23.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 16, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosBenefícios da inoculação para acácia-negra

Benefícios da inoculação para acácia-negra

Um pequeno passo para a árvore, um grande passo para um ambiente mais verde.

Denyse Cássia de Maria Sales
Engenheira florestal e mestranda em Ciências Florestais – Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
denysecmariasales@gmail.com

Alessandra da Cunha Pessoa
Engenheira florestal e mestranda em Engenharia Florestal – Universidade Federal do Paraná (UFPR)
alessandracunhapessoa@gmail.com

Nívea Maria Mafra Rodrigues
Engenheira florestal e doutoranda em Ciências Florestais – UFES
niveamafra11@gmail.com

A acácia-negra (Acacia mearnsii De Wild.) é uma espécie arbórea leguminosa, originária da Austrália, bastante cultivada na região sul do Brasil, principalmente no estado do Rio Grande do Sul, onde desempenha um importante papel socioeconômico, especialmente para as indústrias de tanino.

Da casca são obtidos extratos vegetais ricos em taninos e fenóis. O tanino é uma matéria-prima bastante utilizada no curtimento do couro e como coagulante e floculante, para tratamento de água e esgoto, e também no uso em adesivos e resinas para painéis de madeira.

Nos últimos anos, há cada vez mais incentivos à adoção de sistemas de produção agrícola e florestal sustentáveis, priorizando o uso de tecnologias limpas em qualquer setor. A utilização de microrganismos como inoculantes, por exemplo, tem sido uma das alternativas para a redução do uso de insumos químicos.

Mecanismo de ação em acácia-negra

A inoculação de rizobactérias promotoras de crescimento em plantas (RPCPs) pode favorecer o desenvolvimento de mudas por meio de vários mecanismos, como produção de substâncias fitorreguladoras, disponibilização de nutrientes, maior resistência ao ataque de patógenos e aumento de produtividade com maior crescimento e produção de biomassa.

Em razão disso, a inoculação pode reduzir a utilização de produtos químicos na fase de produção de mudas, ou até mesmo suprimir a utilização, no caso de fitorreguladores sintéticos, como o ácido indol butírico (IBA).

O modo de ação das RPCPs pode induzir o crescimento de plantas de maneira direta ou indireta. De forma direta, a promoção do crescimento das plantas é possível pela liberação de compostos que são sintetizados pela bactéria para a planta, tal como os fitormônios, além de facilitar a absorção de alguns nutrientes do solo.

Indiretamente, se dá quando a RPCP diminui ou previne os efeitos deletérios de um ou mais organismos fitopatogênicos, tanto pela produção de substâncias antagonistas quanto pela indução de resistência sistêmica a patógenos.

As rizobactérias, quando aplicadas nas estacas, têm a capacidade de aumentar o enraizamento, sem uso de hormônio vegetal, sendo uma alternativa de menor custo, além de evitar o uso de produtos químicos que podem ser tóxicos ao produtor e ao sítio.

Além do mais, a espécie tem grande capacidade de fixação de nitrogênio atmosférico (N2) e de incorporação da matéria orgânica no solo, fornecendo proteção e manutenção produtiva à área.

Barreiras

Apesar do avanço em estudos nos últimos anos com RPCP’s em sistemas agrícolas, as pesquisas voltadas para espécies florestais ainda precisam ser aprofundadas. O objetivo central não é o aumento na produção de madeira, já que o tempo de rotação é bastante longo, mas sim proporcionar à planta uma maior taxa de sobrevivência, conferindo maior robustez (relação entre a altura da parte aérea e o diâmetro do coleto) para a muda, melhor desenvolvimento do sistema radicular e defesa contra patógenos.

Pesquisa em foco

No Brasil, o uso de inoculantes na produção de mudas de acácia-negra ainda é pouco difundido entre os viveiristas e há escassez de informações sobre os efeitos da aplicação do inoculante na germinação de sementes.

Em uma pesquisa desenvolvida com mudas da espécie em viveiro, ao aplicar o fertilizante Bacsol em sementes, obteve-se um incremento em altura de quase 100% em relação ao tratamento sem aplicação do produto. Este fertilizante orgânico é composto por bactérias e outros microrganismos classificados como rizosféricos, decompositores, nitrogenadores e para uso no controle biológico.

Os pesquisadores da área de solo e água do Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária (DDPA) da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi) do Rio Grande do Sul comprovaram que a inoculação de rizóbios nas mudas de acácia-negra resultou no aumento da qualidade das mudas (Figura 1).

Figura 1. Pesquisa desenvolvida com mudas de acácia-negra.
Fonte: Fernando Dias/Seapi

Com base nisso, foi solicitado o registro do inoculante ao Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), uma etapa importante para disponibilizar a tecnologia, pois a partir disso as indústrias poderão produzir o bioinsumo e comercializar com os acacicultores, segundo o engenheiro florestal Jackson Brilhante.

Os resultados de um primeiro teste em laboratório mostraram que a germinação das sementes aumentou 16% com a utilização do inoculante, já que o efeito associado foi muito positivo.

As rizobactérias fixam o nitrogênio no solo e ainda contribuem para a melhoria na germinação de mudas. Está prevista também a maior uniformidade dos lotes de mudas. O uso de outros grupos de bactérias benéficas para o crescimento vegetal ainda está sob análise.

Maiores benefícios da inoculação em acácia-negra

Por ser uma espécie leguminosa, naturalmente fixa nitrogênio ao solo, e sob inoculação de rizobactérias apresenta ainda mais vantagens, pois contribui significativamente para o aumento da fertilidade do solo, tornando áreas antes indisponíveis aptas à agricultura.

De modo geral, os benefícios envolvem alta qualidade nutricional, rendimento da biomassa, resistência a estresses bióticos (doenças) e abióticos (salinidade e seca), ciclagem de nutrientes, eficiência no uso de recursos hídricos e, principalmente, sustentabilidade do sistema com a redução no uso de fertilizantes químicos.

Apesar de o cultivo da espécie ser voltado majoritariamente para a produção de taninos, os benefícios inerentes à espécie e sua inoculação fazem dela uma aposta interessante para reflorestamento e restauração florestal.

Benefícios da inoculação para a acácia-negra:

– Alta qualidade nutricional;

– Rendimento da biomassa;

– Resistência a estresses bióticos (doenças) e abióticos (salinidade e seca);

– Ciclagem de nutrientes;

– Eficiência no uso de recursos hídricos e,

– Sustentabilidade do sistema, com a redução no uso de fertilizantes químicos.

ARTIGOS RELACIONADOS

Alerta – Apple stem pitting vírus, ou vírus das caneluras da macieira

  Osmar Nickel osmar.nickel@embrapa.br Thor V. M. Fajardo thor.fajardo@embrapa.br Pesquisadores da Embrapa Uva e Vinho Repetidamente, empresas filiadas à ABPM, exportadoras de maçã, deparam-se com problemas burocráticos impostos pelos...

Boas práticas de inoculação da soja

Mariangela Hungria Marco Antonio Nogueira Pesquisadores da Embrapa Soja O nitrogênio é o nutriente requerido em maior quantidade pela cultura da soja. Para cada 1.000 kg de...

LMV – Pior virose das folhosas

Marina Guimarães Pacifico Engenheira agrônoma, mestre em Fitopatologia e doutoranda em Proteção de Plantas (UNESP Botucatu) ma_pacifico1@hotmail.com O LMV (Lettucemosaicvirus) está disseminado por todo o mundo. O...

Ovo é bom e faz bem

Ovos são ricos em proteínas, vitaminas e minerais essenciais para a saúde. Estudos mostram melhorias na qualidade da casca com aditivos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!