23.7 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 29, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiManejo nutricional da batata-doce

Manejo nutricional da batata-doce

Carla Verônica Corrêa

Engenheira agrônoma, doutoranda em Horticultura na área de Fisiologia Vegetal, UNESP/Botucatu

cvcorrea1509@gmail.com

Utilizada em uma infinidade de receitas, de saladas a sopas, a batata-doce já conquistou espaço na gastronomia graças a sua grande versatilidade. Além disso, a hortaliça tem sido sucesso entre os atletas, que a adotaram como uma aliada na obtenção de energia. A boa demanda se traduz nos números do mercado atacadista da Ceasa Minas: entre 2010 e 2015, o volume ofertado aumentou 70%, acompanhado de uma valorização de 21% no preço médio.

Neste mesmo período, o volume de batata-doce passou de 12,9 mil toneladas para 21,9 mil toneladas no atacado do entreposto de Contagem. Ainda assim, o preço seguiu firme, aumentando de R$ 1,33/kg, para R$ 1,61/kg.

Nutrição

O fósforo, potássio, nitrogênio e cálcio são os nutrientes exigidos em maiores quantidades pela cultura de batata-doce. O cálcio deve ser fornecido por meio da calagem, procurando elevar a saturação por base a 60%. Aconselha-se a aplicação de calcário dolomítico para que também ocorra o fornecimento de magnésio.

O fósforo, potássio e nitrogênio são aplicados na adubação de plantio em formulações de NPK. Dentre os micronutrientes destacam-se o manganês, o boro e o zinco.

 Foto 02 -

Na falta deles

Os prejuízos dados pelo desequilíbrio nutricional da batata-doce são a formação de menor número de raízes comerciais, além de redução do peso por raiz. Consequentemente, há menor produtividade por área, o que reduz a rentabilidade por hectare. Como exemplo, a deficiência de potássio resulta em raízes finas e a deficiência de boro acarreta raízes curtas, grossas e com formação de bolhas na superfície, não havendo aceitação no mercado.

O nitrogênio, cálcio, fósforo, magnésio, enxofre, manganês, ferro e zinco causam redução no desenvolvimento da parte aérea. Como há redução da parte aérea, também se reduz a fotossíntese, e assim a formação de raízes fica comprometida, pois as raízes tuberosas são órgãos armazenadores de carboidratos resultantes da fotossíntese.

Dosagem recomendada

Dependendo da fertilidade do solo, verificada a partir da análise química desse solo, as recomendações de adubações podem variar de 60 a 100 kg ha-1 de P2O5; 60 a 120 kg ha-1 de K2O; 20 kg ha-1 de N; 10 kg ha-1 de S e de 01 a 02 kg ha-1 de B.

Na adubação de cobertura as recomendações são de 20 kg ha-1 de N aplicados entre 30 e 40 dias após o plantio das ramas. Nesse período ainda é possível deslocar na cultura, pois não houve o fechamento da área pelas ramas.

Em caso de solos arenosos, sugere-se aplicar apenas 50% da dose de potássio recomendada no plantio e os outros 50% em cobertura, aproveitando a aplicação de N. Isso porque em solos arenosos ocorrem perdas consideráveis de potássio por meio da lixiviação.

Quando a aplicação deve acontecer

A calagem deve ser realizada em torno de um mês antes do plantio das ramas, para que ocorra a correção da acidez do solo. A adubação de plantio pode ser realizada quinze dias antes do plantio das ramas para que não ocorra a queima da base das ramas.

Já a adubação de cobertura é recomendada entre 30 e 40 dias após o plantio das ramas, pois após esse período o manejo da adubação torna-se difícil devido ao fechamento da área pelas ramas da batata-doce.

Demanda nutricional

A duração do crescimento da cultura de batata-doce varia de acordo com as cultivares e as condições ambientais. No entanto, a formação da raiz tuberosa pode começar com quatro semanas após o plantio.

Condições favoráveis, como água, nutrientes e condições climáticas são de extrema importância no primeiro mês após o plantio, pois em torno de 80% das raízes tuberosas são formadas neste período. Além disso, dependendo da cultivar, entre oito a 12 semanas após o plantio das ramas a planta deixa de formar novas raízes tuberosas.

Depois deste período, toda a energia é direcionada para o engrossamento (acúmulo de carboidratos) das raízes tuberosas, que são o produto de interesse comercial. O crescimento da planta normalmente alcança o máximo na metade para a fase final do ciclo.

Nessa fase, a parte aérea é bastante vigorosa sendo que, após este período, a densidade foliar diminui, pois a planta passa a translocar suas reservas (carboidratos) para as raízes tuberosas.

Essa matéria você encontra na edição de dezembro 2016  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Fertilizantes especiais: Tecnologia para altas produtividades

Autores Miguel Henrique Rosa Franco Doutor em Agronomia – Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Reginaldo de Camargo Professor de Gestão Ambiental na Agricultura -...

Armadilha caseira para broca do café

A broca é um das principais pragas da cafeicultura. Ataca os frutos ainda na fase de chumbinho e causa perda de peso e qualidade...

Heveicultura – Nutrição inteligente auxilia no desenvolvimento das mudas

O primeiro passo para o sucesso de qualquer empreendimento florestal e agrícola é a utilização de mudas vigorosas e de alta qualidade. Estes materiais, quando associados à execução de práticas adequadas de manejo no campo, proporcionam a obtenção de bons rendimentos.

Buva e capim-amargoso podem ser resistentes a herbicidas?

Autores Juliano Bortoluzzi Lorenzetti Maikon Tiago Yamada Danilussi Engenheiros agrônomos, mestres e pesquisadores do Grupo Supra Pesquisa e Universidade Federal do Paraná A...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!