26.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 23, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosCafeicultura movimenta R$ 2,7 bilhões em defensivos agrícolas

Cafeicultura movimenta R$ 2,7 bilhões em defensivos agrícolas

Estudo FarmTrak, da consultoria Kynetec, envolveu quase 1,1 mil produtores em 350 municípios das principais regiões produtoras do grão; Minas Gerais e Espírito Santo permanecem à frente em área cultivada e investimentos.

Quinto maior cultivo em vendas da indústria de defensivos agrícolas, o café movimentou R$ 2,7 bilhões em produtos na safra 2022-23, alta da ordem de 17% ante o ciclo anterior (R$ 2,4 bilhões). Os dados são do recém-divulgado estudo FarmTrak, da consultoria Kynetec. Com a área cultivada do grão medida em 2,1 milhões de hectares, 1% acima do último período, os fungicidas foliares lideraram as vendas: saltaram de R$ 674 milhões para R$ 759 milhões, ou 28% do mercado, uma elevação de 13%.

Os herbicidas, na segunda posição, responderam pelo montante de R$ 727 milhões frente à safra 2021-22 (R$ 494,36 milhões), equivalentes a 27% das transações, com crescimento de 32%. Em terceiro na pesquisa, as aplicações via drench (por jato dirigido abaixo da copa da planta, no sistema radicular) caíram de 28% (R$ 673 milhões) para 24% (R$ 652 milhões). Já os inseticidas alcançaram R$ 434 milhões ou 16% do total, contra R$ 374 milhões (+16%).

Segundo o analista de inteligência de mercado da Kynetec, Lucas Furquim, o mercado de defensivos para café cresceu ancorado no aumento da adoção de produtos e número de tratamentos. No caso dos herbicidas, os alvos centrais foram plantas daninhas em pré e pós-emergência (folhas largas). As pragas bicho-mineiro e broca-do-café puxaram os inseticidas, enquanto a ferrugem-do-café e a seca-dos-ponteiros exigiram do produtor mais fungicidas foliares.

Em área cultivada do grão, complementa o especialista da Kynetec, o FarmTrak mostrou que Minas Gerais segue o estado mais representativo: 1,2 milhão de hectares ou 60% do total (2,1 milhões de hectares), principalmente em face da produção de café arábica. Em valor, a cafeicultura mineira destinou R$ 1,6 bilhão aos agroquímicos, 62% da movimentação do mercado.

O Espírito Santo se manteve na segunda posição em área e investimentos em tecnologias para controle de pragas, doenças e invasoras. No estado onde predomina a variedade robusta, que ocupou 441 mil hectares ou 21% do plantio total, o cafeicultor consumiu R$ 400 milhões em produtos, 15% do mercado.

ARTIGOS RELACIONADOS

A evolução do melhoramento genético suíno

Muitas pessoas confundem raça com linhagem.

Produtor de Guarapuava bate recorde nacional de produção de soja

Com 149,08 sacas por hectare, triplo da média nacional, Marcos Seitz é campeão do Desafio de Máxima produtividade do CESB O produtor Marcos Seitz, de...

Os consumidores da geração Z: impacto no agronegócio

A Geração Y promoveu rupturas, a Z as aprofundará.

BASF acompanha crescimento da cotonicultura mineira

A BASF marcou presença no Dia de Campo da AMIPA apresentando toda a sua linha voltada para a cotonicultura. Alexandre Rodrigues de Azeredo, gerente...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!