29.4 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesMulheres da Região do Cerrado Mineiro fazem a diferença na cafeicultura

Mulheres da Região do Cerrado Mineiro fazem a diferença na cafeicultura

Embaixadoras da RCM se destacam com histórias inspiradoras

O Brasil segue na liderança do ranking como o maior exportador e produtor de café do mundo. No ano passado, a produção fechou a safra com um volume de 50,92 milhões de sacas de café beneficiado, 6,7% acima do registrado em 2021. E a participação das mulheres tem sido fundamental para este resultado positivo.

O último Censo Agropecuário realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que elas estão no comando de 40 mil estabelecimentos ligados ao plantio e colheita do café. Em um ambiente considerado masculino, elas têm se destacado cada vez mais na liderança, inovação e sustentabilidade, assumindo o protagonismo da produção e dos negócios, desde o plantio até a venda do produto.

Exemplos de sucesso da mulher na cafeicultura podem ser vistos na Região do Cerrado Mineiro, que no ano passado atingiu a marca de 1 milhão de sacas comercializadas com o Selo de Denominação de Origem. A área abrange 55 municípios no Alto Paranaíba, Triângulo Mineiro e noroeste de Minas.

Inspiração

Ana Cecília Veloso Branco
Divulgação

Nesta região, três cafeicultoras se destacam no comando das propriedades e também como Embaixadoras da Região do Cerrado Mineiro. Histórias diferentes que se conectam a uma paixão em comum: o café. Com seu trabalho, elas expressam o respeito e o cuidado com a Região e seguem inspirando e motivando outras pessoas a crescerem por meio de sua própria trajetória na cafeicultura. 

Vinda de família de produtores, Ana Cecília Veloso Branco, proprietária da fazenda São Luiz, em Carmo do Paranaíba, é uma delas. Ela conta que até 2013 não havia despertado sobre o universo de possibilidades que o café poderia lhe proporcionar. Tudo mudou quando assumiu o desafio de uma sucessão familiar. Atualmente, Ana Cecília participa ativamente dos negócios. Para ela, a compreensão da importância da Denominação de Origem e da marca Região do Cerrado Mineiro fez com que a evolução da propriedade mudasse de patamar. “Ser mulher e cafeicultora na região é sinônimo de apoio, evolução e crescimento conjunto”, acrescenta. 

Outra cafeicultora que percorreu caminhos diversos até se render à paixão pela produção do café foi Juliana Rezende. Farmacêutica de formação, seguiu na profissão até que começou a auxiliar o marido cafeicultor. Foi, então, que trocou o jaleco pelo campo. Assumiu um novo papel na Fazenda Santa Bárbara, em Monte Carmelo, investindo em uma produção sustentável. Em 2021, foi vencedora do troféu Ético e Rastreável, promovido pela Federação dos Cafeicultores do Cerrado Mineiro. Como mulher e produtora, ela destaca que o apoio à classe tem despontado nas propriedades. “As mulheres sempre estiveram no setor, a diferença é que agora possuem mais força, voz e posicionamento, buscam qualidade e tem papel mais amplo na gestão das fazendas”, destaca.

A história de Lucimar Silva com a cafeicultura começou mais cedo. Diretora agrícola da Auma Agronegócios, em Patos de Minas, ela conta que iniciou ao lado da mãe, aos 14 anos, na colheita e ressalta a importância de aliar produtividade à sustentabilidade. “O novo modelo de consumo não busca apenas o produto e seus atributos, mas sim toda a responsabilidade social e ambiental fundamentada pelo pilar econômico”, afirma.    

A história destas três produtoras e de tantas outras espalhadas pelo país é a prova de que a cafeicultura baseada na gestão da propriedade com foco na sustentabilidade, independentemente do gênero, é o caminho certo para o sucesso do café brasileiro.

ARTIGOS RELACIONADOS

Mês da Mulher: o lugar delas é no agronegócio brasileiro

O setor emprega mais de 10 milhões de pessoas e a participação feminina cresce a cada ano.

Mais rendimento e pungência da cebola com Enxofre

Autor Claudinei Kurtz Engenheiro agrônomo, doutor em Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas e pesquisador da Epagri/Estação Experimental de Ituporanga kurtz@epagri.sc.gov.br O enxofre...

Tomate Compack possui elevado potencial produtivo

A área total do mercado de tomate de mesa no estado de São Paulo corresponde a aproximadamente 3.500 ha. Desse valor, 2.100 ha são de tomate...

Espírito Santo: Clima interfere no resultado

Com a consolidação da safra 2019 de café no Estado, houve a confirmação da produção de aproximadamente 13,5 milhões de sacas, sendo cerca de 3 milhões de sacas com o café arábica e 10,5 milhões de sacas com o café conilon

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!