Biodigestor é alternativa sustentável e rentável aos produtores e agroindústrias

A construção do sistema permite a produção de biogás que pode ser utilizado na geração de energia térmica ou elétrica e ainda possibilita a oportunidade de explorar o mercado de crédito de carbono.

0
348
Foto Divulgação

Em uma agroindústria ou propriedade rural, a eficiência na produção e sustentabilidade são duas coisas que cada vez mais precisam andar juntas, principalmente para atender às exigências dos mercados. Para isso, é preciso reaproveitar dejetos e todo o excedente da produção ao longo de todo ciclo do processo produtivo, que além de ambientalmente correto pode gerar mais rentabilidade.

Neste propósito, o biodigestor é a ferramenta mais eficiente, pois, pode ser utilizado em efluentes industriais ou também em atividades como a suinocultura e bovinocultura. Ele consiste em um grande recipiente onde diversos materiais orgânicos são depositados e digeridos por bactérias anaeróbicas, que produzem biofertilizantes e biogás.

O biogás é uma fonte renovável utilizada na geração de energia térmica ou elétrica, que por sua vez pode ser ligada diretamente à rede, geradores ou aquecedores. Além disso, a solução reduz em 21 vezes a emissão de poluição da lagoa para o meio ambiente e ainda possibilita a utilização do biogás para queima em caldeiras industriais.

Segundo Rodrigo Colla, diretor comercial da Aviserra Soluções Ambientais, empresa de Guaporé/RS que trabalha há mais de 21 anos com execução de obras com geossintéticos, em cada novo projeto é preciso muito estudo e análises técnicas para que se obtenha a potencialidade na produção de biogás. “Realizamos a construção de todo o sistema do biodigestor. Além de ser uma solução ambiental, ela proporciona um rápido retorno financeiro do investimento e lucros posteriores decorrentes da grande diminuição de utilização de lenha no processo e/ou da economia de energia elétrica, por exemplo”, diz.

Há inúmeras possibilidades ou estratégias com a utilização dos biodigestores, de acordo com o diretor comercial da Aviserra. Um de seus clientes, por exemplo, os utiliza em várias frentes. Além de usar a estrutura para gerar energia, uma das unidades da empresa já realiza a purificação do gás para abastecer os veículos próprios da companhia. “O negócio tem dado tão certo que estão comprando agora uma frota de caminhões já convertidos a GNV para utilizar o gás produzido. Eles têm também uma meta de cumprir até 2035 todas as normas ambientais de tudo aquilo que é produzido, para que possa retornar ou ser compensado”, destaca o diretor.

Ainda segundo o profissional, esse tipo de iniciativa comprova que houve uma mudança de chave, no qual projetos focados em meio ambiente deixaram de ser vistos como custo e passaram a serem tratados como investimento. “Fazemos projetos que chegam até R$ 6 milhões, e muitos se pagam em dois anos. Por isso, muitas indústrias estão utilizando o biodigestor, fazendo testes daquilo que pode ser mais eficiente e viável”, cita.

Crédito de carbono

O crédito de carbono é caracterizado como uma moeda utilizada no mercado, onde uma unidade de crédito equivale a uma tonelada de CO2 (dióxido de carbono) que deixou de ser produzido e liberado ao meio ambiente. Além disso, quando outros GEE (Gases do Efeito Estufa) deixam de ser lançados ao meio ambiente, são emitidos créditos com base em uma tabela de carbono equivalente, como é o caso do metano, por exemplo. Ele também é um GEE, no entanto, o seu potencial de aquecimento global é 21 vezes maior que o potencial do CO2. Então, uma tonelada de metano reduzida ou retirada da atmosfera será equivalente a 21 créditos de carbono.

No mercado de crédito de carbono, as empresas que têm a possibilidade de diminuir a emissão de gases poluentes obtêm tais créditos. Estes, por sua vez, podem ser vendidos nos mercados financeiros nacionais e internacionais. “O pessoal tem buscado muito os biodigestores focados nessas questões de crédito de carbono, afinal, é mais uma possibilidade de ganhos financeiros adicionais às empresas”, destaca Leogênio Stefanon, gerente comercial da Aviserra.

Segurança no projeto

Uma das preocupações da Aviserra é desenvolver projetos que sejam seguros para a indústria e também que não gerem impactos negativos ao meio ambiente, por isso, além de muita expertise, também utilizam produtos de alta qualidade e durabilidade. Entre as mais importantes estão as geomembranas e a solução escolhida pela empresa foi as Polimanta® Agro desenvolvidas pelo grupo Nortène.

Com opções para diferentes tipos de terrenos, declividade e capacidade, na agropecuária, o produto do grupo Nortène tem aplicação para reservatórios, piscinões, açudes, biodigestores e canais de irrigação. Uma das principais características é a longevidade, que está amparada em seus sete anos de garantia, dois anos a mais com relação aos seus principais concorrentes. No entanto, é uma geomembrana desenvolvida para durar ainda mais tempo.

O produto conta com a tecnologia israelense, fabricado com Polietileno de Alta Densidade (PEAD), que confere resistência a agentes químicos, a raios UV e à oxidação. Tem também elevados índices de resistência à perfuração, à tração e a rasgos, característica que dá segurança hídrica e financeira.

No caso da aplicação de biodigestores é necessário que o reservatório de geomembrana tenha maior flexibilidade, especificamente na cobertura, pois são previstos assentamentos diferenciais e deformações do material. Para suprir essa necessidade, é indicado o uso de reservatório de geomembrana de Polietileno Linear de Baixa Densidade (PEBDL) para a cobertura e contenção de gás. Devido a sua natureza e composição química, ambos reservatórios de geomembrana PEBDL e PEAD são imunes a ataques biológicos de microorganismos e são atóxicos, comparados com outros tipos de geomembranas, e que podem ser suscetíveis a esses ataques devido à sua composição.

Grupo Nortène – Fundada em 1981 e sediada em Barueri/SP, a Nortène é pioneira no fornecimento de: reservatórios de geomembrana, filmes agrícolas, mulching, telas plásticas tecidas, telas plásticas termo-soldadas, silo-bolsa, Agro silotubo HP, telas tapume e lona para construção. A Nortène contribui também com sua tecnologia exclusiva em plásticos na fabricação e na comercialização dos produtos das empresas: Engepol Geossinteticos, Santeno Irrigação, Tecnofil Soluções em telas e Silox armazenagem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!