26.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 23, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasCafeicultura brasileira deseja mais sustentabilidade

Cafeicultura brasileira deseja mais sustentabilidade

Cecafé trabalha para evidenciar leis existentes e o salto em qualidade e sustentabilidade, que proporcionaram evolução social e ambiental dos cafés do Brasil

Promover uma reflexão sobre as tendências regulatórias globais, seu impacto no fluxo do comércio de café e como as associações mundiais estão atuando nesta agenda. Esse é o objetivo do painel “Associações Globais do Café”, no dia 26 de maio, dentro da programação do 9º Coffee Dinner & Summit, realizado pelo Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).
 
Segundo Marcos Matos, diretor-geral da entidade, um dos painelistas no evento, que conta com patrocínio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), é necessário, frente às novas regulações dos principais mercados consumidores dos cafés do Brasil, proporcionar o debate das entidades globais do setor e, como maior produtor e exportador, externar o respeito aos critérios ESG da cafeicultura nacional.


“A sustentabilidade é intrínseca à atividade cafeeira brasileira e um pilar de atuação do Cecafé desde sua fundação, tendo sido fortalecido recentemente. Assim, encabeçamos os debates sobre as tendências regulatórias, que têm a União Europeia mais adiantada na implantação, seguida pelos Estados Unidos. Por isso traremos representantes de grandes indústrias e associações da Europa e norte-americanos, com os quais possuímos fortes laços, para debater como podemos trabalhar juntos, além de contarmos com a participação da Organização Internacional do Café (OIC), que tem papel fundamental na conexão de países produtores e exportadores”, comenta.
 
O diretor do Cecafé revela que a intenção dessas discussões é trazer atualizações dos trâmites a respeito dessas regulações no cenário internacional e, ao mesmo tempo, apresentar a evolução da cafeicultura brasileira, que já tem potencial para atender a todas as novas demandas legais que emergem.
 
“Temos intensificado nossa atuação para evidenciar a sustentabilidade e o respeito aos critérios da governança socioambiental da atividade cafeeira no Brasil, mostrando os trabalhos realizados no país, a legislação existente e o salto em qualidade e sustentabilidade, que proporcionaram significativa evolução social e ambiental dos nossos cafés nas últimas décadas”, anota.
 
Ele completa que, no Brasil, onde há café, há preservação e respeito ao meio ambiente, condições dignas de vida aos produtores e trabalhadores e que avanços no segmento são sempre bem-vindos, desde que observados os argumentos de todos os envolvidos, da produção à exportação.
 
“Somos favoráveis que o mundo demande produtos com essa responsabilidade sustentável e, por isso, trabalhamos para que essas novas regras sejam fortalecedoras do processo de sustentabilidade, de mais progresso no campo e não resultem em exclusão social ou perdas”, conclui.
 
William “Bill” Murray, presidente e CEO da National Coffee Association (NCA), dos Estados Unidos, que também será painelista no evento, reforça a importância de se dar o devido destaque aos cafeicultores mundiais. “Todos os elos dependem da cadeia de abastecimento global do café. É mais importante do que nunca trabalharmos juntos para que as novas regulações emergentes garantam um futuro crescente e sustentável para o segmento”, destaca.
 
O secretário-geral da Swiss Coffee Trade Association (SCTA), Michael Von Luehrte, acrescenta que, para lidar com a crescente pressão legislativa, as associações cafeeiras globais concordaram em coordenar a coleta de mensagens, dados e fatos para que se possa ajudar a educar o público e os legisladores sobre as complexidades, problemas e esforços existentes para melhorar os meios de subsistência dos produtores.
 
“Sem produção, não há comércio ou consumo, por isso todos nós, setor privado, sociedade civil, academia e governos, temos que trabalhar juntos, de forma colaborativa, para impulsionar a melhoria contínua, tendo atenção especial sobre mudanças climáticas e segurança alimentar”, conclui.
 
Além de Matos, Murray e Von Luehrte, o painel “Associações Globais do Café”, do 9º Coffee Dinner & Summit, contará com as contribuições de Eileen Gordon, Secretária Executiva da European Coffee Federation (ECF); Cyrille Janet, vice-presidente da SCTA, Hannelore Beerlandt, consultora da Comissão Europeia em matéria de produtos de base globais, em especial, café; e de Vanusia Nogueira, diretora executiva da OIC.
 

ARTIGOS RELACIONADOS

Green Has investe na sustentabilidade do ambiente agrícola

Franco Borsari Diretor executivo Green Has A Green Hasestá particularmente satisfeita em anunciar que na conferência "Sustentabilidade do ambiente agrícola: contribuições da genética e fisiologia das...

IAC obtém patente para gene promotor isolado

Para muitas pessoas o dia só começa após o primeiro café. O Instituto Agronômico (IAC), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, é responsável pelo desenvolvimento de aproximadamente 90% das cultivares de cafeeiro do tipo arábica plantadas comercialmente no Brasil.

Abapa e Aiba finalizam orientação e adequação ambiental

Preocupados com a sustentabilidade em toda a cadeia agrícola do algodão, os produtores baianos, por meio Centro de Apoio à Regularização Ambiental da Associação dos Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), mantido em parceria com a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) e Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), promoveu entre os meses de julho e novembro deste ano visitas técnicas em 58 indústrias de beneficiamento de algodão, também conhecidas como algodoeiras, que separam o caroço da pluma logo após da colheita.

Clubes de assinatura de café se multiplicam

Leia o artigo de Luan Gabellini, sócio-diretor da Betalabs.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!