26.6 C
Uberlândia
quarta-feira, abril 24, 2024
- Publicidade -
InícioMáquinasEscolha errada do pneu compromete desempenho do maquinário

Escolha errada do pneu compromete desempenho do maquinário

Especialista da Pivot dá dicas sobre uso correto conforme a aplicação no campo e alerta que atenção à peça deve ser ainda maior nos períodos de chuva.

O uso do pneu numa aplicação para a qual não foi projetado resultará em comprometimento da performance operacional da máquina
Foto Divulgação

Numa agricultura de alta performance como a que temos aqui no Brasil, a produção não pode parar, faça chuva ou faça sol. Mas o produtor que está na lida diária do campo sabe bem que os períodos chuvosos exigem atenção a certas peculiaridades, que caso não observadas podem levar a enormes prejuízos. Um desses cuidados é com os pneus usados nos maquinários agrícolas.

De acordo com o consultor de vendas da Trelleborg, Frederico Pessato Alves, apesar das altas tecnologias embarcadas nos  maquinários de hoje, muito do desempenho delas depende do uso do pneu certo. “A escolha do pneu ideal para o trator deve levar em consideração diversos fatores. É necessário ficar atento ao tamanho que consta no manual do equipamento, as condições do solo onde esse maquinário será usado também devem ser levadas em conta, a aderência que influencia no tipo de tarefa que será executada na lavoura pelo trator, a resistência da carcaça, entre outros fatores”, explica. 

Mas na época de chuva, que pneu usar? Para facilitar a vida dos produtores, montadoras de maquinários agrícolas e fabricantes de pneus montaram uma tabela com os códigos de aplicação. “Essa tabela traz uma excelente orientação para determinar o tipo de serviço para qual o pneu foi projetado. O pneu R1, por exemplo, é para uso em terrenos secos, já o R1W, é indicado para o trabalho em terrenos molhados, úmidos e argilosos. Temos também o R2, que serve para terrenos alagados”, detalha o especialista da Pivot.

Frederico Pessato Alves, alerta que o uso do pneu numa aplicação para a qual não foi projetado resultará em comprometimento da performance operacional da máquina e até mesmo defeitos no maquinário. “É importante ficar atento porque usar um pneu R2 na aplicação de R1 vai causar um desgaste mais rápido, e não terá a tração ideal para o trabalho. Além disso, ainda pode afetar o consumo de combustível por falta de tração”, explica. 

Pneus agrícolas 

De acordo com Frederico Pessato Alves existem dois tipos básicos de pneus: o diagonal e o radial. O primeiro é composto por cabos de reforço que atravessam diagonalmente o pneu, num ângulo de 30 a 40 graus até à linha central da peça. Cada tela ou camada de cabos estruturais do pneu está colocada na direção oposta à anterior formando um padrão cruzado.

Já o radial é composto por telas de cabo que reforçam o pneu e se prolongam num ângulo de 90 graus até à linha central. Diretamente por cima das telas radiais e por baixo do piso existe uma cinta em toda a circunferência que é feita de cabos ou aço. E esta cinta acompanha toda a circunferência da carcaça e os cabos são colocados na cinta num ângulo estreito de 15 e 25 graus.

“O pneu radial possui características de construção que beneficiam a operação agrícola, como por exemplo maior área de contato com o solo, maior poder de tração, redução do consumo de combustível, maior poder de limpeza e conforto ao operador. Já o pneu diagonal, oferece um percurso suave em superfícies ásperas com maior conforto do operador, além da capacidade de suportar cargas maiores”, explica o consultor de vendas. 

Vida útil do pneu

Outro fator importante é sobre os cuidados que prolongam a vida útil do pneu. O especialista da Pivot dá algumas dicas que asseguram a alta performance dessas peças por muito mais tempo, como por exemplo, o ajuste da pressão de ar dos pneus, que deve ser calibrada conforme o tipo e peso da carga. “Uma pressão excessiva provoca o desgaste da banda de rodagem e da parte central do pneu”, informa Frederico Pessato Alves. 

Outra orientação é sempre usar o mesmo modelo no conjunto duplo das rodas. “Assim, evita-se a diferença de tração e que um trabalhe mais que o outro”, explica o especialista da Pivot. Examinar periodicamente o exterior do pneu é importante para detectar possíveis anormalidades, e assim fazer a manutenção necessária ou a troca. “Afinal, um pneu estragado pode facilmente avariar seu maquinário, e o prejuízo pode ser maior”, alerta. 

Outro alerta dado por Frederico Pessato é evitar o contacto dos pneus com produtos derivados de petróleo, a dica  nesse caso é sempre manter as rodas limpas. 

ARTIGOS RELACIONADOS

Grunner recebe patente de invenção tecnológica

Solicitada pela empresa em 2018, a propriedade da patente de modelo de utilidade será da Grunner até 2033 em todo o Brasil.

Rio Preto recebe Congresso Brasileiro de Heveicultura

Com patrocínio da Apabor, evento traz especialistas renomados para debater temas atuais e importantes para o desenvolvimento do agronegócio e da borracha natural Será realizado...

Maracaju sedia Showtec 2019

O maior evento do agro de Mato Grosso do Sul, será realizado de 16 a 18 de janeiro, com participação de 100 expositores e a feira traz o tema “Gerando negócios, produzindo conhecimento

Palestra discute novo conceito de mecanização do café

  A Jacto participou, no dia 30 de junho, do 6º Simpósio de Mecanização da Lavoura Cafeeira. O evento antecedeu a abertura da Expocafé 2015,...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!