21.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosBaixa salinidade em fertilizantes de liberação controlada

Baixa salinidade em fertilizantes de liberação controlada

Letícia de Abreu Faria

Professora da Universidade Federal Rural da Amazônia-UFRA

leticia.faria@ufra.edu.br

Douglas Alexandre de AzevedoMargalho

Graduando Eng.AgronômicaUFRA

Crédito Ana Maria Diniz
Crédito Ana Maria Diniz

A salinidade do solo ocorre com o acúmulo de sais na camada superficial. Dentre suas principais causas destacam-se a aplicação excessiva de fertilizantes com elevados índices salinos e a implantação de sistemas de irrigação erroneamente conduzidos, sobretudo com uso de águas salobras.

O efeito do acúmulo de sais no solo causa sua degradação física e química.A salinidade provoca a desagregação das partículas do solo, que aumenta sua suscetibilidade à compactação e favorece a ocorrência de perdas de solo por erosão.

Na fertilidade,verifica-se o excesso de elementos nocivos às plantas e sua consequente influência negativa no equilíbrio dos nutrientes e água absorvidos pelos vegetais, assim refletindo no pouco ou nenhum desenvolvimento das culturas.

O acúmulo de saistambém prejudica a manutenção dos processos fisiológicos dos vegetais, em consequência dos distúrbios na manutenção da pressão osmótica; danos às raízes e reduçãona absorção de águae nutrientes.Em casos extremos de alta salinidade, poderá haver a inutilização de áreas e a necessidade de tratamentos e estratégias para a correção do solo.

Fertilizantes de liberação controlada x salinidade

A salinidade decorrente do uso de adubações é causada pelo uso desordenado de fertilizantes de elevado índice salino, ou seja, aplicações sem parcelamento, com doses elevadas e, principalmente, sem o prévio conhecimento dos atributos químicos e físicos do solo e das exigências das culturas.

As maiores preocupações devem ser tomadas com o uso de alguns fertilizantes,como cloreto de potássio (índice salino = 116),nitrato de sódio (índice salino = 100), ureia (índice salino = 75), nitrato de potássio (índice salino = 74) esulfato de amônio (índice salino = 69),que representam os fertilizantes de maiores índices de salinidade.

Portanto, a aplicação dos mesmos deve ser cautelosa no sentido de parcelar as operações e doses condizentes às demandas da planta.

Os fertilizantes que apresentam maior risco de salinidade coincidem com as fontes nitrogenadas e potássicasde maior demanda na agricultura.Assim,o setorindustrial,em associação com a pesquisa, cientes das implicações e dificuldades da prática de parcelamento pelos produtores, tem trabalhado no desenvolvimento de fertilizantes de liberação controlada.

O conceito de liberação controlada refere-se à fonte com tecnologia adicionalna qual se torna conhecida a liberação de seus constituintes em um intervalo de tempo determinado, visando o aumento da eficiência de absorção dos nutrientes pelas plantas, reduzindo perdas por volatilização, lixiviação e adsorção.

Uma das técnicas de produção desse tipo fertilizante se baseia em revestimentos dos fertilizantes convencionais. Desta forma, o índice de salinidade não é minimizado, mas a liberação gradativa dos nutrientes evita a alta concentração de sais de uma só vez na solução do solo, minimizando os efeitos prejudiciais da salinidade no sistema de produção.

Os fertilizantes de liberação lenta reduzem perdas e aumentam eficiência - Crédito Vanoli Fronza
Os fertilizantes de liberação lenta reduzem perdas e aumentam eficiência – Crédito Vanoli Fronza

Novidades

 

A evolução da produção de fertilizantes de liberação controlada tem grande importância, pois a aplicação única dos fertilizantes reduz custos com mão de obra, desgaste de equipamentos, consumo de combustíveis fósseis e até mesmo compactação do solo.

As tecnologias aplicadas para a liberação controlada se baseiam em mecanismos químicos e físicos com o principal intuito de reduzir perdas e aumentar a eficiência de uso dos fertilizantes, principalmente a ureia, que é suscetível à volatilização.

Dentre os fertilizantes potássicos, tem-se o uso predominante do cloreto de potássio,cujo controle de liberação do nutriente é feito por mecanismo físico, com destaque para o revestimento com polímeros. Atualmente, no mercado de fertilizantes de liberação controlada há formulações NPK e micronutrientes revestidos que, de acordo com a temperatura e umidade, podem se expandir em épocas mais quentes, possibilitando maior quantidade de nutrientes às plantas, liberados por meio de microporos expandidos.

A utilização de técnicas de revestimento de fertilizantes com camadas de diferentes espessuras de polímeros estabelece a liberação gradual ou controlada dos nutrientes. Desta forma, propõe-se a disponibilidade gradativa em momentos pré-estabelecidos para a liberação dos nutrientes, permitindo uma única aplicação.

Este processo ocorre com a infiltração de água no grânulo e a condensação do fertilizante salino, promovendo uma pressão dentro da partícula que causará a dissolução do grânulo e a liberação do fertilizante de dentro da “cápsula de revestimento“.

Contra doenças e pragas

 

A possibilidade do fornecimento de nutrientes acompanhando a curva de crescimento e demanda das plantas garante maior produtividade.Além disso, uma planta bem nutrida tem menor suscetibilidade às doenças e pragas. O alto teor de sais no solo causa prejuízos à produtividade devido, principalmente, ao desequilíbrio metabólico dos vegetais.

Essa matéria completa você encontra na edição de dezembro 2016 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Piscinões são solução para armazenagem de água

  Os piscinões são alternativas encontradas por produtores rurais para utilizar a água de forma mais racional e com maior versatilidade Os piscinões são reservatórios construídos...

10° Brasil AgrochemShow acontece em agosto

Estamos próximos ao 10° Brasil AgrochemShow a ser realizado em São Paulo nos dias 15 e 16 de agosto. Estão previstos mais de 300...

Você realmente sabe adubar seu cafezal?

Carla Verônica Corrêa cvcorrea1509@gmail.com Bruno Novaes Menezes Martins brunonovaes17@hotmail.com Fabrício Custódio de Moura Gonçalves fabricio-moura-07@hotmail.com Engenheiros agrônomos e doutorandos em Horticultura " UNESP/Botucatu Muitos técnicos e cafeicultores, ao recomendarem...

Gesso para solos com excesso de sais

  Andréia Marcilane Aker Engenheira agrônoma e especialista em Auditoria, Perícia e Gestão Ambiental da Faculdade São Paulo (FASP) andreiaaker@hotmail.com Os solos salinos-sódicos ocorrem, geralmente, nas regiões áridas...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!