24.9 C
Uberlândia
sexta-feira, abril 12, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosMancha branca no milho: causas e controle

Mancha branca no milho: causas e controle

Foto: Jayne da Veiga

Jayne Deboni da Veiga
jaynedeboniveiga73@gmail.com
Marcos Lenz
marcoslenz0123@gmail.com
Graduandos em Agronomia – Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)
Moacir Mumbach
Engenheiro agrônomo – UFFS, campus Cerro Largo
moacirmumbach@hotmail.com

O milho (Zea mays L.) é um importante cereal cultivado em grande parte do mundo, sendo utilizado principalmente na alimentação humana e animal. Apresenta-se suscetível a diversas doenças que afetam os colmos, folhas e espigas.

Dentre as principais, pode ser dado destaque para a mancha branca, que pode ser ocasionada por diversos agentes etiológicos, mas os principais são a bactéria Pantoea ananatis e o fungo Phaeosphaeria maydis.

A doença tem capacidade de causar redução na produtividade em até 60%, quando implantados híbridos suscetíveis ao patógeno. O cultivo do milho safrinha é acometido com mais severidade devido às condições climáticas se apresentarem propícias a infecções.

Os patógenos encontram-se presentes em praticamente todas as regiões produtoras de milho na América do Sul e Central, Ásia e África, necessitando de medidas de controle.

Severidade

Estudos demonstram que o aumento da incidência e da severidade do patógeno é favorecido pela realização da semeadura tardia, ausência de rotação de culturas, restos culturais, cultivo do milho safrinha e uso da irrigação, onde os esporos e bactérias são disseminados via gotículas de água.

De maneira geral, a sucessão de culturas no sistema plantio direto favorece a doença, pois o fungo é necrotrófico, sendo capaz de sobreviver nos restos culturais e plantas hospedeiras.

Quando o patógeno causador da doença é o fungo Phaeosphaeria maydis, na superfície das folhas são produzidos peritécios esféricos com ascos hialinos. No entanto, outros fungos e bactérias podem ser os causadores dos sintomas, os quais são disseminados por ação do vento e respingos de gotas da chuva.

Condições ambientais com temperaturas amenas, em torno de 15 a 20ºC, e umidade relativa do ar superior a 60% são ideais para o seu desenvolvimento. Estas condições são comumente encontradas no período de março a maio na região sul do Brasil, principalmente em Santa Catarina.

Alerta

Como a bactéria P. ananatis é considerada saprófita, ela garante sua sobrevivência em restos culturais de culturas anteriores. Além disso, os fungos associados a ela, por serem necrotróficos, também sobrevivem em plantas já mortas, o que garante a fonte de inóculo inicial da doença para as próximas safras.

Com isso, o plantio direto sem a realização da rotação de culturas é capaz de favorecer a doença, aumentando a fonte de inóculo.

Sintomas

Foto: Jayne da Veiga

A doença ocorre em fases, inicialmente com manchas aquosas, que se tornam necróticas, acinzentadas e após, pardas claras. Na fase inicial ocorre o aparecimento de manchas de coloração verde escura, com aspecto encharcado, caracterizando o sintoma típico de anasarca.

Após, as lesões se tornam necróticas, com coloração palha medindo em torno de 0,3 a 1,0 cm de diâmetro nas folhas do baixeiro, nas pontas das folhas. À medida que a doença avança, as folhas superiores também começam a apresentar sintomas, além do avanço das lesões para o restante da folha, formando manchas necróticas.

No centro dessas lesões, em condições favoráveis é possível observar a formação de estruturas fúngicas (peritécios e picnídios), quando a doença tem origem fúngica. Já quando possui origem bacteriana, não ocorre a presença de sinais.

A infecção pode ocorrer em todas as fases da cultura, sendo alarmante em plantas jovens que possuem 40 dias, devido a sua capacidade de acometer toda a planta. Os sintomas apresentam-se mais severos na fase reprodutiva, principalmente após o pendoamento, período em que a planta se encontra mais suscetível.

As lesões acarretam no encurtamento do ciclo da cultura e na seca antecipada das folhas, o que resulta na diminuição da área fotossintética e, consequentemente, prejudica a translocação de fotoassimilados, que seriam utilizados no enchimento dos grãos.

Controle

O controle do patógeno é essencial para manter os níveis de produtividade elevados na lavoura. Diante disso, os controles genético, cultural e químico mostram-se eficazes.

O mais usado é o controle químico, sendo mais aplicados os fungicidas do grupo das estrobilurinas. No entanto, quando a doença possui origem bacteriana, seu controle é controverso.

Alguns estudos demonstraram que em condições de aplicação de fungicidas e bactericidas de forma preventiva e combinada, foram capazes de reduzir significativamente a severidade da doença.

Por exemplo, a aplicação de trifloxistrobina + protioconazol reduziu a severidade em praticamente 20%, quando comparada à testemunha sem aplicação de fungicida. Além disso, aumentou a produtividade em duas toneladas por hectare.

Ainda, a combinação de piraclostrobina + epoxiconazole e piraclostrobina + epoxiconazol + fluconazol em condições específicas demonstraram reduções satisfatórias dos danos.

Prevenção ainda é o melhor caminho

A melhor forma de controle é tentar evitar a entrada da doença nas áreas de cultivo. No entanto, a adoção do controle cultural, após a entrada da doença na lavoura, é considerada a forma de controle mais viável e eficiente.

Dentre elas, destaca-se a utilização de híbridos de milho resistentes ou tolerantes ao complexo de doenças da mancha-branca, BRS 1010, BRS 1030 e BRS 1035, desenvolvidas pela Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) são comumente utilizadas com esse objetivo.

A antecipação da semeadura mostra-se eficiente na redução da severidade da doença, de forma que a fase da cultura com maior suscetibilidade à doença, fase reprodutiva, principalmente após o pendoamento (VT), não coincida com as condições climáticas ideais para o desenvolvimento do fungo. A época da semeadura é ajustada conforme a região produtora.

Nutrição x doenças

A nutrição das plantas afeta diretamente a incidência e severidade de diversas doenças, e no caso da mancha-branca não é diferente. Quando a planta é submetida à deficiência nutricional, sua capacidade de tolerância a doenças é prejudicada.

Além disso, facilita a entrada do patógeno, pois ocorre a redução da resistência fisiológica exercida durante a infecção. Outra forma de controle considerada indispensável é a rotação de culturas com plantas não suscetíveis à doença, dentre elas girassol, sorgo e soja.

Complexidade

Devido à quantidade de patógenos causadores, esta é considerada uma doença complexa. É essencial ficar atento aos sinais e sintomas presentes na lavoura, devido à rápida disseminação e desenvolvimento.

A sobrevivência em hospedeiros vivos e nos restos culturais é alarmante, sendo considerado um ponto de atenção aos agricultores. Dessa forma, a adoção conjunta de medidas de controle mostra-se a opção mais eficaz, tal qual acaba minimizando os danos econômicos ocasionados.

ARTIGOS RELACIONADOS

Como escolher o híbrido ideal de milho safrinha

O híbrido ideal para safrinha deve ser aquele que consiga suportar as adversidades encontradas ...

Industrialização do milho pode ampliar em até três vezes o valor agregado do grão

Organizada pela Unem e DATAGRO, primeira Conferência Internacional sobre Etanol de Milho, em Cuiabá, discute oportunidades para o mercado com a transição energética

Congresso Nacional de Milho e Sorgo: enfezamentos, fertilizantes e cenário futuro de commodities na mira de especialistas

Temas de impacto para o agronegócio serão alguns dos assuntos do XXXIII Congresso Nacional de Milho e Sorgo, que acontece de 12 a 15 de setembro.

Cenário de plantas daninhas

O cultivo de milho no Centro-Oeste do Brasil ocorre, predominante, após o cultivo da soja precoce, no período da safrinha.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!