24.6 C
Uberlândia
sábado, abril 13, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesLaboratório faz sequenciamento genético da gripe aviária

Laboratório faz sequenciamento genético da gripe aviária

Unidade, localizada em Campinas (SP), recebe e analisa amostras de aves suspeitas de contaminação do vírus H5N1

Para conter o avanço da influenza aviária, no Brasil, auditores fiscais federais agropecuários atuam na identificação, no diagnóstico e no sequenciamento genético do vírus H5N1 no Laboratório Federal de Defesa Agropecuária (LFDA), em Campinas (SP), ligado ao Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa). De acordo com a Organização Mundial de Saúde Animal, a unidade é referência no diagnóstico da doença, na América do Sul.

O trabalho consiste inicialmente na coleta de amostras em aves suspeitas de terem contraído a doença, em qualquer região do país. “O procedimento é realizado por fiscais estaduais agropecuários que vão verificar se as aves estão com sintomas comuns da H5N1, como pescoço torto, se estão cambaleando, com dificuldade respiratória, e, em seguida, coletar amostras do sistema nervoso, digestivo e respiratório do animal para enviar ao laboratório de referência, que é o de Campinas”, explica a auditora agropecuária Dilmara Reischak, responsável pela unidade de diagnóstico e identificação genética animal do LFDA-SP.
 

No LFDA, o material passa por análises de PCR em tempo real, procedimento que detecta o RNA do vírus. Após confirmar a presença de H5N1, os auditores federais agropecuários iniciam o sequenciamento genético. “É nessa fase que a gente consegue identificar se o vírus que está circulando naquela região do país onde foi coletada a amostra é de alta ou baixa patogenicidade”, afirma a médica veterinária.
 

O vírus de alta patogenicidade, segundo a especialista, é aquele que tem potencial de causar alta mortalidade em aves e grandes prejuízos socioeconômicos. Por isso, os órgãos de defesa agropecuária precisam definir rapidamente ações para coibir a disseminação da doença. Já o de baixa patogenicidade precisa ser monitorado, pois pode sofrer mutações e se transformar num vírus de alta patogenicidade.
 

Migração do vírus

O primeiro caso confirmado de gripe aviária no país ocorreu em maio deste ano, no Espírito Santo, em ave silvestre. Até esta sexta-feira (13), cerca de 1,5 mil casos foram investigados, sendo que em 328 houve a necessidade de coleta de amostras para testes laboratoriais. Dessas amostras, 63 apresentaram resultado positivo para vírus da influenza aviária de alta patogenicidade. Outros 6 casos estão em análise. O Mapa conta com um painel on-line que atualiza em tempo real os números. (Acesse aqui)
 

Segundo Reischak, a chegada da gripe aviária já era esperada no Brasil. “Nós já tínhamos certeza de que o vírus entraria no país, pois começaram a ter ocorrências em países próximos, como a Colômbia. Então, já vínhamos nos preparando para isso”, conta a auditora.
 

A médica veterinária, que desde 2002 atua na unidade, explicou que o vírus H5N1 se hospeda naturalmente em aves silvestres migratórias, como aves costeiras. Uma das explicações para a introdução da patologia no Brasil é que as aves saem do inverno no hemisfério norte para aproveitar o verão no hemisfério sul, onde se reproduzem. Antes de chegar na Colômbia, focos da doença já haviam sido detectados na América do Norte e Central. “O vírus foi ‘descendo’, junto com as aves migratórias, até chegar aqui, no Brasil. O problema maior é a disseminação dele dentro do território nacional e uma eventual entrada em granjas comerciais”, alerta Reischak.
 

Dos 63 casos confirmados, 62 foram verificados em aves silvestres e um em ave de subsistência. “Já identificamos a presença do vírus em aves como gavião-preto e carcará, por exemplo, que são animais que se alimentam da carcaça de outras aves. “O objetivo agora é manter a vigilância, detectar novos casos com rapidez e, na medida do possível, conter o avanço da doença”, ressalta a auditora. Segundo a especialista, qualquer pessoa que observe um comportamento estranho em aves deve acionar a unidade veterinária local ou o órgão de defesa agropecuária estadual.
 

Defesa agropecuária

O trabalho dos auditores fiscais federais agropecuários, em conjunto com o setor produtivo e a carreira fiscal estadual, tem mantido o controle da influenza aviária no país. Além do diagnóstico e do sequenciamento genético em laboratório, existe a atuação nas agroindústrias, principalmente na prevenção da entrada do vírus em granjas comerciais. Até o momento, não há confirmação de casos da patologia na produção comercial.
 

Para o presidente do Anffa Sindical, Janus Pablo Macedo, a defesa agropecuária é de extrema importância para a manutenção do agronegócio brasileiro. “Sem o trabalho da defesa agropecuária, poderíamos ter inúmeros prejuízos socioeconômicos. Temos uma grande contribuição na barreira zoossanitária do país, evitando a introdução de doenças e pragas em nosso território”, afirma Macedo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Gripe aviária: alerta sério, mas sem impacto na produção

Brasil continua sendo considerado território livre de influenza aviária; FAESP orienta que os produtores devem redobrar atenção

Sequenciamento genômico do maracujazeiro: impactos esperados na produção

O artigo da Campo & Negócios destrincha todas as informações sobre o sequenciamento genético no maracujá.

O surto de gripe aviária no Paraná

O surto de Gripe Aviária no Paraná traz desafios para a indústria avícola e ressalta a importância da biossegurança.

Novo laboratório de biossoluções da Tradecorp

Tradecorp investe mais de U$ 1 milhão em seu primeiro Centro Global de Pesquisa e Inovação em Biosoluções fora da Europa e escolhe o Brasil, como demonstração da força do agronegócio brasileiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!