21.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 24, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioMercadoChuva volta a prejudicar safra de Feijão

Chuva volta a prejudicar safra de Feijão

Perdas podem chegar a 70% em algumas lavouras do interior do Paraná

Perdas nas lavouras
Perdas nas lavouras

A semana começou com uma nova alta nos valores de negociação do Feijão pelo país. As pesquisas realizadas pelo Instituto Brasileiro do Feijão & Pulses (Ibrafe) constataram que a  chegada das chuvas e das baixas temperaturas no Paraná agravaram a situação da colheita e vão reduzir ainda mais a oferta. A estimativa é de que haja perda em torno de 70“‹/80“‹% em algumas lavouras “‹não colhidas antes da chuva no estado.

Perdas nas lavouras  (2)

Diante desse cenário, nos estados do Paraná e de Goiás, os negócios giram em torno de R$250 para o Feijão-carioca. Essas negociações abrem uma janela de oportunidade de comercialização para os produtores que ainda possuem área para colher.

Desde o mês de fevereiro, já era esperado um déficit de mais de 20 mil toneladas e, posteriormente “‹ em junho, um superávit. Se há uma perda de aproximadamente 18% a 20% no Paraná, isso significa que não haverá um superávit e, sim, um déficit para o mês de junho, que pode chegar a 60 mil toneladas.

A situação que já é grave, pode piorar no final de semana com a previsão de geadas na madrugada entre sexta (9) e sábado (10). Com isso, além da queda na produtividade, há também a baixa na qualidade do grão, já que a chuva impede os tratamentos necessários nas lavouras.

“‹“É possível também que as áreas tenham sido superestimadas oficialmente. Desejamos que os produtores consigam colher o final da safra. “‹Mesmo colhendo o que há no Paraná, ainda há a “‹perspectiva“‹ expectativa de que possamos voltar e ter preços históric“‹amente alt“‹os. Fica cada dia mais claro“‹ que necessitamos de uma estratégia governamental que faça frente a estas situações extremas“, afirmou o presidente do conselho do Ibrafe, Marcelo Eduardo Lüders.

A expectativa é de que a terceira safra, que deve ser colhida nos meses de julho e agosto, possa chegar no mercado com preços elevados.

A Argentina, que seria a principal “‹exportadora de Feijão-preto para este primeiro semestre, também não está em boas condições. A qualidade do Feijão não é tão boa e a quantidade disponível para importação não vai conseguir suprir a demanda do mercado brasileiro.

Perdas nas lavouras  (3)

“‹O Feijão corre o sério risco de voltar a fazer parte das manchetes como vilão da inflação.  “‹

Carolina Gomes

Assessora de Comunicação

ARTIGOS RELACIONADOS

AcadianBioSwicth aumenta rentabilidade na cultura do algodão

  Situada no Canadá, a AcadianSeaplants é uma companhia independente e líder mundial em pesquisas, cultivo, colheita e extração de algas marinhas. Sediada na cidade...

Estresse hídrico: Algas são a solução

  Nilva Teresinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora do Curso de Engenharia Agronômica do Centro Regional Universitário de Espírito...

A resinagem de pinus no Brasil – Passado, presente e futuro

Laércio Couto PhD., engenheiro florestal, doutor em Ciências Florestais e diretor técnico da Tecflora lcouto@tecflora.com.br ThannarBubna Tecnólogo em Comércio Exterior e diretor da Tecflora para Produtos Não Madeireiros tbubna@tecflora.com.br A...

Cochonilhas podem atacar e causar a morte do cafeeiro

Lenira Viana Costa Santa-Cecília Engenheira agrônoma e pesquisadora do IMA/EPAMIG Sul/EcoCentro/Lavras (MG) Brígida Souza Engenheira agrônoma e professora do Departamento de Entomologia da UFLA/ Lavras...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!