23.5 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 29, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesComo identificar pragas em brócolis

Como identificar pragas em brócolis

Willian Ricardo Monesi da Silva
Graduando em Agronomia – Universidade do Estado de Mato Grosso, Campus de Cáceres (Unemat)
willian.monesi@gmail.com
Franciely da Silva Ponce
Doutoranda em Horticultura – Universidade Estadual Paulista (UNESP)
francielyponce@gmail.com
Regiane Cristina de Oliveira
Doutora em Entomologia e professora – FCA/UNESP
regiane.cristina-oliveira@unesp.br
Santino Seabra Junior
Doutor em Horticultura e professor de Olericultura – Unemat
santinoseabra@hotmail.com

O brócolis (Brassica oleracea var. italica) é uma importante hortaliça pertencente a família das brássicas. Hoje, no Brasil, os tipos de maior importância comercial são o de “cabeça única”, que realiza uma única colheita da inflorescência central e o “ramoso”, que possui uma inflorescência central menor e outras inflorescências em ramos laterais.
Ambos são comercializados “in natura” (fresco), porém, somente o “cabeça única” é comercializado congelado, garantindo a oferta regular do produto frente à demanda crescente. O aumento no consumo ocorre em função das características nutricionais e organolépticas, pois além de ser rico em potássio e cálcio, tem também compostos funcionais, como os glucosilonatos.
O cultivo desta espécie é realizado em quase todas as regiões brasileiras, porém, tem melhor desempenho agronômico em regiões de altitude. Dentre os principais fatores que comprometem o cultivo, as pragas são as que geram os maiores prejuízos à produção e qualidade do produto.
Independentemente do sistema de produção adotado, vários insetos e moluscos utilizam os brócolis como planta hospedeira, desde a fase de produção de mudas em viveiro até a colheita das inflorescências.

Como identificar as pragas

Inicialmente, devemos entender que vários insetos serão observados no campo, mas nem sempre estes serão considerados praga. Para facilitar o entendimento, podemos dividi-los em dois grupos, sendo um de insetos benéficos (polinizadores e agentes de controle biológico) e o outro de insetos potencialmente pragas, como os da ordem Lepidoptera (traça-das-crucíferas, curuquerê-da-couve e broca-da-couve) e da ordem Hemiptera (mosca-branca, pulgão verde e da couve).
As pragas são prejudiciais ao cultivo de brócolis quando atingem o nível de controle (NC), ou seja, este é um índice que auxilia na tomada de decisão do produtor e é baseado no monitoramento do nível populacional do inseto-praga, que vai indicar a necessidade da utilização de uma das táticas de controle para impedir que ocorra dano econômico (DE).
Desse modo, para considerarmos um inseto como praga, é recomendado que se realize o monitoramento populacional deste inseto, por meio de amostragens semanais, sabendo que uma baixa infestação, que apresenta poucos danos, não justifica o custo da utilização de uma medida de controle, por não apresentar prejuízos econômicos ao agricultor naquele momento.

Danos

Em brócolis, os maiores danos causados pelos lepidópteros são nas folhas, que é a porta de entrada para doenças bacterianas como podridão negra (Xanthomonas campestris pv. campestris) e podridão mole (Erwinia carotovora ssp carotovora). Além disso, o grave dano na redução do limbo foliar faz com que a planta reduza a capacidade fotossintética, causando danos à produção de cabeça de brócolis.
Esses danos podem ser os mais diversos, como por exemplo: a broca-da-couve causa lesões graves no caule, afetando o meristema, podendo ocasionar a morte da planta ou “cegamento”, perda da dominância apical e não formação de cabeça, além dos danos às folhas.

Manejo

Como táticas de controle, a destruição de restos culturais é imprescindível, visando reduzir a migração de insetos entre talhões. A utilização de Bacillus thuringiensis é recomendada no controle da broca-da-couve, curuquerê-da-couve e traça-das-crucíferas.
Entretanto, bons resultados estão sendo encontrados ao utilizar a liberação de Trichogramma pretiosum (Hymenoptera: Trichogrammatidae), que atua como parasitoide dos ovos desses lepidópteros, podendo, quando bem implantado, ser uma estratégia eficaz no manejo das várias espécies que ocorrem no cultivo.
O controle químico é a principal ferramenta de manejo utilizada no controle de pragas em brócolis, inclusive há populações de traça-das-crucíferas resistentes a diferentes grupos químicos, e a utilização do controle biológico é, atualmente, uma opção para o manejo da resistência das pragas.
Outra forma de manejo é o uso de armadilhas luminosas, adesivas coloridas ou associadas a feromônios, que contribuem para reduzir a dependência no uso de inseticidas e com a sustentabilidade dos sistemas de produção.

Artigo anterior
Próximo artigo
ARTIGOS RELACIONADOS

Manejo de formigas em florestas cultivadas

“Manejo integrado de formigas cortadeiras em florestas cultivadas” é o tema do segundo ...

Controle de doença dos citros em MG

O agricultor que se dedica ao cultivo de plantas cítricas enfrenta grandes desafios, como a ameaça ....

Controle de plantas invasoras em batata

Entre os principais prejuízos que as plantas invasoras causam à produção de batata está a queda

Conheça o potencial do uso dos microrganismos do solo no manejo integrado de pragas

Todas as semanas, o Encontro com Gigantes promove a troca de experiências entre o agricultor ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!