27.3 C
Uberlândia
sexta-feira, julho 19, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosEntenda como a radiação UVC pode combater a podridão azeda

Entenda como a radiação UVC pode combater a podridão azeda

Foto: Adriana Silva

Fernanda Tiemi Kito
Graduanda em Ciências dos Alimentos – ESALQ-USP
fernanda.kito@usp.br
Catherine Amorim Engenheira agrônoma e doutoranda – ESALQ-USP
catherine.amorim@usp.br
Ricardo Alfredo Kluge
Doutor e professor – ESALQ/USP
rakluge@usp.br

A podridão azeda se trata de uma importante doença fúngica que afeta a laranja-lima durante a pós-colheita. Seu fungo causador está presente no solo, sendo que a ocorrência de chuvas, irrigação e ventos o faz chegar até a superfície das frutas.

Com a presença de um filme de água e de uma lesão na fruta, o fungo assexual Geotrichum citriaurantii penetra na fruta e causa a podridão azeda. Por possuírem esporos, as frutas doentes, quando em contato direto com as frutas sadias, acabam por infectá-las, bem como quando em contato indireto, por meio de sacolas de colheita, caixas e contêineres contaminados.

Sintomas

Após a infecção pelo fungo causador da podridão azeda, inicialmente ocorre o surgimento de lesões umedecidas, brilhantes e de coloração marrom-clara. Em condições de elevada umidade relativa do ar e em temperaturas superiores a 12°C, há a formação de um mofo-branco e enrugado no fruto.

Na fase mais avançada, o fruto sofre uma podridão azeda ou amarga, com forte odor pútrido e atrai insetos que depositam ovos.

Manejo preventivo

Para prevenir os citros contra a contaminação de podridão azeda, deve-se evitar danos mecânicos e higienizar os materiais que entram em contato com os frutos. A prevenção é essencial, uma vez que não existem fungicidas registrados no Brasil para o tratamento dessa doença.

Com isso, existem várias pesquisas alternativas sendo conduzidas a fim de que se encontre uma forma eficiente de controle.

Radiação ultravioleta

O uso de radiação é um método utilizado para inibir a maturação de frutos e legumes, por meio de alterações no processo fisiológico dos tecidos vegetais, e também impedindo a multiplicação de microrganismos. Com isso, a radiação tem a capacidade de prolongar a vida de prateleira de alimentos.

Contudo, é importante ressaltar que alimentos irradiados não se tornam radioativos, visto que são submetidos a um curto período de exposição à radiação, de forma a não se tornarem nocivos à saúde.

Em relação a isso, foi descoberto um novo tratamento que é capaz de controlar a podridão azeda em laranja-lima por meio da utilização da radiação ultravioleta C (UVC), em doses adequadas.

Esse estudo foi desenvolvido pela Embrapa Meio Ambiente (SP) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Foi mostrado que o uso de radiação UVC, em doses adequadas, em laranja-lima resultou em:

• Frutas com maior firmeza, em razão de retardar o processo de amadurecimento e o controle de microrganismos;

• Não altera as características físico-químicas;

• Substituto de fungicidas, por controlar a podridão azeda.

Resultados do experimento

Foto: Adriana Silva

Nesse trabalho, que foi parte da dissertação de mestrado de Adriane Maria da Silva, foram usados dois métodos de controle da podridão azeda: o tratamento hidrotérmico e a exposição à radiação ultravioleta C.

No estudo in vitro, os esporos de Geotrichum citri-aurantii são termorresistentes e a inibição de atividades importantes deles ocorre a partir de 62°C. Já o efeito da radiação UVC mostrou que, em doses baixas, houve a inibição na germinação de esporos e é inibida completamente na dose adequada.

O estudo in vivo avaliou o efeito individual e combinado da temperatura e da radiação UVC. O resultado evidenciou que o fungo Geotrichum citri-aurantii é termorresistente e que a temperatura acima de 70°C aumenta a severidade da podridão azeda e causa escaldadura na casca da fruta.

Por fim, foi demonstrado que a aplicação de radiação foi eficiente no controle da podridão azeda em laranja-lima.

Tendência

Uma vez que o Brasil é o maior produtor mundial de laranja (FAO, 2020), a laranja-lima é a segunda variedade mais comercializada no País (Conab, 2022), e a podridão azeda é a segunda doença que mais acomete essa variedade após a colheita em diversas regiões produtoras.

Essa pesquisa é de grande importância para a citricultura, visto que o citros, geralmente, desenvolve facilmente fungos pelo motivo de possuir pH ácido. Com isso, novos tratamentos são necessários para o combate da podridão azeda.

Além disso, o desenvolvimento de métodos alternativos e sustentáveis para a substituição de fungicidas irão reduzir os impactos no meio ambiente e a exportação de frutas será apta para países que restringem o uso de produtos químicos.

Concluindo, o uso de radiação UVC em laranja-lima pode ajudar a combater a podridão azeda. E os resultados de Silva e seus colaboradores podem auxiliar para ganhos na citricultura, uma vez que a podridão azeda é uma doença que causa perdas expressivas durante o beneficiamento, armazenamento, transporte e comercialização.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!