17.6 C
Uberlândia
quinta-feira, julho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesItatijuca transforma efluente em fonte renovável de fósforo para o agronegócio

Itatijuca transforma efluente em fonte renovável de fósforo para o agronegócio

Divulgação

Buscar alternativas inovadoras e sustentáveis para a recuperação de fósforo dos efluentes das estações de tratamento de esgoto foi o impulso inicial para a Empresa Itatijuca Biotech produzir estruvita, fonte alternativa e renovável de Fósforo, bastante promissora para o agronegócio brasileiro. Esse mineral pode ser utilizado como um fertilizante fosfatado de liberação lenta, devido à baixa solubilidade, e ainda fornecer Nitrogênio (N) e Magnésio (Mg), macronutrientes essenciais para o crescimento e produção vegetal.

A solução nasceu da parceria entre a Itatijuca, que é especializada em microrganismos otimizadores de processos, e um grupo brasileiro de saneamento. Rafael Vasconcellos, Diretor de Agronegócios da Itatijuca, explica que o Fósforo é um nutriente essencial para a agricultura moderna (constituinte do NPK), cujas fontes principais são as rochas fosfáticas, recurso não-renovável e que deve se esgotar no próximo século. “Desenvolver um novo insumo para formulação de fertilizantes de base renovável para o setor agrícola é primordial para garantir competitividade e segurança econômica”, esclarece.

Vasconcellos destaca que cada quilo de Fósforo removido dos efluentes produz aproximadamente oito quilos de estruvita. Segundo ele, como cada estação de esgoto tem uma quantidade de Fósforo diferente, a produção de estruvita deve variar em cada unidade. “Nas estações em que trabalhamos até o momento, podemos estimar uma quantidade de 10 g/m3, o que nos leva à produção de 80g de estruvita/m3. Dependendo da vazão da estação, pode-se chegar a produzir cerca de 800 Kg do mineral por dia”, afirma.

Importante destacar que apesar do uso da estruvita em outros países, ainda não existe um fornecedor dessa matéria-prima para a agricultura brasileira, o que torna o projeto pioneiro. Por ser um produto novo no mercado nacional, um estudo regulatório se faz necessário para posicionar esse material como insumo agrícola.

Neste sentido, um estudo recente, conduzido por pesquisadores da Embrapa Instrumentação (SP), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) e o instituto alemão Forschungszentrum Jülich, apontou que o uso de fertilizante contendo o mineral estruvita possibilita maior desenvolvimento vegetativo, maior presença de raízes mais finas e distribuição mais homogênea das raízes em todo o volume do substrato.

Benefícios para o meio ambiente

Na etapa inicial, foram conduzidos testes de laboratório para a prova de conceito da ideia desenvolvida pela equipe da Itatijuca. Após essa etapa de validação da tecnologia, foi desenvolvida uma unidade móvel de produção de estruvita para os testes de ampliação de escala e de processo do sistema.

Os testes iniciais foram conduzidos em Estação de Tratamento de Esgoto de Atibaia, no interior de São Paulo. Atualmente, a unidade móvel será levada para uma nova estação onde o sistema será automatizado e colocado para operação em um sistema contínuo de tratamento para completar a coleta de dados de engenharia e validação econômica do processo.

Divulgação

Além de gerar uma solução sustentável para o agronegócio brasileiro, a produção de estruvita proporcionará ainda uma economia significativa no tratamento atual de fósforo, uma vez que o cloreto férrico será substituído pelo óxido de magnésio para reter o fósforo presente nos efluentes.

A remoção de fósforo do efluente das estações de tratamento de esgoto reduzirá os riscos de eutrofização, que ocorre principalmente pelo excesso desse elemento nas águas fluviais. A eutrofização dos leitos de águas provoca grandes danos ao ambiente, ao estimular o crescimento de algas e cianobactérias prejudiciais à saúde, redução de oxigênio disponível e consequentemente a morte de parte da fauna aquática.

Além disso, essa tecnologia permitirá remover fósforo de efluentes de outros processos industriais, como de mineradoras, indústrias de arroz, suinocultura, entre outros.

ARTIGOS RELACIONADOS

Essere Group é a nova holding do agro

Composto por quatro unidades de negócios, Bionat Agro, Floema, Kimberlit Agrociências e ...

Manejo contra resistência de pragas

O cultivo de grãos é um dos setores mais importantes da economia brasileira.

Agronegócio precisa comprovar produção livre de desmatamento

Índice inédito avalia propensão de conformidade da produção agrícola nacional à legislação europeia que determina importações com desmatamento zero.

A transformação digital avança no agronegócio

Referência no meio científico, Embrapa avança com iniciativas para melhoria dos processos, governanças e otimização dos sistemas de informação

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!