26.6 C
Uberlândia
domingo, maio 19, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasEvolução da agenda ESG no agronegócio nacional

Evolução da agenda ESG no agronegócio nacional

FIA Business School apoia o fortalecimento de boas práticas de governança no setor

DepsoitPhotos

A FIA Business School, uma das melhores escolas de formação executiva do país, tem um núcleo dedicado aos estudos sobre gestão e governança no agronegócio, o PENSA, criado em 1991, que já apoiou centenas de produtores rurais, cooperativas, indústrias e setores de serviços do agro, por meio de seus cursos, consultorias e pesquisas. 

Como em outros setores da economia, a internalização do conceito e ampliação da agenda ESG, que envolve a conformidade em práticas ambientais, sociais e de governança, é crescente entre as empresas de diferentes etapas do agronegócio nacional, responsável por cerca de 24% do PIB brasileiro, segundo dados do CEPEA (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada). 

De acordo com a natureza das atividades, aspectos ambientais e sociais têm grande importância e impacto na forma como as empresas do setor aplicam suas ações de governança. Grandes empresas do agro estão mais expostas à economia globalizada e às demandas dos stakeholders, como investidores, consumidores, ONGs e governos. Nesse sentido, as práticas de governança de uma empresa são ampliadas para a necessidade dos Sistemas Agroindusriais (SAG’s), envolvendo análises da origem e da rastreabilidade da cadeia de produção e comercialização dos produtos. 

Claudio Pinheiro Machado Filho, coordenador da FIA Business School, acredita que “os sistemas agroindustriais brasileiros em grande medida estão em conformidade com as melhores práticas, mas carecem de comunicação mais efetiva com a sociedade. Cabe aos agentes do agro aproveitarem esta realidade para ampliar o seu protagonismo, melhorar a comunicação e consolidar o Brasil como uma grande potência produtiva e ambiental”. 

O desafio da boa gestão passa pelo alinhamento estratégico das necessidades dos stakeholders, como investidores, que desejam maior transparência na prestação de contas e na apresentação de resultados em conformidade com a agenda ESG, e as redes varejistas, que esperam menores preços, melhor qualidade e evidências das boas práticas adotadas pelas empresas.  

A agenda ESG tem implicações para os diversos agentes do agronegócio, especialmente aqueles inseridos nas cadeias globais de valor e tendo em vista as suas características, as oportunidades que se abrem com esta agenda podem superar muito suas restrições e condicionantes. 

“Nossa expertise permite um estudo aprofundado sobre a agenda ESG e suas implicações para os diversos agentes do agronegócio. Dessa forma, apoiamos as empresas em seus processos de início e fortalecimento dessa frente de atuação”, afirma Roberto Sbragia, presidente da FIA Business School. 

ARTIGOS RELACIONADOS

Auditoria independente: em defesa da economia e do interesse público

A auditoria independente contribui de modo significativo para que as empresas sejam mais ...

Exportação de milho e soja estima trégua nos preços

A exportação de milho e soja projeta uma trégua nos preços, trazendo perspectivas positivas para o mercado agrícola.

Safra de trigo no Paraná terá aumento de área

A safra de trigo no Paraná promete ter um aumento significativo de área neste ano.

Cenários da economia brasileira para 2022

O Painel “Cenários e Perspectivas da Área Econômica”, que será realizado na ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!