26.6 C
Uberlândia
quarta-feira, abril 17, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosFlorestasComo tornar um solo compactado em produtivo?

Como tornar um solo compactado em produtivo?

 

 

Luís Carlos Hernani

Pesquisador da área deManejo e Conservação do Solo da Embrapa Solos

luis.hernani@embrapa.br

Crédito-Shutterstock
Crédito-Shutterstock

A compactação é o estado de organização e arranjo espacial das partículas minerais e orgânicas que constituem o solo, num dado momento. Naturalmente, essas partículas minerais e orgânicas, em função da ação de raízes e da biota do solo, se organizam, se agregam, gerando agrupamentos ou agregados, ampliando a superfície de exposição interna do solo e criando espaços porosos entre as partículas e entre os agregados.

Essa situação natural pode ser considerada um estado de compactação não prejudicial às relações ambientais dentro e fora do solo. Nessa condição, o solo apresenta elevada capacidade de reter água e nutrientes de plantas, adequada infiltração e movimento de água e gases e adequado desenvolvimento de sistemas radiculares e de organismos que vivem no interior e sobre o solo. Consequentemente, o desenvolvimento e produtividade de plantas são, neste caso, beneficiados.

No entanto, há outros estados ou situações do solo em que, devido à ação de forças externas de origem humana, suas partículas se aproximam, se juntam fortemente, tornando-se unidas de tal forma que a entrada e saída de ar do solo fica prejudicada.

Isso faz com que a infiltração e o movimento de água no interior do solo fiquem fortemente diminuídos, o desenvolvimento de raízes limitado e, em geral, localizado superficialmente. Esse estado de compactação ruim pode ocorrer quando o solo é excessivamente preparado, intensamente revolvido, caracterizando um processo de desintegração dos agregados bons, gerando a proliferação de partículas individualizadas e soltas.

Essas partículas dispersas na superfície do solo, ao serem submetidas à ação das chuvas, proporcionam a formação de crostas superficiais que impedem a infiltração da água e aumentam a enxurrada e a erosão hídrica. Esse estado de compactação ruim também pode ser induzido ao se preparar o solo em condições de umidade acima da capacidade de campo (umidade máxima de um solo quando o excesso de água já foi drenado), quando a extremidade inferior dos implementos pode gerar uma camada endurecida que impede o crescimento radicular e a infiltração e o movimento de água e ar no solo. São os chamados ‘pé de arado’ ou ‘de grade’.

A dispersão das partículas superficiais, além de induzir processos de compactação do solo, quando associadas às camadas compactadas localizadas abaixo da superfície do solo tornam-se grandes responsáveis pela erosão hídrica e seus efeitos, como o empobrecimento (perda de matéria orgânica e nutrientes) do solo e as produtividades das culturas abaixo das expectativas.

Por essas razões, podemos reafirmar que, exceto em casos específicos de correção de limitações do próprio solo, o preparo de solo é totalmente dispensável e inadequado.

Porém, nas condições subtropicais e tropicais, como as do Brasil, mesmo quando não se utiliza do preparo de solo, como no plantio direto, estados inadequados de compactação podem ocorrer frequentemente. Isto porque, nestas regiões, a demanda do clima e do próprio solo pelo carbono é bastante elevada e a qualidade estrutural do solo torna-se totalmente dependente do aporte de fitomassa em quantidade, qualidade e frequência adequadas para suprir essa demanda.

Prejuízos para as florestas

Em florestas naturais, essa compactação excessiva não ocorre porque a situação é gerada comumente por ação humana. Na mata nativa, em pleno desenvolvimento, o aporte de matéria orgânica ao sistema solo encontra-se no limite de suas possibilidades de equilíbrio, com ocorrência de aporte de cobertura morta (serapilheira), diversificados sistemas radiculares abundantes e intensa atividade dos microrganismos do solo, o que define boa qualidade estrutural e bom estado de compactação do solo.

Em condições de solo cultivado, a ocorrência de estados de compactação excessivos induz vários prejuízos às espécies cultivadas, pois, neste caso, ocorrem limitações na infiltração, armazenamento e disponibilidade de água às plantas, limitações à entrada e saída de ar no solo, ao armazenamento e difusão do calor, incremento da resistência do solo à penetração de raízes. Também afeta fortemente o crescimento radicular, impedindo a adequada absorção de água e nutrientes.

Por fim, a compactação também influencia negativamente a reação do solo e a disponibilização de nutrientes às plantas.

Manejo do solo

Para evitar situações de compactação prejudiciais ao rendimento e à produtividade das culturas deve-se, em termos gerais, adotar os preceitos da agricultura conservacionista, que enfatizao preparo do solo, a manutenção de cobertura permanente do solo e a diversificação de espécies cultivadas.

Recomenda-se que o preparo do solo seja adotado apenas e tão somente quando houver necessidade absoluta de corrigir limitações (acidez do solo, correção de toxidez de alumínio e manganês, deficiência de nutrientes ou compactação excessiva do solo) e que se adote a semeadura direta ou plantio direto das culturas.

O solo deve ser mantido continuamente coberto por cobertura vegetal, com formação de quantidade generosa de cobertura morta e, especialmente, manutenção de sistemas radiculares densos e ativos, visando promover elevado e frequente aporte de fitomassa ao solo e eliminar hábitos inadequados, como a queima de restos vegetais.

O aporte em quantidade, qualidade e frequência adequados de fitomassa é obtido mediante a adoção de sistemas de rotação de culturas diversificadas que envolvam, especialmente, consórcios e culturas gramíneas com elevada relação C:N.

Além disso, o controle de tráfego é muito importante para evitar compactação, devendo este tráfego de máquinas ser realizado quando a umidade do solo estiver friável ou apresentar um teor de água abaixo da capacidade de campo, evitando-se, portanto, condições de umidade elevada do solo.

Essa matéria completa você encontra na edição de novembro/dezembro 2017  da revista Campo & Negócios Floresta. Adquira já a sua para leitura integral.

 

 

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Fungicida OrkestraTMSC é o destaque da BASF no Dia de Campo C.Vale 2016

No evento voltado aos produtores do Oeste Paranaense a BASF apresentará os benefícios de seus produtos voltados ao manejo fitossanitário da soja Segundo dados...

Irrigação das uvas de mesa exige cuidados

AutorGivago Coutinho Doutor em Fruticultura e professor efetivo do Centro Universitário de Goiatuba (UniCerrado) givago_agro@hotmail.com A irrigação da cultura da videira de mesa...

Momento técnico – Método de formação de mudas em bandejas

  José Carlos da Silva Viveirista técnico " CREA n°170647 / ID   Como já sabemos, nem tudo são flores! É evidente que todo processo ou método desenvolvido...

Micronutriente traz altas produtividades para cana-de-açúcar

Renato Passos Brandão Gerente Especialista em Nutrição Vegetal  Rafael Bianco Roxo Rodrigues Gerente Técnico de São Paulo e Sul de Minas   O molibdênio é o nutriente menos abundante...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!