seres multicelulares do mundo, são conhecidos também como vermes pela sua forma alongada e são ovíparos. Eles estão presentes em quase todos os nichos biológicos e capazes de suportar a vida em condições muito adversas. No solo encontram-se uma grande comunidade desse grupo, que na sua maioria são invisíveis ao olho nu. Apesar dos fitonematoides (parasitas de plantas) serem uma minoria dentro da comunidade, as perdas devidas ao ataque desses parasitas às raízes das plantas, cultivadas mundialmente, são estimadas em aproximadamente US$ 80 bilhões/ano. No Brasil, a quantificação de perdas não é precisa, devido principalmente às interações com danos provocados por pragas e outras doenças, condições climáticas, presença de plantas invasoras e inadequação de tratos culturais.

Os nematoides podem ser disseminados pelo vento, implementos agrícolas, roupas e calçados provenientes de áreas contaminadas. Portanto, devem ser realizadas limpezas dos equipamentos e vestuário, para evitar a disseminação destes patógenos para áreas isentas.

Asmus (2007) encontrou, em média, 1.210 nematoides por 100 ml de solo nos implementos agrícolas, como grades, arados e discos. Nos rodados e pneus cerca de 26 a 633 nematoides por 100 ml de solo. Isso evidencia a importância da limpeza dos implementos de uma área para outra.

A agricultura exige sistemas mais sustentáveis de manejo integrado - Crédito Shutterstock
A agricultura exige sistemas mais sustentáveis de manejo integrado – Crédito Shutterstock

Controle

Como os métodos convencionais de controle da doença, baseados no emprego de nematicidas químicos no solo, estão associados a impactos ambientais e sociais, o desenvolvimento de pesquisas com agentes de biocontrole tem adquirido maior importância.

Microrganismos da rizosfera, conhecidos como rizobactérias, têm proporcionado defesa contra o ataque de patógenos de solo em plantas. Algumas espécies de microrganismos deste grupo são capazes de promover proteção substancial contra nematoses, destacando-se Bacillus subtilis, já relatado como antagonista de nematoides formadores de galhas, podendo ser utilizado no manejo de culturas econômicas visando reduzir os efeitos deletérios do parasita.

Isolados de Bacillus já foram avaliados em muitas espécies de plantas com vários relatos de sua habilidade no controle de várias doenças. Entretanto, a maioria dos trabalhos com a utilização de isolados do gênero Bacillus na agricultura tem sido relacionado ao controle biológico de fungos fitopatogênicos, o qual tem sido atribuído, com frequência, à produção de antibióticos pelas bactérias.

Galhas radiculares causadas em soja por nematoides - Crédito Jaime Maia
Galhas radiculares causadas em soja por nematoides – Crédito Jaime Maia

Recomendações

Apesar da existência de relatos sobre espécies de Bacillus proporcionando controle de fitonematoides, o volume de trabalhos divulgados é muito inferior ao já publicado com a bactéria no controle biológico de fungos fitopatogênicos.

Algumas indicações sobre que mecanismo de controle proporcionado por Bacillus spp. tem ação específica sobre os fitonematoides incluem a produção de metabólitos que reduzem a eclosão do parasita; efeito sobre os exudatos radiculares que servem de estímulo químico para os nematoides encontrarem as raízes; indução sistêmica de resistência na planta, mediada pela bactéria no solo; produção de proteases que interferem no ciclo do parasita e que os nematoides e seus ovos podem servir como fonte de alimento para a bactéria.

Este conjunto de mecanismos de controle já atribuídos e outros ainda não relatados pode ser considerado como um importante aliado para utilização em larga escala da bactéria como biocontroladora, pois a mesma atua fortemente contra o desenvolvimento de resistência no parasita, fato comum que ocorre com o uso dos defensivos químicos.

 Próximo às tabelas finais - CréditoShutterstock
Próximo às tabelas finais – CréditoShutterstock

Aplicação prática

Com base nos resultados encontrados com Bacillus no controle biológico de doenças causadas por fungos e nematoides no solo e com as perspectivas do uso como rizobactérias promotoras de crescimento de plantas, os trabalhos com inoculação de sementes e aplicação direta no solo vem ganhando uma maior importância.

No caso específico do cultivo de cana, foi relatado que o uso de formulação contendo B. subtilis no sulco de plantio de cana-de-açúcar promoveu maior perfilhamento da cana-planta, como também foi constatada redução na incidência de doenças na parte aérea da planta.

A aplicação de Bacillus subtilis em suspensão aquosa mostrou que esta bactéria promoveu o crescimento da planta e a redução da reprodução dos nematoides em cana-de-açúcar durante a condução do experimento.

A inoculação de bactérias nos canaviais pode contribuir de forma positiva, resultando em ganhos de produtividade. Em outro estudo com soja concluiu-se que a presença de Bacillus subtilis afetou a orientação do nematoide Heterodera glycines, reduzindo a sua migração em direção à raiz de soja.

Foi verificado, também, que o controle de nematoides em algodoeiro proporcionado por Bacillus subtilis reduziu estes parasitas de forma semelhante ao controle químico. O controle de nematoides e o aumento no crescimento das plantas, em função dos tratamentos efetuados, foram mais significativos no solo com maior infestação de nematoides.

Essa matéria completa você encontra na edição de fevereiro da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira a sua para leitura integral!

SEM COMENTÁRIO