19.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiLMV - Pior virose das folhosas

LMV – Pior virose das folhosas

Marina Guimarães Pacifico

Engenheira agrônoma, mestre em Fitopatologia e doutoranda em Proteção de Plantas (UNESP Botucatu)

ma_pacifico1@hotmail.com

Crédito Marina Guimarães
Crédito Marina Guimarães

O LMV (Lettucemosaicvirus) está disseminado por todo o mundo. O vírus possui ampla gama de hospedeiros, infectando 121 espécies vegetais. A maioria das espécies hospedeiras encontra-se na família Asteraceae, à qual pertence a alface, sendo que a presença das plantas daninhas pode favorecer o surgimento de sintomas do LMV por serem hospedeiras do vírus, e a prática de plantios consecutivos pode influenciar o aparecimento da virose.

Além disso, fatores climáticos, como a temperatura, são fator significante no desenvolvimento do afídeo (inseto vetor do LMV), sendo influenciado por temperaturas amenas (20-22°C). O período de maiores revoadas desse pulgão é de abril a setembro, com picos no mês de maio.

O sintoma principal é o mosaico, acompanhado de nanismo e de deformação e redução da área foliar. Assim, o desenvolvimento da planta é prejudicado, com produção de plantas pequenas, amareladas e fora do padrão comercial. Porém, quando ocorre infecção tardia, os sintomas podem ser mosaico leve e normalmente visível nas folhas novas.

O vírus, quando transmitido por semente, pode possuir uma taxa de transmissão de aproximadamente 16%. O LMV é disseminado a longas distâncias por meio do intercâmbio de sementes infectadas. Perdas de até 100% podem ocorrer caso sejam utilizadas sementes infectadas e altas concentrações de pulgões estiverem presentes no campo.

Manejo preventivo

As recomendações para o manejo preventivo contra a LMV na produção de alface são:

â–º Plantar cultivares que apresentem resistência ao LMV,usar sementes livres de vírus, certificadas e adquiridas de empresas idôneas;

â–º Plantar mudas de boa qualidade, protegidas de pulgões por tela antiafídeo. A malha do telado impede a passagem de insetos para a cultura no interior da estufa, resultando em boa proteção das plantas aos insetos;

â–º Não cultivar ao lado de campos com alta incidência do LMV;

â–º Eliminação de reservatórios naturais do vírus (como plantas daninhas hospedeiras e plantas de alface abandonadas). As plantas daninhas hospedeiras serão fonte de inóculo da virose. Os cultivos de alface devem ser livres o quanto possível de vegetação espontânea ou de outras culturas que possam servir como fonte do vírus ou do vetor. Além de manter a cultura no limpo, sem ervas daninhas hospedeiras dos insetos vetores e viroses, a eliminação das plantas atacadas também se faz importante;

â–º Leve as mudas protegidas com inseticida para o campo (vacinação). Pouco antes do transplante faça uma boa pulverização com um inseticida para retardar o início da colonização pelos pulgões;

â–º Evitar que a própria alface ou outros matos sirvam de criadouro de pulgões. Após a colheita, destrua imediatamente todos os restos de cultura. Com uma rotativa incorpore tudo no solo e mantenha o canteiro livre de plantas daninhas até o próximo plantio.

â–º O controle químico com inseticidas não é tão efetivo na prevenção do LMV. O LMV é transmitido de forma não persistente por pulgão. O inseto-vetor pode transmitir o vírus rapidamente (em poucos segundos) por meio da picada de prova. Neste caso, os inseticidas recomendados não são suficientemente rápidos para matar os vetores antes da inoculação dos vírus. E em certos casos, podem até aumentar a incidência dos vírus por eles transmitidos, em consequência da excitação causada pelos inseticidas durante as picadas de prova. Assim, o uso somente de inseticida não tem tido efeito na redução da incidência desse vírus.

Dessa maneira, o uso de uma ou mais medidas, isoladamente, não é suficiente para promover o controle da doença com valor prático. Deve-se realizar o manejo integrado, com a utilização de todas as técnicas disponíveis ao agricultor. Lembrando que não há medidas curativas para salvar as plantas já infectadas com a virose.

Essa matéria você encontra na edição de Agosto 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Revolução das sementes de soja

  Francisco Soares Neto Diretor-presidente da TMG A sojicultura é hoje, no Brasil, a atividade com o maior giro financeiro em toda a cadeia do agronegócio....

Tipos de colheita florestal

Gustavo Pereira Castro Engenheiroflorestal e consultor de colheita e estradas florestais da Malinovski gustavo@malinovski.com.br De acordo com os números mais recentes divulgados pela Ibá (2016), a área...

Sarna da macieira exige atenção do produtor

Givago Coutinho Engenheiro agrônomo e doutor em Fruticultura givago_agro@hotmail.com Herick Fernando de Jesus Silva Engenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia/UFU herickfernando@gmail.com   Dentre as fruteiras de clima temperado, a macieira...

Importância do magnésio e boro na produtividade e no ATR da cana

No Centro-Sul do Brasil, a colheita da cana terá início a partir de março de 2019. A produtividade da cana será reflexo das práticas culturais e influenciada fortemente pelas condições climáticas – regime pluviométrico e temperatura.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!