23.6 C
Uberlândia
sábado, maio 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesEstudo avalia nutrição em 5 culturas

Estudo avalia nutrição em 5 culturas

Levantamento exclusivo da Kynetec se estendeu às culturas de algodão, cana-de-açúcar e milho safrinha, além de focar soja e café, anteriormente cobertas.

O levantamento FarmkTrak, da Kynetec Brasil, apurou que cinco culturas-âncoras do agronegócio movimentaram, na safra 2022-23, mais de R$ 140 bilhões em produtos para nutrição de plantas. Cultivos de algodão, cana-de-açúcar e milho safrinha, informa a empresa, passaram a fazer parte da pesquisa, antes centrada na cafeicultura e na sojicultura. Segundo a Kynetec, essas tecnologias corresponderam ainda a 34% da movimentação do mercado de insumos (cerca de R$ 416 bilhões), incluindo defensivos e sementes.

Conforme a especialista em pesquisas da Kynetec, Raquel Ribeiro, a soja puxou as vendas do setor de nutrição, com 58% do total, R$ 81 bilhões, enquanto o milho safrinha absorveu o segundo melhor desempenho: 18% ou R$ 25 bilhões. Cana-de-açúcar, café e algodão tiveram transações de R$ 18 bilhões (13%), R$ 9 bilhões (7%) e R$ 5 bilhões (4%), respectivamente.

Segundo Raquel, entre as categorias de produtos, a mais relevante do FarmTrak Nutrição foi a de adubação de base/cobertura, equivalente a 84% do mercado (R$ 117 bilhões). “Trata-se do manejo que concentra a principal fonte de nutrientes dos cultivos”, ela ressalta. “Os volumes utilizados nesta operação são bastante elevados, embora o resultado também esteja relacionado à dependência do Brasil quanto a fertilizantes importados, atrelados a flutuações de preços e taxas de câmbio”, explica.

Na vice-liderança, aparece no FarmTrak Nutrição o subsegmento de corretivos, com 8% ou R$ 11 bilhões, seguido pela adubação foliar: 4% ou R$ 5 bilhões, ambos pouco representativos frente ao mercado total. “Nutrição foliar é utilizada como um complemento ao processo de adubação pelo solo, pois permite corrigir carências nutricionais”, salienta a especialista. Já os bioestimulantes, ela acrescenta, ocuparam a quarta posição: 1% ou R$ 1,8 bilhão. Outros produtos com menor participação fecham a análise da Kynetec.

Bioestimulantes: adesão progressiva

Conforme Raquel Ribeiro, os bioestimulantes, “soluções que permitem melhor desenvolvimento dos cultivos”, têm se destacado, safra após safra, no mercado de nutrição de plantas. No ciclo 2022-23, ela informa, 63% (R$ 1,1 bilhão) dos produtos do gênero vendidos no país se destinaram à soja, acompanhada por cana-de-açúcar, 16% (R$ 285 milhões), milho safrinha, 12% (R$ 218 milhões), café, 6% (R$ 107 milhões) e algodão, 3% (R$ 60 milhões). “Na soja, principal cultura, pelo menos 41% da área receberam tratamentos com bioestimulantes.”

Em milho safrinha, café, cana-de-açúcar e algodão, ela complementa, o mesmo indicador – igualmente relevante no contexto do estudo – atingiu 23%, 30%, 32% e 41%. De acordo com a executiva, produtores aderem progressivamente à bioestimulação, visando a elevar a qualidade da germinação e do metabolismo de plantas, além de melhorar a absorção e a eficiência de nutrientes e mitigar entraves climáticos.

“Temperaturas altas e restrições hídricas da safra em andamento (2023-24) devem novamente tracionar o desempenho dos bioestimulantes”, finaliza Raquel Ribeiro.

ARTIGOS RELACIONADOS

Pesquisa desenvolve café arábica para Amazônia

Os resultados da primeira colheita dos experimentos de café arábica desenvolvido pela Embrapa Rondônia especialmente para a região Amazônica superaram as expectativas. Alguns materiais...

Webinar sobre controle biológico na cafeicultura

Em mais uma iniciativa para levar informação de qualidade ao produtor rural e demais interessados, a Koppert promove o webinar “Controle Biológico na Cafeicultura...

IMA abre inscrições para curso de CFO e CFOC

Estão abertas as inscrições para o 89º curso de capacitação de engenheiros agrônomos interessados na habilitação para emissão do Certificado Fitossanitário de Origem (CFO) e do...

Prevenção e combate à broca-do-café

AutoresCássio Pereira Honda Filho Mestre em Fisiologia Vegetal e doutorando em Fitotecnia - Universidade Federal de Lavras (UFLA) cassiop.hondafv@gmail.com Mariana Thereza Rodrigues Viana ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!