26.6 C
Uberlândia
sexta-feira, junho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiIndução floral permite produção de manga fora de época

Indução floral permite produção de manga fora de época

 

 

Glaucio da Cruz Genuncio

Doutor em Agronomia e professor de Fruticultura da UFMT

glauciogenuncio@gmail.com

Elisamara Caldeira do Nascimento

Talita de Santana Matos

Doutoras em Agronomia ” UFRRJ

 

Crédito Léa Cunha
Crédito Léa Cunha

Um dos maiores problemas do cultivo da mangueira é a irregularidade na produção devido a vários fatores, principalmente relacionados com a floração e frutificação, levando a uma baixa produtividade. Por consequência, para que a produção seja satisfatória, deve-se atentar para os aspectos fisiológicos e climáticos ligados a esses fatores.

A utilização de técnicas avançadas de produção e reguladores de crescimento vegetal permite o atendimento mais racional da demanda de mercado e a comercialização em épocas mais adequadas, atendendo ao mercado interno e externo.

Indução floral

O principal ganho da indução floral está na uniformização da produção, com redução da variação da produção, que pode chegar a 150% de um ano para o outro, em determinadas condições agronômicas.

Assim, o manejo adequado visando a indução floral em mangueiras permite a produção de frutos de excelente qualidade (coloração mais intensa) e em qualquer época do ano, contribuindo para a constância da safra e possibilitando a produção durante a entressafra, com retorno imediato ao produtor.

 A poda facilitaa aeração e iluminação da  copa - Crédito Shutterstock
A poda facilitaa aeração e iluminação da copa – Crédito Shutterstock

Técnicas

A mangueira faz parte do grupo de plantas que apresenta um conflito entre o vigor vegetativo e a intensidade de floração. Sendo assim, o processo natural de floração está associado à inibição do crescimento vegetativo e esta depende da idade, do estado nutricional da planta, assim como da regulação hídrica e de variáveis climáticas, como a associação de temperaturas médias diurnas e noturnas.

Temperaturas noturnas abaixo de 20ºC e fotoperíodos compreendidos entre 10 a 14 horas favorecem a indução floral que, associadas ao estresse hídrico, criam condições propícias para a paralisação do crescimento vegetativo nas condições de clima subtropical e tropical, respectivamente.

Técnicas de manejo bem conduzidas podem melhorar a quantidade e qualidade dos brotos vegetativos. A poda, quando bem conduzida, destaca-se como uma técnica que estimula a brotação em gemas axilares, conseguindo, assim, multiplicar o número de brotos,além da associação de técnicas adicionais, como manejo nutricional e a adoção do estresse hídrico para facilitar o amadurecimento dos brotos gerados pós-poda.

O estresse hídrico destaca-se na paralisação do crescimento vegetativo e diferenciação celular. Assim, um atraso no crescimento pode permitir, por mais tempo, um acúmulo do promotor floral ou a diminuição no nível do promotor vegetativo (ácido giberélico ” GA3), à medida que o ramo amadurece. A poda, por exemplo, estimula a brotação de gemas axilares.

O crescimento vegetativo ou floral ocorre em duas fases distintas -na quebra de dormência e no crescimento da gema. Posteriormente, ocorre o desenvolvimento, fase essa denominada iniciação, e em seguida a indução, etapa em que fica determinado o tipo de broto que irá surgir: vegetativo ou floral.

A poda aumenta o brix da manga - Crédito Luize Hess
A poda aumenta o brix da manga – Crédito Luize Hess

Reguladores de crescimento

Para a floração, é necessário que ocorra a paralisação do crescimento vegetativo, uma vez que tal processo proporciona o bloqueio da distribuição de seiva elaborada e o acúmulo de carboidratos nas extremidades da copa da planta.

Essa paralisação pode ocorrer tanto pela incisão de ramos quanto por outro método que incite o bloqueio e posterior acúmulo de carboidratos, tendendo ao florescimento.

A paralisação e/ou redução do crescimento do sistema radicular favorece o florescimento devido à baixa síntese de giberelinas (a diminuição dos teores de giberelina aumentará a floração). A biossíntese de giberelina é mais acentuada em temperaturas elevadas, favorecendo a brotação dos ramos e suprimindo a floração da mangueira.

Os reguladores de crescimento vegetal que contêm um princípio ativo conhecido como paclobutrazol (PBZ)dificultam a biossíntese da giberelina, contribuindo para a inibição do crescimento dos ramos, promovendo a maturação das gemas e, consequentemente, favorecendo a floração.

A forma de aplicação do PBZ pode ser via foliar ou diretamente no solo, sendo que as doses estão em função da idade da planta, metro linear de copa (03 a 05 m), vigor e variedade de mangueira, além do tipo de solo e condições microclimáticas.

Equilíbrio

Para a diferenciação do vigor vegetativo e intensidade de floração, o equilíbrio entre os “hormônios de crescimento“ (auxina, citocinina e giberelina) deve ser levado em conta. Em específico, os hormônios auxina e a giberelina são responsáveis pelo crescimento vegetativo e a citocinina pelo crescimento reprodutivo. É esse balanço hormonal que influencia a floração.

A citocinina, por sua vez, é sintetizada no ápice das raízes e transportada via xilema para as gemas apicais, desempenhando um importantíssimo papel na diferenciação do tecido vegetativo e reprodutivo.

Essa matéria completa você encontra na edição de setembro 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Algas marinhas aumentam produtividade da soja em 18 sacas

As algas marinhas são fontes de várias vitaminas e outras substâncias, como glicoproteínas, como o alginato e aminoácidos que podem funcionar como bioestimulantes vegetais.

Nematicida eleva número de perfilhos e aumenta produção da cana-de-açúcar

Pontiac 350 SC, da Rotam do Brasil, ajuda no combate aos nematoides e eleva produção na cultura Para tentar evitar dor de cabeça com os...

Algas no controle da antracnose do feijoeiro

Felipe Augusto Moretti Ferreira Pinto Engenheiro agrônomo, doutor em Fitopatologia e pesquisador da Epagri/Estação Experimental de São Joaquim felipemoretti113@hotmail.com   O feijão (Phaseolusvulgaris L.) é um dos...

Enxofre aumenta colmos e sacarose da cana

O enxofre é um macronutriente aniônico secundário muito importante para o desenvolvimento das plantas, juntamente com o nitrogênio, o fósforo e o potássio. É encontrado na natureza de duas formas: na matéria orgânica (na forma de sulfetos e sulfatos) e livre na natureza, neste caso disponível apenas em depósitos vulcânicos ou sedimentares.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!