13.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 29, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesFenômenos climáticos extremos aumentam a preocupação

Fenômenos climáticos extremos aumentam a preocupação

Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul sofrem com mortes e prejuízos materiais causados pelas chuvas acima da média,

Créditos: Divulgação

Apenas dois dias depois da enchente que atingiu grande parte da região metropolitana do Rio de Janeiro (14/1), foi a vez de Porto Alegre e mais 48 municípios do Rio Grande do Sul entrarem em situação de emergência. Fenômenos climáticos extremos são consequências do aquecimento global, fenômeno agravado pela emissão de gases do efeito estufa e pelo desmatamento.
 

As chuvas acumuladas na capital fluminense, apenas apenas em um dia, ultrapassaram os 200mm, quantidade superior à média para o mês de janeiro, que é de 140mm, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Segundo o Instituto, os dois estados poderão ser afetados por tempestades intensas e rajadas de ventos nos próximos dias. No Rio de Janeiro, além de deixar mais de 15 mil pessoas desabrigadas, a enchente causou, mais uma vez, enormes prejuízos materiais para famílias e empresas. De acordo com a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), os prejuízos materiais causados pelas enchentes, em todo o país, ultrapassam R$ 55 bilhões no período de 2017 a 2022.
 

Preocupação crescente
 

Para 27% dos brasileiros, o combate ao aquecimento global/mudanças climáticas é prioridade. É o que aponta a pesquisa Sustentabilidade e Opinião Pública, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), lançada em dezembro de 2023. Ainda segundo a mesma pesquisa, para 23% dos entrevistados, as mudanças climáticas são a maior ameaça ao meio ambiente que o Brasil enfrenta atualmente.
 

Houve um significativo crescimento na percepção dos brasileiros em relação ao problema das mudanças climáticas. Na pesquisa de 2022, os resultados apontavam 16% (prioridade) e 12% (maior ameaça).
 

Adaptação
 

A CNI defende que os diferentes setores da economia brasileira precisam investir em mecanismos de resiliência e enfrentamento para se adaptarem às mudanças climáticas. A agenda de adaptação, no entanto, não substituirá a de mitigação por meio da redução das emissões de gases do efeito estufa, visando estabilizar a temperatura mundial.
 

Para a CNI, “a capacidade de adaptação às mudanças climáticas pela sociedade é condição para o desenvolvimento econômico no médio e longo prazos. A incorporação gradativa da pauta climática no planejamento das empresas é de suma importância para a melhoria da sua competitividade. O envolvimento das partes interessadas (governo, representações da sociedade civil e setor privado) na construção da estratégia nacional de adaptação às mudanças climáticas é de suma importância”.


Sobre o Projeto Indústria Verde


O Indústria Verde é uma iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) para apresentar as contribuições da indústria brasileira à agenda ambiental. A indústria é parte da solução no desenvolvimento sustentável. O setor produtivo é um dos pioneiros a assumir a responsabilidade de estimular a implementação dos compromissos climáticos no país.

ARTIGOS RELACIONADOS

Devido ao El Niño, climatização se tornou preocupação

Equipamentos com motores elétricos possibilitam a garantia da qualidade na circulação do ar em empresas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!