20.6 C
Uberlândia
terça-feira, julho 23, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosFlorestasNanopartículas previnem fungos em bambus

Nanopartículas previnem fungos em bambus

Estudo “Bambu para uma engenharia sustentável“ faz uso inédito no País de moderno microtomógrafo de raios X

Crédito PUC-Rio
Crédito PUC-Rio

Opção mais sustentável às madeiras de reflorestamento, o bambu é cada vez mais usado em construções civis e diferentes tipos de objetos, tanto no Brasil como em outros países. Porém, a planta sofre constantemente ameaças de fungos e diferentes pragas, o que acaba prejudicando um mercado que movimenta US$ 14 bilhões por ano, de acordo com o International  Network for Bamboo and Rattan (INBAR).

Para um combate mais eficiente aos fungos e bactérias que costumam atacar esta espécie vegetal e aumentar a durabilidade do bambu contra a ação natural de biodegradação, desde 2013 o Departamento de Química do Centro Técnico Científico da PUC-Rio (CTC/PUC-Rio) utiliza, de forma inédita no País, um microtomógrafo de raios X para auxiliar na caracterização da deposição de nanopartículas de prata na matriz biológica do bambu.

Alternativa sustentável

Os resultados da pesquisa já confirmam que o uso de nanopartículas para impedir a multiplicação de fungos em bambus é uma boa alternativa aos produtos químicos tradicionais. Estima-se que, normalmente, um bambu mofa em dois meses em condição de alta umidade.

Com a impregnação do bambu com nanopartículas de prata, este prazo aumenta para um ano, favorecendo todo o mercado nacional que utiliza o bambu ou outros materiais naturais como matéria-prima, como empresas de produção de materiais de construção não-convencionais e empresas de design e móveis.

 O estudo segue até 2017 e faz parte do projeto “Bambu para uma engenharia sustentável”, financiado pelo MCTI/CNPq e coordenado por um dos principais pesquisadores em bambu do Brasil, o professor Emérito KhosrowGhavami, do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental do CTC/PUC-Rio.

O equipamento de microtomógrafo - Crédito PUC-Rio
O equipamento de microtomógrafo – Crédito PUC-Rio

Microtomógrafo de raios X

 Segundo o professor Omar Pandoli, do Departamento de Química e um dos responsáveis pela pesquisa, o equipamento usa tecnologia semelhante à da tomografia hospitalar para permitir a visualização da estrutura interna tridimensional de objetos opacos. O equipamento é constituído por uma fonte de raios X, um sistema rotacional (que garante que o feixe irradie por completo a amostra) e um sistema de detecção de resolução micrométrica.

Essa matéria você encontra na edição de março/abril 2017  da revista Campo & Negócios Floresta. Adquira já a sua.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

A importância de garantir a qualidade do material genético do Pinus

As pesquisas com pinus começaram na década de 1970, quando Brasil, África do Sul, Colômbia, Zimbábue, Índia e Honduras criaram uma rede experimental por meio de...

Produção de teca em Mato Grosso será destaque no 4º Encontro Brasileiro de Silvicultura

  Líder nacional na produção de grãos, Mato Grosso também é destaque por seu potencial na produção de florestas plantadas, e possui 90% da área...

Duratex desenvolve aplicativo de coleta de ponto para colaboradores da área Florestal Botucatu

Tecnologia permite que os registros de chegada e saída do trabalho sejam feitos de forma digital para os trabalhadores do campo   A Duratex acaba...

Seringueira se mostra um bom negócio

Andrey Vetorelli Borges andrey.vetorelli@cati.sp.gov.br Fernando Miqueletti FioravanteStuchi Neto Lucas Fernando Simão Engenheirosagrônomos da Cati, EDR São José do Rio Preto Por meio dos seringais é possível melhorar a qualidade ambiental...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!