26.6 C
Uberlândia
quarta-feira, abril 17, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasConstrução do perfil do solo tem elevado impacto na produtividade da soja

Construção do perfil do solo tem elevado impacto na produtividade da soja

Divulgação

A expectativa da necessidade mundial de grãos de soja é crescente no Brasil e no Mundo. Diante desse cenário, é necessário um aumento da produção ainda maior do que estamos observando nas últimas safras. Os custos dos insumos devem continuar crescente, exigindo dos produtores maior eficiência, principalmente, no uso dos fertilizantes.

Dentro deste contexto, Sergio Abud, membro efetivo do Comitê Estratégico Soja Brasil (CESB) e biólogo da Embrapa, pontua que o aumento da produção de soja passa por dois caminhos: o aumento da produtividade por área e/ou o aumento da área plantada com soja no País.

“O Brasil tem limitação de novas áreas para abertura, mas por outro lado tem muitas áreas de pasto degradado ou em vias em degradação, sendo, portanto, ótima oportunidade para aumento da área plantada sem a necessidade de desmatamento de novas áreas”, analisa o membro do CESB.

Desafio de alta produtividade – Com base nos resultados obtidos pelos recordistas de produtividade do CESB, Abud observa que existem alguns pontos técnicos importantes a serem considerados para se produzir mais e ser eficiente no uso dos fertilizantes.

“Nesse contexto, as características do clima e do solo são fatores que interferem na produtividade da lavoura e por isso o planejamento da lavoura é um ponto muito importante. O diagnóstico e conhecimento detalhado das áreas de produção contribuem para interpretar adequadamente as potencialidades e as limitações dos ambientes de produção, definir o uso eficiente dos insumos e as datas mais apropriadas para a semeadura da lavoura”, comenta o biólogo da Embrapa.

De acordo com o membro do CESB, a principal prática observada nas áreas dos desafios de máxima produtividade do Comitê Estratégica Soja Brasil é a construção de um perfil químico, físico e biológico do solo.

“É necessário fazer o diagnóstico do solo, corrigir a acidez e construir a fertilidade química do solo. A amostragem e análise química do solo caracteriza a disponibilidade de macro e micronutrientes disponíveis no solo. Essas informações são úteis para a determinação da quantidade e tipos de adubos, as épocas e formas de adubação corretiva e fertilizantes a serem usados, em função da cultura, do solo e do clima local. Esses fatores definem um conjunto de ações planejadas que visam garantir a eficiência técnica e econômica no uso de fertilizantes”, detalha.

Agro Digital – Abud observa que a agricultura de precisão e as soluções digitais configuram um sistema de gestão que leva em conta a variabilidade espacial da lavoura ao longo das safras e auxiliam no manejo de precisão, inclusive para o uso sustentável e eficiente de fertilizantes.

“Além dos fertilizantes comumente usados na lavoura, existem disponíveis no mercado fertilizantes de eficiência aumentada. Essa tecnologia torna a liberação dos nutrientes mais lenta e reduz a lixiviação, volatilização e fixação, fornecendo gradualmente os nutrientes, de acordo com a demanda das plantas, e aumentando a eficiência no uso dos nutrientes. O produtor também pode usar fertilizantes modificados que podem ser co-aplicados ou encapsulados na estrutura do fertilizante com agentes biológicos (microrganismo) que secretam compostos metabólicos, agindo no ciclo químico do fertilizante e no ambiente do solo, contribuindo para a melhoria do ambiente e liberação dos nutrientes”, analisa.

De acordo com o membro do CESB, com a construção da fertilidade química e a estabilização do solo, o produtor pode avançar para obter um ambiente de alto potencial produtivo e com maior rentabilidade em longo prazo, com a agregação de matéria orgânica, formação de palhada, ciclagem de nutrientes e retenção de umidade. Essa prática contribui para o estabelecimento da fertilidade biológica do solo.

“O uso de sistema de manejo biológico com organismos promotores de crescimento de planta tem sido uma prática comum entre os recordistas de produtividade. Esses microrganismos agem como indutores de crescimento radicular, contribuindo para o aumento o volume e da profundidade das raízes. Observa-se com isso a redução dos danos às raízes causados pelos fitopatógenos de solo, o aumenta a absorção de água e nutrientes, a redução dos danos causados pelos estresses de seca e altas temperaturas, resultando no aumento da produtividade”, acrescenta.

O biólogo da Embrapa destaca, nesse cenário, que em razão dos altos custos dos fertilizantes, os produtores têm buscado novas alternativas de fontes de nutrientes, como os remineralizadores, biológicos solubilizadores de fósforo e potássio, além microorganismos que disponibilizam nitrogênio para as plantas, como bactérias fixadoras de nitrogênio (rhizobium e azospirillum).

“Modelos de produção diversificados, com integração e intensificação de cultivos consorciados, integração lavoura pecuária, rotação e sucessão de culturas e uso de plantas de cobertura (gramíneas e leguminosas) com elevado aporte de fitomassa e múltiplas finalidades tem sido muito utilizado nas áreas dos recordistas de produtividade dos CESB. Essa prática contribui para o aumento da matéria orgânica do solo, age como condicionador de ambiente para os biológicos, reduz da compactação e aumenta macro e microporos, armazenando água e gases importantes para o desenvolvimento das plantas”, observa.

Nas áreas dos recordistas de produtividade, analisa Abud, são usadas tecnologias de manejo que não visam apenas a produtividade da cultura principal. “Os produtores também têm como foco a construção e/ou manutenção de um bom ambiente de produção para os cultivos, com maior equilíbrio e resiliência, resultando, inclusive, em menor necessidade de adição de nutrientes em médio e longo prazos e contribuindo para a sustentabilidade agrícola”, pontua.

“A necessidade de alimentos é uma crescente realidade no mundo e o Brasil será um dos maiores exportadores de alimentos. O produtor brasileiro vem buscando cada vez mais o manejo eficiente e com sustentabilidade da lavoura. Tecnologias e conhecimento sobre o manejo dos solos e o aumento da eficiência no uso de fertilizantes irão contribuir para melhorar a produtividade e garantir a segurança alimentar do país, frente aos cenários futuros de preço e disponibilidade insumos”, finaliza Abud.

O CESB é composto por 19 membros e 26 entidades patrocinadoras: BASF, BAYER, SYNGENTA, JACTO, Atto Sementes, Brasmax, Corteva, Eurochem FTO, Ferticel, ICL, Koppert, Massey Ferguson, Mosaic, Stara, Stoller, Sumitomo Chemical, Superbac, Timac Agro, TMF, Ubyfol, UPL, Yara, Yoorin, Elevagro, IBRA e Somar Serviços Agro.

As inscrições do 15º Desafio Nacional de Máxima Produtividade de Soja vão até dia 31 de janeiro de 2023. Mais informações e Inscrições: www.cesbrasil.org.br e redes sociais oficiais do CESB.

ARTIGOS RELACIONADOS

Votorantim Cimentos apresenta Viter, nova marca da sua unidade de negócios de insumos agrícolas

Empresa amplia seu portfólio de produtos com o lançamento da linha Optmix, mix calcário e gesso que renova o potencial produtivo do solo até as camadas mais profundas

Ácidos húmicos estimulam raízes secundárias

A capacidade do solo de estimular o crescimento das plantas depende da sua matéria orgânica e, especialmente, de sua fração de substâncias húmicas

Spark divulgará Painel sobre desempenho do mercado de fungicidas

Projeções dão conta de que houve avanço significativo dessa categoria de produtos na safra 2019-20 da oleaginosa, antecipa a consultoria; no ciclo 2018-19, a movimentação do segmento chegou perto de US$ 430 milhões

Eficiência produtiva no arroz irrigado

A importância do agronegócio na economia brasileira foi um dos temas abordados no ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!