24.9 C
Uberlândia
sexta-feira, abril 12, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiEscolha da variedade da manga - O ponto-chave

Escolha da variedade da manga – O ponto-chave

Moacir Brito Oliveira

Rafael Pereira Sales

Irani Pereira

Mangaclara ” Consultoria e Serviços Especializados em Fruticultura

mangaclara@nortecnet.com.br

 

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

A escolha da variedade de manga a ser plantada é um dos fatores principais que determina o sucesso econômico do empreendimento, sendo que a opção errada pode comprometer todo o investimento, uma vez que o custo é alto e o tempo para alcançar a plena produção é muito longo.

Assim, as perguntas a serem feitas são: qual mercado consumirá minha fruta? Quais as tendências desse mercado? O segundo ponto é conhecer o potencial produtivo e as características pós-colheita da variedade, e depois, as limitações fitossanitárias, a sensibilidade e a resposta ao manejo de indução floral.

Uma a uma

Dentre as cultivares mais plantadasatualmente, podemos citar: Tommy Atkins, Palmer e Kent, e ainda, Haden, Espada Vermelha, Rosa e Ubá, além de outras, em uma proporção muito menor.

Tommy Atkins

A cultivar Tommy Atkins, originada na Flórida, introduzida na década de 70 no Brasil, apresenta bompotencial produtivo, casca de coloração vermelha e facilidade no manejo de indução floral (dose de PBZ de cerca 1,5 g de i.a por metro de copa), menor suscetibilidade à antracnose e maior resistência aos danos mecânicos.Tais características favoreceram a adoção desta variedade pelos produtores.

Apresenta problemas com colapso interno (distúrbio fisiológico induzido pelo desequilíbrio nutricional entre N e Ca, levando ao amolecimento interno da polpa). Em função de suas características, como tamanho (frutos médios a grande ” 500g), coloração, firmeza, teor de sólidos solúveis (16ºBrix) e médio conteúdo de fibra, além de sua boa vida de prateleira, essa cultivar dominou o mercado internacional (Mouco, 2008), representando quase 90% das exportações do Brasil, sendo, portanto, a cultivar mais plantada no Brasil.

Palmer

A cultivar Palmer, originada na Flórida em 1945, apresenta-se em contínua expansão no Brasil. Seus frutos têm coloração verde-arroxeada e vermelho-escuro, quando imaturos e maduros, respectivamente. É a variedade que melhor responde ao manejo de indução da floração, requerendo baixas doses de PBZ (0,7 a 1 g i.a. por metro de copa).

A polpa é amarelada, firme e praticamente sem fibra, além de apresentar agradável aroma e um teor de sólidos solúveis de 21,6ºBrix, levando a um sabor superior ao da Tommy Atkins.A Palmer é, no entanto, suscetível à antracnose, porém, com pouco colapso interno (Genúe Pinto, 2002)

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Kent

A cultivar Kent, também originada nos EUA, é uma árvore vigorosa que não responde tão bem ao manejo de indução como a Palmer e a Tommy, requerendo doses de PBZ até três vezes superioresà da cultivar Palmer. O fruto é ovalado, de coloração vermelho purpúreo, grande (550 a 1.000 g), saboroso (20,1ºBrix) e polpa quase sem fibra.

Apresenta suscetibilidade à antracnose e ao colapso interno do fruto e baixa vida de prateleira(Genúe Pinto, 2002). O principal destino dessa fruta é a exportação, uma vez que tem baixa ou quase nenhuma aceitação no mercado interno.

Haden

A cultivar Haden, cuja origem é também americana,é caracterizada por árvores grandes e com copa densa, responde bem à indução floral, porém apresenta problemas com a polinização e pegamento de frutos, sendo importante a utilização de polinizadores como a Tommy Atkins e a Palmer.

Os frutos são médios (350 a 680 g), ovalados, amarelo avermelhados, polpa amarela e compouca fibra. É uma cultiva precoce, suscetível à antracnose, apresenta problema com colapso interno do fruto(Genúe Pinto, 2002)e, devido à dificuldade de produção, de ponto de colheita e pós-colheita, vem sendo substituída pela Palmer e Tommy.

Espada vermelha

A cultivar espada vermelha foi desenvolvida no ICA, no Brasil, e apresenta frutos amareloavermelhados, formato oblongo, tamanho pequeno (média de 283 g), precoce, polpa com muita fibra, e responde bem ao manejo de indução floral com PBZ.

Porém, se perde facilmente o controle do momento de floração, podendo florescer precocemente após a aplicação do PBZ. É um fruto que alcança altos preços no mercado interno, contudo, atinge um nicho de mercado muito específico.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de setembro 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Melancia recém-lançada pela linha Topseed Premium já está em todas as regiões produtoras do Brasil

A melancia Barhan F1, recém-lançada durante a Hortitec 2017 pela linha Topseed Premium, já está presente em todas as regiões produtoras do Brasil e...

Produtores de soja superam adversidades climáticas

Manejo nutricional contribui para diminuir os efeitos dos estresses hídricos e térmicos A instabilidade climática, com chuvas irregulares no volume e distribuição registradas até fevereiro deste ano,...

Neem – A arma contra lagartas do tomateiro

Janaina Marek Engenheira agrônoma, mestre e doutoranda em Produção Vegetal - Universidade Estadual do Centro-Oeste janainamarek@yahoo.com.br Edina Costa Delonzek Bióloga e mestranda em Produção Vegetal - Universidade Estadual...

Greening – Pesquisa de uma década comprova outro jeito para tratar

Só em 2017, 32 milhões de árvores do parque citrícola de São Paulo e Minas Gerais (16,73%) já foram afetadas pelo greening (Huanglongbing/HLB), segundo...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!