16.6 C
Uberlândia
quinta-feira, junho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiBenefícios das algas marinhas para folhosas

Benefícios das algas marinhas para folhosas

Nilva Terezinha Teixeira

Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro Universitário do Espírito Santo do Pinhal (UniPinhal)

nilvatteixeira@yahoo.com.br

 FotosShutterstock
FotosShutterstock

O uso de derivados de algas marinhas na agricultura, que se constitui em alternativa ecologicamente correta ao uso de fertilizantes e bioestimulantes, vem aumentando. Dados de literatura informam que 15 milhões de toneladas métricas de algas marinhas colhidas anualmente são empregadas nas lavouras.

Agora, como se explica o interesse crescente pelo emprego das algas marinhas na agricultura? É preciso lembrar que tais organismos contêm expressivas quantidades de macro e micronutrientes, betaínas, citocininas, auxinas, giberelinas e vitaminas que estimulam o desenvolvimento vegetal, destacando-se os efeitos nas etapas de enraizamento, floração e formação da produção.

Além de tais fatores, ressalta-se a influência importante que as algas têm na resistência a agentes externos: déficit hídrico, temperaturas desfavoráveis e atuação como desintoxicante. Atualmente, a utilização de extratos de algas vem ganhando popularidade devido ao seu potencial uso em agricultura orgânica e sustentável.

As algas estimulam o enraizamento, floração e formação da produção - Fotos Shutterstock
As algas estimulam o enraizamento, floração e formação da produção – Fotos Shutterstock

Tendência

 O atual interesse pela preservação do meio ambiente tem estimulado o desenvolvimento de métodos alternativos de controle de pragas e doenças. Os extratos de algas marinhas podem se enquadrar como uma das referidas alternativas – são organismos ricos em compostos bioativos.

Tais organismos são pouco empregados para o controle de doenças de plantas e poucos trabalhos se referem à atividade antifúngica. Ainda, as algas marinhas são fontes de antibióticos com ampla e eficiente atividade antibacteriana, porém, são poucos os estudos da ação sobre bactérias fitopatogênicas.

As algas promovem aumentos de 14% de comprimento de raízes - FotosShutterstock
As algas promovem aumentos de 14% de comprimento de raízes – Fotos Shutterstock

Àfrente das algas

Ascophyllum nodosum é uma das espécies de algas marinhas mais pesquisadas no mundo para fins agrícolas. Trata-se de uma fonte natural de macro e micronutrientes (N, P, K, Mg, S, B, Fe, Mn, Cu e Zn), e também de aminoácidos, citocininas, auxinas e ácido abscísico, substâncias que afetam o metabolismo celular das plantas e promovem o aumento do desenvolvimento e da produtividade vegetal.

Outras espécies de algas marinhas que vêm sendo empregadas na agricultura são as calcárias, com destaque para a Lithothamnium calcareum. Tais algas absorvem altas quantidades de cálcio e magnésio, formando carbonatos (calcário) que as sufocam e matam, e a seguir elas se fossilizam.

O calcário acaba depositado em forma granulada, recamando a plataforma, formando verdadeiras jazidas, com valor econômico, mas, ao mesmo tempo, são importantes para a sustentação de vários organismos, além de auxiliar na fixação do carbono, ajudando a reduzir emissões de gases do efeito estufa. Então, a exploração deve ser cuidadosa.

Na exploração comercial, o produto é retirado do fundo do mar do sedimento marinho, seco ao ar livre e triturado, peneirado e assim comercializado. Entretanto, outra possibilidade é promover, após a moagem, nova secagem a quente e pulverização a frio.

Devido à porosidade do material e às pequenas dimensões de suas partículas, o produto apresenta uma atividade muito intensa no solo, principalmente pela elevada superfície específica do material.

A Lithothamnium calcareum pode apresentar 46% de CaO, 4,2% de MgO, uma reatividade de 99% e um PRNT de 92,6% e rápida ação na liberação do cálcio e magnésio e na correção da acidez e no condicionamento do solo.

Ainda, tais organismos são ricos em outros nutrientes de plantas e de bioestimulantes naturais. Levam consigo, também, uma rica fauna marinha que muito vai contribuir para a vida microbiológica do solo agindo, inclusive, na decomposição da matéria orgânica. São algas com habitat em mar aberto e em profundidades de até 30 metros.

As algas aumentam o número de folhas e produtividade - FotosShutterstock
As algas aumentam o número de folhas e produtividade – FotosShutterstock

Outras algas

Derivados de outras espécies de algas, além das já referidas, podem ser empregadas na agricultura. Assim, produtos à base da alga parda Eckloniamaxima têm se mostrado como alternativa no controle de problemas fitossanitários. Da alga marrom Laminaria digitata se extrai o polissacarídeo laminarina, que é capaz de elicitar respostas de defesa das plantas.

Para as folhosas

Especificamente em hortaliças folhosas, resultados de estudos experimentais têm mostrado a possibilidade de inclusão de formulados à base de algas marinhas. Em alface, o uso em canteiros e a céu aberto, de 2 L.ha-1 de produto comercial composto de extrato de alga Laminaria, aos 14 e 30 dias após o transplante das mudas, promoveram aumentos ao redor de 20% em massa verde da parte aérea, 15% de massa verde de raízes e 14% de comprimento de raízes.

Outros trabalhos revelaram que o uso de produto comercial do extrato de Ascophyllumnodosum beneficiou a produtividade de alface cv. Elba. A pulverização de 75 g.100 L-1 do extrato ou a aplicação no solo de 750 g.ha-1 aumentou em 55,11 e 58,14%, respectivamente, a produtividade (massa fresca).

Também há relatos de aumentos no número de folhas (16,6%) e massa fresca (24,3%) e seca (24,6%) da parte aérea de alface crespa ‘Vera’ tratada com extratos de algas marinhas do gênero Sargassum e Laminaria, quando aplicados na dose de 2 L.ha-1 via foliar aos 14 e 21 dias após o transplante.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de Agosto 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Inoculação e extratos de algas marinhas beneficiam floração da soja

  Nilva Teresinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora e professora de Nutrição de Plantas e Produção da UniPinhal nilvatteixeira@yahoo.com.br A soja é uma lavoura exigente em nutrientes, principalmente nitrogênio...

Fertilizantes organominerais e sua aplicação na olericultura

Autores Regina Maria Quintão Lana Professora de Fertilidade e Nutrição de Plantas – Universidade Federal de Uberlândia (UFU) rmqlana@ufu.br Miguel Henrique Rosa Franco Mara...

Corteva Agriscience™ passa a ser 100% independente

A Corteva Agriscience™ completou com sucesso sua separação da holding DowDuPont, tornando-se uma empresa 100% agrícola e uma das líderes globais, que oferece soluções completas para...

Fertilizantes foliares complexados com aminoácidos: evolução em nutrição

  Luis Fernando Gundim Engenheiro agrônomo e consultor especialista em HF luis.fernando@ciadaterra.com   Para toda a planta, os aminoácidos (a.a.) são fontes diretas de substrato para suas reações...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!