21.2 C
Uberlândia
sexta-feira, julho 19, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiComo aumentar a vida útil da goiaba em pós-colheita

Como aumentar a vida útil da goiaba em pós-colheita

 

Marcos José de Oliveira Fonseca

Pesquisador em Fisiologia e Manejo Pós-colheita de Frutas e Hortaliças

 

Créditos Marcos José de Oliveira Fonseca
Créditos Marcos José de Oliveira Fonseca

A Embrapa desenvolveu um revestimento comestível que conserva a qualidade da goiaba, reduzindo as perdas e o descarte nas gôndolas de supermercados. Por meio deste processo é possível a extensão da vida útil, com qualidade, por mais três a cinco dias em relação a frutas não revestidas, considerando-se as condições de manejo e temperatura de exposição das goiabas após a colheita.

Variantes

A vida útil da goiaba pode variar muito em função da temperatura de exposição, da forma em que é manuseada e da variedade. Mas, em geral, pode variar de dois a sete dias em condição ambiente.

A conservação sob refrigeração estende sua vida útil, e o uso de revestimentos pode ajudar na manutenção da qualidade por um período adicional ao reduzir a respiração do produto e o murchamento.

Manejo

O mais trabalhoso é preparar o revestimento, que requer o aquecimento dasolução e a inclusão dos ingredientes na ordem certa. Após o resfriamento da solução, os frutos devem ser imersos nela por um minuto e deixá-los secar ao ambiente. Quando a solução aderir à goiaba (“secar”), a fruta pode ser embalada.

Com a técnica, a vida útil dela pode ser aumentada de três a cinco dias, dependendo da temperatura ambiente.

Custo

O custo do revestimento é relativamente barato. Em uma avaliação simples, o custo com a solução é de R$ 0,75 por quilo de goiaba, mas este valor pode variar em função do preço dos insumos.

Quanto à viabilidade, depende do mercado a ser abastecido e época do ano. Quando a oferta for alta e o preço reduzido, pode não ser compensador. Mas para mercados distantes e em períodos de entressafra, devido ao alto custo da goiaba, o valor a ser agregado pode compensar, pela extensão da vida útil e redução das perdas do que foi produzido e transportado, ou mesmo em razão da pequena oferta.

Versatilidade

O revestimento foi testado em goiaba ‘Pedro Sato’, mas a princípio seu uso pode ser estendido para aplicação em outras variedades. Para outras frutas, sempre se farão necessários estudos adicionais para compatibilização do metabolismo respiratório, composição do filme e características de sua casca.

Essa matéria você encontra na edição de março 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Pesquisa desenvolve o primeiro porta-enxerto de goiabeira

Novo porta-enxerto permite produção em áreas até então infestadas pelo nematoide, viabilizando novamente a exploração da cultura nesses locais.

Poda de cafeeiros em sistema safra zero é a salvação da cafeicultura de montanha

José Braz Matiello Engenheiro agrônomo da Fundação Procafé   A poda de esqueletamento em cafeeiros, que leva a zerar a safra baixa, permitindo ter uma safra alta...

Morango cultivado em substrato ou em semi-hidroponia

  Heitor A. Pagnan Engenheiro agrônomo da Maxxi Mudas Valdir Monegat Técnico agrícola da Maxxi Mudas Nos últimos 15 anos a cultura do morango obteve vários avanços, principalmente em...

Produtores reclamam de antecipação do vazio sanitário da soja

Não agradou em nada aos produtores de soja de Mato Grosso a antecipação do período do vazio sanitário da oleaginosa, que passará do dia...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!