20.6 C
Uberlândia
quinta-feira, maio 23, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesIrrigação por gotejamento subterrâneo

Irrigação por gotejamento subterrâneo

 Por João Silva, especialista agronômico da Netafim

A cultura da soja desempenha um papel vital na segurança alimentar global, sendo uma fonte essencial de proteína e óleo. No entanto, a crescente instabilidade climática representa um desafio significativo para os agricultores, impactando a germinação e condução eficiente da cultura.

A soja (Glycine max) é uma cultura versátil, mas sua produção está cada vez mais sujeita às flutuações climáticas. O aumento na frequência de eventos climáticos extremos, como secas e chuvas intensas, representa ameaças diretas à germinação e ao desenvolvimento do cultivo. A safra 2023/24 está sendo marcada por um Super El Niño, e já se observam os impactos na agricultura brasileira em diversas regiões produtoras de grãos.

De acordo com o último boletim da safra de grãos divulgado pela Conab, o plantio está atrasado em relação ao mesmo período da safra 2022/23. Esse atraso é devido, principalmente, às precipitações irregulares nas regiões produtoras, sendo que muitas regiões já relatam ser o maior atraso dos últimos 5 anos. O fenômeno El Niño, que acarreta excesso de chuvas na região sul e falta delas nas demais regiões do país, tem também causado a necessidade de replantio em várias localidades, gerando prejuízos aos agricultores. Abaixo um comparativo entre a safra 2022/23 e 2023/24 para a região de Vera no Mato Grosso mostrando a redução do volume de chuvas no período em decorrência do El Niño.

Figura 1 Volume de chuvas (mm) no município de Vera – MT nas safras 22/23 e 23/24. Fonte: Aproclima (Aprosoja MT).

O atraso no plantio da soja impacta também a possibilidade de realização de uma segunda safra em algumas regiões do país. Dessa forma, além de prejudicar a principal safra do produtor de grãos, pode inviabilizar a safrinha e a oportunidade de maior produção de alimentos e geração de receita.

O comunicado técnico publicado pela Embrapa, referente ao programa de tecnologias para enfrentamento da seca na soja (TESS), evidenciou que a seca na safra 2021/22 desfalcou 396,7 milhões de sacas (60 kg) nos estados do RS, SC, PR e MS. A soja não produzida nessa safra significou um impacto de US$ 14,9 bilhões em 40% da área ocupada pela cultura da soja no Brasil (CONAB, 2022; IPEA, 2022).

Figura 2 Impacto da seca na safra 21/22 em diferentes regiões do Brasil. Fonte Embrapa.

Nesse contexto, as soluções de irrigação, como o gotejamento subterrâneo, se encaixam perfeitamente como uma ferramenta estratégica, possibilitando que o produtor tenha a oportunidade de realizar a germinação do cultivo independentemente das condições climáticas, mantendo a umidade do solo através de ciclos de irrigação, suprindo a demanda hídrica para o pleno desenvolvimento, floração e enchimento de grãos.

A irrigação por gotejamento subterrâneo permite a aplicação de água em baixo volume e alta frequência, com alta eficiência de aplicação, pois cada milímetro é colocado exatamente na zona radicular da cultura. Os tubos, que ficam enterrados a uma profundidade de 20 a 25 cm, contam com um fenômeno físico chamado capilaridade, que através de forças de coesão, adesão e tensão superficial, possibilita a ascensão da umidade, chegando às camadas superficiais do solo e consequentemente na região das sementes para proporcionar a germinação dos cultivos. Desta forma, produtores de todo o Brasil podem aproveitar as janelas ideais de plantio, independentemente das precipitações, podendo realizar até três safras no ano dependendo da região.

Na fazenda Primavera, localizada próxima a Sorriso, no Mato Grosso, o produtor possui o sistema de irrigação por gotejamento subterrâneo nas áreas não irrigadas pelos pivôs centrais, somando mais de 520 hectares somente com a tecnologia de gotejamento subsuperficial. A fazenda Primavera cultiva soja, milho e feijão na terceira safra, dessa forma necessita que a germinação da soja e feijão ocorra na época seca, independente do acumulado de chuvas. Abaixo é possível observar a umidade proporcionada pelo sistema de gotejamento subterrâneo, germinação e desenvolvimento da cultura da soja.

Figura 3 Fotos de diferentes ciclos da safra de soja na fazenda Primavera. Fonte: Netafim.

Outro exemplo está no sudoeste paulista, na região de Angatuba. O produtor aumentou sua área irrigada em 20%, chegando a irrigar 85% da área agricultável da fazenda utilizando a tecnologia de gotejamento subsuperficial integrada com os pivôs. O aumento da área irrigada da fazenda proporciona a verticalização da produção, possibilidade de realização de mais safras no ano, flexibilidade para o plantio e germinação independente das chuvas. Na imagem abaixo, umas novas áreas irrigadas por gotejamento subterrâneo com a cultura do feijão plantado em 08/08/2023, germinadas utilizando o sistema Netafim.

Figura 4 Área harmonizada de irrigação entre gotejamento subsuperficial e pivô central na região de Angatuba. Fonte: Netafim

Ao optarem por tecnologias inovadoras, como o gotejamento subterrâneo, os agricultores não só enfrentam os desafios impostos pelas condições climáticas, mas também fomentam uma abordagem sustentável capaz de revolucionar a agricultura. Essa escolha não apenas assegura um futuro com maior segurança para o produtor de grãos, mas também promove a robustez e a eficiência do setor agrícola como um todo.”

ARTIGOS RELACIONADOS

Cosmocel – A evolução do campo

Há 10 anos a Cosmocel participa da Hortitec, com o objetivo de expor a tecnologia de seus produtos aos visitantes, fortalecer as parceiras e...

Medidas preventivas são fundamentais para evitar doenças na hidroponia

A hidroponia é a técnica de cultivar plantas sem solo, onde as raízes recebem uma solução nutritiva balanceada que contém água e todos os...

ICL lança livro “Manejo de Fertirrigação“

O livro aborda uma série de questões comuns ao manejo de fertirrigação que ocorrem rotineiramente são discutidas de forma didática, em linguagem clara e...

Enxertia na produção de mudas de pepino

Camila Queiroz da Silva Sanfim de Sant'Anna Doutoranda em Produção Vegetal - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro agro.camilaqs@gmail.com   O aumento de produção, a redução de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!