13.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 29, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiComo evitar o pendoamento precoce da alface

Como evitar o pendoamento precoce da alface

Crédito Luize Hess

Igor Barbosa da Cruz
Engenheiro agrônomo e Mestrando em Produção Vegetal – Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF)
Carla Roberta Ferraz Carvalho Bila
Licenciada em Biologia e doutoranda em Produção Vegetal – UENF
Cláudia Lopes Prins
Engenheira agrônoma, doutora em Produção Vegetal e professora de Olericultura – UENF
prins@uenf.br

A alface é a principal hortaliça produzida no Brasil, seguida pelo repolho e a couve. São 108.382 estabelecimentos agrícolas, com 670.585 produtores e uma área total de 86.856 ha, onde são produzidas 575.529 ton/ha de alface (Censo Agropecuário-IBGE,2017).
Por ser um produto muito perecível, seu cultivo ocorre no entorno dos centros de comercialização, formando os chamados “cinturões verdes”. Os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais são os principais produtores de alface, cujo mercado movimenta um montante de R$ 8 bilhões, considerando-se apenas o varejo (Levantamento do Cenário Hortifruti, 2018).
A alface é uma planta que se caracteriza pelo plantio anual e de crescimento herbáceo, com caule pequeno e folhas que crescem em forma de roseta, apresentando folhas lisas ou crespas, nas tonalidades verde e roxa, ou uma mescla das duas cores.
É uma planta que apresenta fácil manuseio, utilização diversificada e preço acessível, tornando-a a folhosa mais produzida e consumida no Brasil. O desenvolvimento de novas variedades buscando cores diferentes, texturas, tamanhos, formatos de cabeça e sabor segue a demanda do consumidor na busca por qualidade e novos usos num mercado altamente exigente e em constante transformação.

Limitações

Por ser uma espécie que exige clima ameno, seu cultivo apresenta limitações sob temperaturas elevadas. A germinação é inibida sob temperaturas superiores a 30°C. Para o desenvolvimento da alface, a temperatura média ideal é de 20°C.
A cultura apresenta duas fases: 1) vegetativa, com duração de 60 a 90 dias após a semeadura, ao fim da qual é realizada a colheita para a comercialização. Esta fase é favorecida por dias curtos e temperaturas amenas ou baixas; 2) reprodutiva, quando ocorre alongamento da haste floral, emissão de inflorescências e produção de sementes.
A transição para a fase reprodutiva é favorecida por temperaturas médias de 25ºC, com variações dependentes de cultivares. O início da fase reprodutiva independe da idade da planta, ou seja, aquelas que ainda não atingiram o completo desenvolvimento vegetativo podem responder aos estímulos ambientais com o início do processo de pendoamento.

Pendoamento

O pendoamento é um processo natural da alface e caracteriza-se por alterações morfológicas e metabólicas como, por exemplo, alongamento caulinar, redução do número de folhas e produção de substâncias amargas com aspecto leitoso.
Em cultivares que produzem “cabeça” pode haver descaracterização e deformação desta, o que resulta em baixa qualidade e perda do produto agrícola. No cultivo comercial de alface para consumo esse processo é indesejável, pois acaba por afetar significativamente a qualidade do produto, como alterações do formato das folhas e organolépticas (acentuado sabor amargo decorrente da presença de lactonas sesquiterpênicas).
A lactucina é a principal lactona sesquiterpênica presente na família Asteraceae, que associada a outros compostos derivados do metabolismo secundário são os responsáveis por promover amargor à alface, característica indesejável, pois prejudica o sabor e deprecia a qualidade do produto.
A lactucina é encontrada principalmente no caule, mas também no limbo foliar. Esse composto e seus derivados têm como função proteger a planta do ataque microbiano e de insetos, causando toxidez nos organismos invasores. Às lactonas sesquiterpênicas são associados efeitos medicinais como, por exemplo, sedativo.

O caminho

A regulação do pendoamento ainda não é completamente compreendida. Estudos têm revelado alterações no metabolismo do carbono e dos níveis hormonais (Hao et al., 2018). Enzimas e proteínas associadas ao metabolismo de sacarose e amido apresentam atividade elevada nesse período.
O acúmulo de amido e açúcares solúveis inibe o crescimento vegetativo e induz à fase reprodutiva. Em condições de temperatura elevada, foi observado aumento da concentração de giberelinas e, além disso, aplicações desse hormônio induzem o pendoamento, evidenciando sua ação no processo.
Outro hormônio associado ao pendoamento é a auxina (Liu et al., 2018), que também apresenta maior concentração no caule em função da temperatura. Os pesquisadores acreditam que temperaturas elevadas afetam a fosforilação de importantes proteínas associadas à regulação hormonal (Qin et al., 2020).

Calor como entrave

A tolerância ao pendoamento pode estar relacionada à expressão de proteínas de choque por calor que, quando associadas ao cálcio podem levar à proteção de membranas celulares e outras estruturas, reduzindo o estresse (Wang et al., 2021).
Um pequeno período de exposição ao calor já pode induzir o pendoamento. Segundo Hao et al. (2021), oito dias sob 33ºC foi suficiente para induzir pendoamento em alface e já aos quatro dias de exposição alterações do metabolismo de açúcares já eram perceptíveis.
O pendoamento é, portanto, um processo natural do ciclo de vida da alface. O problema surge quando este ocorre de forma precoce, sendo indesejável para o produtor e para o consumidor, uma vez que há perda considerável da qualidade, sabor e estrutura desejável.
No entanto, existem diversas alternativas que, quando aplicadas corretamente e com planejamento prévio, proporcionam condições mais satisfatórias de cultivo, evitando ou retardando o pendoamento.

Alternativas

O planejamento quanto à época de plantio é essencial, pois a alface é uma hortaliça classificada como de clima ameno quanto às exigências termoclimáticas. O período mais adequado para plantio em regiões tropicais é ao final do verão/ início do outono, propiciando o desenvolvimento no outono ou inverno, períodos em que as condições ideais de luminosidade e temperatura para a planta estão presentes naturalmente no ambiente.
Uma alternativa também muito comum é a criação de um microclima que seja favorável ao crescimento e desenvolvimento da cultura. Isso é possível através do emprego do cultivo em ambiente protegido.
Neste sistema, podem ser utilizadas telas de sombreamento, que pela redução da incidência de radiação sobre as plantas, levam à redução da temperatura. O correto dimensionamento da estrutura de cultivo protegido, adequando-se ao local, é importante.
Estruturas fechadas (estufas) utilizam telas laterais, que diminuem a incidência de insetos-pragas sobre a cultura, mas também podem reter calor pela falta de circulação de ar.

ARTIGOS RELACIONADOS

Controle de Stemphylium spp. na alface com mulching

A alface (Lactuca sativa) é uma hortaliça folhosa pertencente ao gênero Lactuca L., ...

Controle eficiente de pectobacterium em alface com Mulching

Autores Samara Moreira Perissato samaraperissato@gmail.com Leandro Bianchi leandro_bianchii@hotmail.com Engenheiros agrônomos, mestres em Produção Vegetal e doutorandos em Agronomia - UNESP/FCA Roque de Carvalho...

Hortec chama atenção em evento com hortaliças diferenciadas

A empresa Hortec Tecnologia de Sementes esteve presente ao 10º Dia de Campo da Cooperativa Cravil, que aconteceu na cidade de Lontras (SC) entre...

Manejo biológico no controle de nematoides em alface

Rodrigo Vieira da Silva Engenheiro agrônomo, doutor em Fitopatologia pela Universidade Federal de Viçosa e professor do IF Goiano " campus Morrinhos rodrigo.silva@ifgoiano.edu.br Sinara Vieira Amaral Engenheira agrônoma...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!