Encefalomielite viral mata 85 a cada 100 equinos afetados

0
187
Divulgação

A encefalomielite é uma das enfermidades mais graves que pode acometer os equinos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde Animal, o problema está na lista de doenças de importância socioeconômica e, com um agravante: pode ser transmitido para os seres humanos. “A encefalomielite causa sérios prejuízos econômicos aos criadores, provocando, inclusive, baixa no potencial genético dos equinos, afetando o seu bem-estar e até causando a morte dos animais”, explica o médico veterinário Thales Vechiato, gerente de produtos para grandes animais na Syntec do Brasil.

Segundo o Conselho Federal de Medicina Veterinária, a enfermidade tem taxa de mortalidade equivalente a 85% dos animais acometidos. Ou seja, a cada 100 cavalos com encefalomielite 85 morrem.

A doença pode se apresentar de três maneiras: a encefalomielite do leste (EEL), a encefalomielite do oeste (EEO) e, a mais grave, a encefalomielite venezuelana (EEV). Todas apresentam os mesmos sintomas: febre, anorexia e rigidez muscular, além dos mais graves: o comprometimento da coordenação motora e a alteração comportamental – tanto causando agitação quanto prostração.

De acordo com Thales Vechiato, “os animais acometidos apresentam problemas neurológicos que evoluem de maneira rápida, podendo prejudicar até os equinos mais fortes e resistentes que não estejam imunizados”.

O especialista da Syntec explica que “não existe tratamento específico para a doença, apenas suporte para que o animal sofra menos. Alguns conseguem se recuperar, no entanto, são raros os casos em que não há sequelas. A profilaxia e a prevenção, por meio de vacinação, é a melhor maneira de evitar que o plantel sofra com a encefalomielite”.

Para auxiliar na prevenção da encefalomielite equina, a Syntec do Brasil incorpora ao seu portfólio a nova vacina Encefalotec equi. O imunizante é composto pelo vírus da encefalomielite do leste e do oeste e toxóide tetânico, inativados pelo formaldeído e adsorvidos por gel de hidróxido de alumínio, podendo ser aplicado a partir dos três meses de idade, com repetição anual da dose.

“A vacinação deve ser feita em potros, a partir dos três meses, sendo essa primeira aplicação em três doses, as quais devem ser feitas no intervalo de 2 a 4 semanas. Em animais adultos com primo vacinação, devem ser administradas duas doses com intervalo entre 2 a 4 semanas. Em ambos os casos, a revacinação deve ser feita anualmente”, finaliza o gerente da Syntec.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!