24.6 C
Uberlândia
sábado, junho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioEventosFórum de qualidade do solo e plantio direto reúne mais de 350...

Fórum de qualidade do solo e plantio direto reúne mais de 350 pessoas

Crédito Divulgação

Mais de 350 pessoas, entre produtores, técnicos e estudantes, participaram no dia 04 de maio, do 1º Fórum de Qualidade do Solo e Plantio Direto. O evento promovido pela Copercampos, com apoio da Embrapa, Basf, Rizobacter e Unoesc, no auditório da universidade, em Campos Novos/SC contou com quatro palestras e discussões sobre tendências climáticas, interpretação da fertilidade do solo, microbiologia e uso de bioinsumos e sobre experiências na gestão de empresas rurais. 

Sabe-se que vários fatores limitam a produtividade e afetam a estabilidade da produção agrícola e com a adoção de um bom manejo de solo e implantação correta do sistema plantio direto, produtores alcançam grandes resultados em suas atividades. 

De acordo com o coordenador do Fórum, Gerente de Assistência Técnica Fabrício Jardim Hennigen, o evento cumpriu seu objetivo. “Nosso objetivo com o 1º Fórum foi transmitir informações e conhecimentos para o início de um projeto de melhoria na qualidade do sistema agrícola de toda a região. A conexão dos temas agregou novas percepções aos participantes do evento e assim, teremos condições de implantar um sistema eficiente de plantio direto, com melhoria na fertilidade de solo”, ressalta Fabrício. 

Na primeira palestra do evento, o professor Dr. Luiz Carlos Baldicero Molion abordou o tema: Perspectivas do clima para 2022 e tendências para as próximas safras. Em sua palestra/aula, Molion apresentou informações consistentes quanto a continuidade do fenômeno La Niña. Segundo o professor, nos próximos meses (até dezembro), deve chover acima da média na região. Já de janeiro a março, as chuvas serão abaixo da média, com pelo menos 25% menos chuva no período. 

“Nos próximos 15 anos, teremos menor frequência do fenômeno El Niño, com invernos e primaveras mais frias em regiões foras do trópico. Precisamos entender que o clima varia por causas naturais. O carbono, por exemplo, não controla o clima, não é um vilão, é o gás da vida”, ressaltou. 

Já na palestra com tema “Interpretando a Fertilidade do Solo no contexto do Sistema de Plantio Direto”, o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), José Eldir Denardin destacou a relevância do conjunto de fatores que formam o sistema, desde atenção a continuidade de culturas nas lavouras, para produção consistente de matéria orgânica e atividade biológica, a fim de gerar estabilidade estrutural ao solo. 

Outro pesquisador da Embrapa a participar do fórum, foi Anderson Ferreira, que abordou o tema: “Microbiologia de solos e o uso de Bioinsumos na Agricultura”. Ferreira destacou que com manejo de solo adequado, a vida do solo, ou seja, os bioinsumos se desenvolvem. “O solo não pode ver o sol. É uma frase forte e como o Denardin comentou, é preciso intensificar o uso da terra de forma ordenada. O solo é um ambiente ecológico e precisamos ter o aporte de nutrientes de tudo que você exportou dessa lavoura. Ao longo do tempo, os nutrientes são finitos, temos que ter reposição. Se pensarmos em ambiente agrícola, a colheita de grãos, o boi da pecuária, são exportadores e nós precisamos repor estes nutrientes para ter solos estruturados”, comenta Anderson Ferreira.  

A última palestra do evento, com o pesquisador Ricardo Brustolin foi sobre o tema: “Experiências na gestão de empresas rurais, buscando estabilidade do sistema agrícola”. Brustolin apresentou resultados da utilização de um sistema de gestão total da propriedade, a fim de possibilitar produtividade e consequente sustentabilidade das atividades, com atenção a gestão de pessoas, processos e construção de lavouras.  

ARTIGOS RELACIONADOS

O futuro da agricultura

Quais são as tendências do futuro da pujante agricultura brasileira?

Inovações para agricultura da BASF são destaques no Showtec

A empresa reforça a importância do manejo eficiente para atingir maiores produtividades.

Novo sistema de cultivo de erva-mate pode produzir mais

A Cevad-estufa permite alocar mais de 300.000 pés de erva-mate em um hectare, enquanto o sistema tradicional de produção no campo coloca em torno de 2.200 pés/ha. Estudos mostram que seu rendimento pode chegar a 90 toneladas por hectare em um ano.

Embrapa destaca inovações tecnológicas na 11ª edição da Rondônia Rural Show

A Embrapa marcará presença na décima primeira edição da Rondônia Rural Show, um evento que impulsiona o agronegócio brasileiro e acontecerá no período de 20 a...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!