27.6 C
Uberlândia
quarta-feira, abril 17, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesFertilizantes organominerais: produtividade em soja e milho

Fertilizantes organominerais: produtividade em soja e milho

Regina Maria Quintão Lana
Doutora em Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas e CEO – Agro R Consultoria e Serviços Agrícolas
rmqlana@hotmail.com
Higor da Silva Oliveira
Engenheiro agrônomo – Universidade Federal de Uberlândia (UFU)
higor.iftm@gmail.com
Maria Clara Resende Ponce
Mestre em Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas – UFU
mariaclararponce@gmail.com

Foto: Shutterstock

Os fertilizantes organominerais são constituídos da mistura entre fertilizantes minerais e matrizes orgânicas bioestabilizadas que devem respeitar exigências, especificações, garantias e tolerâncias estabelecidas pelo MAPA através da Instrução Normativa Nº 61, de 08 de julho de 2020 seção V, Art.8º, § 1º – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

O organomineral é fabricado pela combinação de matrizes orgânicas humificadas (húmus) com fertilizantes minerais solúveis, tendo como produto final um fertilizante de liberação lenta ou disponibilidade controlada, com alto teor de carbono, o que promove o aumento da eficiência agronômica dos fertilizantes minerais.

Essa tecnologia atende ao tripé de sustentável-social-econômica, uma vez que utiliza de passivos ambientais de outros sistemas de produção; tem função social porque fomenta a economia brasileira; e é econômica por que traz rentabilidade para o produtor.

Matrizes

A composição dos fertilizantes organominerais varia tanto em termos do fertilizante mineral utilizado na formulação, quanto na compostagem da matriz orgânica e no processo industrial.

As matrizes orgânicas normalmente utilizadas são de origem vegetal, animal e agroindustrial, sendo alguns exemplos:

Origem vegetal: celulose, torta de filtro, palhas de café, casca de arroz, resíduos de árvores, bagaço de cana, serragem, torta de cevada, resíduos de fumo, resíduos de batata, etc.

Origem animal: composto de Barn, cama de frango, esterco de galinha, esterco de bovino, etc.

Origem agroindustrial: subprodutos de indústrias e frigoríficos.

A composição ideal de um organomineral, portanto, varia com a matriz orgânica, com a fonte de fertilizante mineral e o processo industrial.

Composição

As características que se buscam no organomineral são: relação C/N entre 15 a 20; presença de substâncias húmicas e não húmicas; ser precursor de aminoácidos; conter traços de elementos benéficos e essenciais; baixo teor de umidade e odor semelhante ao húmus.

As fontes dos fertilizantes minerais utilizadas no organomineral são os fertilizantes químicos convencionais.

Eficiência dos fertilizantes organominerais

  1. Melhora as propriedades físicas, químicas e físico-químicas dos fertilizantes minerais:

NPK + micro no mesmo grânulo, não apresenta efeito de segregação;

– Reduz a fixação do P proveniente do fertilizante aplicado ao solo;

– Ajuda na quelatilização de micronutrientes, podendo assim aumentar a disponibilização destes no solo;

– Aumenta a atividade microbiana no solo;

– Reduz a lixiviação de formas catiônicas (NH4+, K+, Ca++, Mg++, etc.);

– Protege as raízes contra o excesso de salinidade causada pela adubação

mineral.

  • Benefícios para as propriedades químicas do solo:

– Aumento da CTC e CTA: redução de perdas de lixiviação (N e K), volatilização (NH3) e fixação (P);

– Estabilidade de pH: diminuição da necessidade de corretivos de acidez;

– Complexação de Íons de Fe e Al: maior assimilação de P;

– Complexação de metais pesados e pesticidas: proteção contra poluição e pesticidas;

– Formação de quelatos de micronutrientes: facilita o transporte de micronutrientes.

  • Benefícios para as propriedades físicas do solo:

– Alteração na coloração do solo: melhoria da temperatura;

– Formação de gel: retentores de umidade;

– Formação de pontes organominerais: estruturação do solo; diminuição da densidade do solo;

– Aumento da estabilidade dos agregados: melhoria na estrutura do solo;

– Melhoria da aeração: maior porosidade total;

– Maior infiltração e retenção de água no solo.

  • Benefícios para as propriedades biológicas do solo:

– Ativação e crescimento de microrganismos: intensificação do acúmulo de húmus;

– Maior proliferação e biodiversidade de microrganismos;

– Pode aumentar a quantidade de bactérias e fungos benéficos para o crescimento das plantas e diminuir fungos fitopatogênicos.

  • Benefícios para o metabolismo da planta:

– Nutrientes são absorvidos de maneira mais eficiente pelas plantas;

– Estimula os processos fisiológicos, bioquímicos e enzimáticos;

– Equilíbrio no balanço hormonal (auxina, citocinina e giberilina);

– Melhor relação parte aérea/raiz;

– Produção de enzimas e proteínas;

– Maior produtividade.

Esses benefícios do organomineral resultam em culturas mais sadias, com maior vigor na fase de brotação, maior resistência a pragas e doenças e, consequentemente, maior qualidade e produtividade das lavouras.

Economia

O fertilizante organomineral, de modo geral, reduz em cerca de 20 a 30% a aplicação de fertilizantes químicos convencionais; contribui para mitigação de impactos ambientais e proporciona maior economia ao produtor rural.

O fertilizante organomineral possibilita que a alta produtividade das culturas ande junto com a sustentabilidade. Seu uso nas culturas de soja e milho vem crescendo a cada safra devido às maiores produtividades obtidas.

Segundo a Abisolo (2021), as culturas que mais se destacaram no quesito “aumento de adoção” foram soja, café, milho, cana-de-açúcar e as frutas – especialmente aquelas destinadas à exportação. Observou-se um aumento de aplicação de 30,9% na cultura da soja e de 11,5% na cultura de milho em 2020.

Organomineral na cultura da soja

Tabela 1. Produtividade da soja em função aplicação de doses de fertilizante organomineral e mineral na Estância HZ em Tupaciguara – MG

Fonte: Korndörfer, 2013

Korndörfer (2013) observou que a produtividade da soja nos tratamentos que receberam organomineral foi superior à do tratamento mineral em 2,4 sc ha-1, chegando até 7,6 sc ha-1 (tabela 1).

Tabela 2. Doses do organomineral e mineral na cultura da soja

Fonte: Costa, 2016. Produtividade (PROD), Massa de 100 grãos (MCG)

Experimento realizado por Costa 2016, sobre organomineral na cultura da soja, mostrou que o fertilizante organomineral formulado em mistura de grânulos demonstrou ser agronomicamente viável para cultivo da soja, obtendo uma produtividade de 3.648,95 kg ha-1 na dose máxima de 1.000 kg ha-1, podendo substituir a adubação mineral.

Figura 1. Produtividade de grãos em função das doses de adubação organomineral, para cultivar BRS 283. Itumbiara (GO). Safra 2016/17.

Fonte: Costa, 2016.

Organomineral na cultura do milho

Figura 2. Produtividade de milho obtida com fertilizante mineral e organomineral.

Fonte: Souza, 2018.

Segundo Souza (2018), houve um aumento de 7% na produtividade do milho (variedade híbrido 30F53H) com uso do organomineral em relação ao mineral (figura 1).

Figura 3. Tamanho de espigas com aplicação de fertilizante organomineral

O organomineral resultou em espigas mais bem formadas, com maior número de fileiras e maior número de grãos (figura 3).

Figura 4. Uso de fertilizante organomineral e mineral na produtividade de milho

Fonte: Xavier, 2018.

Xavier (2018) também observou que com a aplicação de 192 kg/ha-1 do organomineral 07-18-00 obteve-se a mesma produtividade de 12,9 t/ha-1 de milho, comparativamente à dose de 400 kg/ha-1 do fertilizante mineral 13-33-00 (figura 3).

Tabela 3. Valores médios do número de espigas em 10 m (NESP), número de grãos por espiga (Ngrãos), o peso médio das espigas (PMESP) e a produtividade (kg ha-1) em função da fonte de adubação de plantio Anápolis (GO), 2019.

Fonte: Pereira, 2012.

Pereira/2012, utilizando 300 kg ha-1 de organomineral 02-15-05, obteve uma produtividade significativa quando comparado à mesma dose do mineral 04-30-10, concluindo que o adubo organomineral se mostrou satisfatório tanto no quesito morfológico quanto produtivo.

As formulações organominerais possibilitam aplicações eficientes nas culturas de soja e milho. Cabe destacar a importância da escolha das matrizes orgânicas e fertilizantes minerais para fabricação do organomineral. A recomendação da dose varia com a análise química do solo, exigência da cultura, condições climáticas e com o manejo adotado pelo produtor.

ARTIGOS RELACIONADOS

Produtores colhem uma média de 105 sacas por hectare com nova biotecnologia em soja da Bayer

Semeada comercialmente pela primeira vez na safra 21/22 no Brasil, 41 sojicultores dobraram produtividade com Intacta2 Xtend®, atrelando rentabilidade à sustentabilidade

Grupo Uby Agro mostra no Algar Farming Showsoluções para as culturas de milho, sorgo e soja

Holding levará à 3ª edição da feira portfólio de soluções para produtores de grãos atingirem maior eficiência de manejo e elevar seu patamar produtivo

Focos de ferrugem da soja aumentam no Brasil em 220%

Por ser um ano com chuvas mais frequentes e calor acima da média em algumas regiões, a incidência de doenças está aumentando nas lavouras de soja.

Análise de solo

A ferramenta mais usada há tempos na agricultura, para se conhecer a fertilidade, os teores ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!