24.6 C
Uberlândia
sábado, junho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasConfusão entre cascudinho-da-soja e torrãozinho ainda tem prejudicado o manejo de pragas

Confusão entre cascudinho-da-soja e torrãozinho ainda tem prejudicado o manejo de pragas

Divulgação

Acompanhamento das últimas safras de soja em Mato Grosso vem demonstrando aumento da incidência do cascudinho-da-soja, (Myochrous armatus). A nomenclatura comum errônea na hora de identificar a praga presente na lavoura gera desinformação ao produtor. Muita gente assemelha o cascudinho com o torrãozinho (Aracanthus mourei). Mas ambos são de duas famílias de insetos bem diferentes, o que exige controle também diferenciado.

“Produtor e equipe precisam estar atentos para saber distinguir uma praga da outra com a nomenclatura entomológica já estabelecida, pois elas provocam danos às plantas da soja, podem transmitir doenças, reduzir o potencial produtivo da cultivar e consequentemente diminuir a qualidade da produção. Uma identificação correta das pragas nas lavouras ajuda na tomada de decisão sobre qual manejo é o mais indicado para o controle dos insetos”, alertou Clérison Perini, entomologista da empresa mato-grossense de pesquisa agrícola, Proteplan.

Os ataques das pragas na cultura da soja podem causar muitos prejuízos ao setor produtivo. As boas práticas agronômicas, como o manejo integrado de pragas (MIP), que agrega um conjunto de ferramentas para ter um controle mais eficiente, devem ser seguidas à risca pela classe produtora. Uma das premissas do MIP é a identificação correta de tudo que tem na lavoura para a escolha certa dos métodos de controle.

O levantamento do conjunto de informações, mais as táticas de manejo e controle têm que ser feitas com muita atenção, de forma planejada e cuidadosa. De acordo com o pesquisador, a identificação da praga na lavoura é determinante para que o MIP tenha bons resultados.

“Por isso insisto: não pode haver confusão de nomenclatura já estabelecida que possa nos levar a outra espécie. O combate às pragas começa em ter conhecimento de qual inimigo se deve combater. Nas avaliações à campo, encontramos o M. armatus, cascudinho-da-soja, e não o torrãozinho. Mas, por não saber a diferença de um e de outro e pela permanência no erro nos últimos anos, muita gente acha que é a mesma coisa e acredita que o segundo é que está infestando as lavouras em Mato Grosso ou que há presença das duas espécies, quando na verdade só há o Myochrous“, ressalta.

Nas últimas safras de soja, o cascudinho-da-soja, Myochrous armatus (Coleoptera: Chrysomelidae),tem causado danos muito severos nas lavouras. De acordo com Perini, há pelo menos sete anos de ocorrência intensa desse inseto na região sul de Mato Grosso. Mas, atualmente está espalhado em todas regiões, incluindo médio-norte e norte do estado. “Essa praga está aumentando os locais de ocorrência no Mato Grosso, onde antes não era encontrada. É uma praga com baixa mobilidade, mas quando se instala é de difícil controle. “

O torrãozinho é um Coleoptera: CurculionidaeEle é diferente do cascudinho-da-soja principalmente na morfologia das antenas, aparelho bucal e tarsos. “O torrãozinho tem cor marrom, mede de 4 à 6mm, com corpo oval, coloração cinza a marrom e élitros com saliências que lembram partículas de solo. Já o cascudinho-da-soja, mede cerca de 5 mm, o corpo é oval de coloração preta-fosca e recoberto de escamas curtas e robustas”, detalhou o especialista durante a edição 2023 do Open Sky Soja, realizado pela Proteplan nas principais regiões produtoras de Mato Grosso.

Quanto ao controle, Perini indica tratamento de sementes e pulverização inicial para diminuir a incidência dessa praga. “A escolha correta do manejo, do produto químico ou biológico passa por fazer a identificação correta do inseto que está infestando a lavoura. Uma confusão ou erro de identificação pode colocar todo um trabalho em risco e causar danos ao bolso do produtor. É preciso fazer o monitoramento contínuo com a correta identificação e não abrir mão de nenhuma ferramenta de manejo”.

ARTIGOS RELACIONADOS

Doenças infecciosas e parasitárias exigem atenção redobrada dos pecuaristas

A "pele" dos vermes tem pequenos espinhos, que arranham a parede dos órgãos internos dos bovinos, resultando em inflamação.

Trabalho vai definir protocolo para favorecer convivência entre abelhas e soja

Experimento realizado com abelhas no interior de uma parcela de soja engaiolada confirma crescimento do rendimento de soja.

Como produzir 129 sc de soja por hectare?

https://www.youtube.com/watch?v=4RBTDl0gE2I

CESB anuncia os vencedores do Desafio Nacional de Máxima Produtividade de Soja

Sojicultor João Lincoln Reis Veiga, da Fazenda Congonhal, de Nepomuceno (MG), é o campeão da categoria Sequeiro/Nacional, com produtividade de 134,46 sacas por hectare

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!