22.6 C
Uberlândia
quinta-feira, abril 18, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasIndígenas têm duas vezes mais chances de morrer em incêndios florestais

Indígenas têm duas vezes mais chances de morrer em incêndios florestais

Povos da América do Sul sofrem com exposição à fumaça de queimadas; áreas do Brasil, Peru e Bolívia têm mortalidade até 6 vezes maior que a média.

Novo estudo, publicado na revista Environmental Research Health da IOP Publishing, revela que indígenas da bacia amazônica têm duas vezes mais chances de morrer prematuramente em decorrência da exposição à fumaça emitida por incêndios florestais do que a população sul-americana. Regiões no Peru, Bolívia e Brasil são apontadas como focos de exposição à fumaça, com taxas de mortalidade 6 vezes mais altas que a da população em geral.

“Estudos como esse ressaltam a importância da gente olhar para a questão do uso do fogo na Amazônia como uma questão de saúde pública, o que nem é pensado atualmente. Estamos perdendo vidas por causa dos aumentos das queimadas e isso só tende a piorar nesse cenário acirrado pelas mudanças climáticas. Precisamos olhar para o uso do fogo e, realmente, reforçar políticas que controlem esse uso”, afirma a diretora de Ciência do IPAM e coautora do estudo, Ane Alencar.

Os resultados mostram que a fumaça dos incêndios florestais na América do Sul é responsável por aproximadamente 12.000 mortes entre 2014 e 2019, com cerca de 230 delas ocorrendo em territórios indígenas. A exposição a partículas de fumaça nocivas é muito maior durante a estação seca da Amazônia, entre agosto e novembro, quando incêndios florestais mais que dobram a concentração de compostos químicos em suspensão na atmosfera.
 

Principal autora do estudo, Eimy Bonilla afirma: “embora os territórios indígenas sejam responsáveis ​​por poucos incêndios na bacia amazônica, nossa pesquisa mostra que as pessoas que vivem nesses territórios sofrem riscos de saúde significativamente maiores devido às partículas de fumaça, em comparação com a população em geral.”
 

Pesquisas anteriores sobre o tema se concentram nos impactos de saúde dos países em escalas maiores ou dependem fortemente de dados de internação hospitalar. Isso não destaca com precisão o impacto sobre as pessoas que vivem em territórios indígenas, localizadas mais próximas dos incêndios, expostas a partículas de fumaça por períodos mais longos e que, muitas vezes, não têm acesso a cuidados médicos adequados, materiais de higiene ou água potável.
 

O novo estudo, liderado por pesquisadores da Universidade de Harvard, usa uma combinação de modelos de transporte químico atmosférico e uma função de resposta de concentração atualizada para estimar a taxa de mortalidade de indígenas expostos a altas concentrações de MP 2.5, nome dado às partículas microscópicas emitidas pelas queimadas.
 

Impacto das queimadas
 

Nos últimos anos, a taxa de queima de biomassa na América do Sul aumentou, impulsionada pela degradação florestal causada pela atividade humana (como mineração, extração de madeira e uso de terras agrícolas) e variações nas condições climáticas.
 

Esses incêndios florestais liberam minúsculas partículas chamadas MP2.5, conhecidas por contribuir significativamente para as concentrações de aerossóis e serem nocivas à saúde humana. A exposição a esse material pode resultar em sintomas fisiológicos como doenças cardiovasculares e respiratórias e percorrem grandes distâncias, afetando a qualidade do ar em vários países da América do Sul.
  “Esses incêndios têm um impacto desproporcional sobre as pessoas que vivem em territórios indígenas. Com tempos de exposição mais longos e acesso limitado a atendimento médico, populações indígenas correm um risco muito maior de morrer em incêndios”, afirma Bonilla. “Recomendamos que os governos forneçam assistência financeira para monitorar a qualidade do ar nessas regiões, fornecendo sensores de baixo custo para estudar o impacto da exposição de curto e longo prazo à fumaça.”

ARTIGOS RELACIONADOS

Floresta em Pé x Floresta Derrubada: como mostrar o valor da Amazônia Sustentável?

Descubra como a Teoria da Mudança pode ajudar a mostrar a viabilidade econômica da conservação da floresta e como organizações já utilizam essa ferramenta para alcançar objetivos sustentáveis na região

IAB alerta sobre crise climática

No Dia Mundial do Meio Ambiente, IAB cobra políticas firmes de proteção ambiental.

Formiga cortadeira no mogno africano: como funciona o controle?

Os danos causados por essas formigas dependem da intensidade do ataque e, também, da fase de desenvolvimento das plantas

Técnicas de aceleração do crescimento silvicultural no Brasil

Práticas essenciais para o sucesso da floresta comercial: seleção de espécies, preparo do solo, plantio densificado e controle de pragas e doenças

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!