25.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosNa secagem o café renasce como uma Fênix revelando sabores e aromas...

Na secagem o café renasce como uma Fênix revelando sabores e aromas admiráveis

Crédito DepositPhotos

*Por Guilherme Amado

A secagem é um dos processos mais importantes na produção de café. Toda etapa é essencial e requer diversos cuidados, mas essa, em específico, precisa de atenção e reconhecimento do trabalho a ser empenhado.

Uma metáfora interessante que podemos estabelecer é ver o café com uma Fênix, pois, na sobrevida, ambos se transformam em algo admirável, que no caso do café se manifesta em sabores e aromas revelados. Para ter esse resultado magnífico, é preciso levar em consideração o cuidado com a semente, tratá-la de maneira afetiva, com um olhar delicado, para que não tenha nenhum dano à membrana celular do grão ou a aceleração dos estágios para ganho de eficiência. Essa celeridade pode comprometer a qualidade do produto.

Para começar essa conversa, é preciso entender em qual momento realizamos a colheita. Dentro da Nespresso, consideramos a hora certa quando ao menos 95% dos frutos estão maduros. Além disso, existem cultivares de café com maturação precoce, média e tardia — que devem ser consideradas dentro do planejamento agrícola. Posterior a isso, inicia-se a contagem do relógio para a pós-colheita do café, ou, como costumamos dizer, a secagem.

Muitas vezes, as fazendas não observam a estrutura para esse procedimento, se tornando, na maioria dos casos, o gargalo das operações. Por exemplo, se eu quero produzir 100 sacas de café, eu preciso ter uma estrutura condizente para realizar a secagem dessa quantia de forma adequada. Então, fica claro uma vez mais que tudo começa no planejamento.

Podemos considerar que uma das questões primordiais para esse estágio é realizar um processo de secagem de maneira lenta e contínua. Isso garante que a umidade seja retirada de dentro para fora da semente, que no fruto maduro tem de 60 a 70%. Seguir esse procedimento completo é importante para anular a possiblidade do grão se tornar um novo pé de café, afinal, estamos falando um embrião vivo.

É importante destacar que a secagem possui dois estágios principais. O primeiro, citado anteriormente, deixando a semente com até 30% de umidade e o segundo momento é o que nós chamamos de período de meia seca. A partir deste ponto, o café não pode mais umedecer. Se isso ocorrer, perdemos o grão, pois se inicia uma fermentação negativa, que apodrece a semente e o embrião. Compreendido isso, agora podemos pautar o processo em si.

TÉCNICAS DE SECAGEM

Há diversas maneiras nas quais podemos efetivar esse procedimento. Uma das mais conhecidas é a secagem natural ao Sol por meio dos terreiros, ou pátios de secagem, tendo como melhor material o concreto. Essa técnica garante que ocorra a absorção parcial da umidade da semente, tendo em vista a importância em realizar um trabalho que gere o mínimo de atrito possível. Sabemos que esse momento na produção de café exige movimentações, mas isso precisa ser feito com todo cuidado para não danificar o grão. Além disso, nesse método, a céu aberto, existe o risco de chuva. Por isso, é essencial ter atenção total às questões climáticas e estabelecer um plano de ação com responsáveis garantindo uma atenção plena ao processo.

Outra técnica que pode ser utilizada no pós-colheita é o terreiro suspenso, que são estruturas feitas com sombrite que acomodam o café em cima. Como todo sistema, há aspectos positivos e negativos que precisam de atenção. Na secagem suspensa não existe a troca de umidade entre a semente e o chão, isso pode fazer com que o processo demore um pouco mais. Outro ponto que merece atenção nessa técnica é o manejo. No terreiro de chão é mais fácil de realizar o manuseio com a utilização de rodos, já no terreiro suspenso esse procedimento é feito manualmente.

Ainda falando sobre secagem suspensa, o manejo manual possibilita que tratemos o café da maneira que deve ser tratado, como alimento, com todo o cuidado necessário, e isso é positivo. Porém, dentro da ampla demanda que temos pelo produto, na Nespresso, por exemplo, é impossível a quantidade de terreiros suspensos para secar os cafés, então essa técnica é utilizada, na maioria das vezes, em micro lotes ou cafés de concurso.

Uma terceira metodologia é a estrutura do terreiro de concreto coberto, que seria algo semelhante a uma estufa. Nessa técnica utilizamos um plástico que cobre todo terreiro, incluindo as laterais. Isso possibilita que a estrutura seja aberta de acordo com a necessidade. Um dos diversos benefícios dessa modalidade é a não exposição ao risco climático. Assim como a secagem suspensa, esse processo é muito custoso e por isso há uma limitação de investimento, consequentemente sendo utilizada também para micro-lotes ou cafés de concurso.

Com esses processos relatados, podemos concluir que há dois fatores essenciais para a secagem do café: o tempo e a temperatura. Em relação ao tempo, é possível dizer que há uma variação entre uma semana e 30 dias e, como vimos, existem diversos fatores que interferem nesse processo, se há sol ou não, além de outras condições. É essencial termos a visibilidade de que cada uma dessas interferências impacta diretamente na qualidade do produto.

Como sabemos que nem todos os dias são ensolarados, a instabilidade do clima é preocupante, mas, para isso, existe uma alternativa que é a secagem mecânica, com secadores rotativos que utilizam como combustível madeira ou, até mesmo, o gás. Independente do processo, a temperatura de secagem, principalmente na meia seca, não pode ultrapassar 40ºC, e a secagem mecânica é utilizada, principalmente, nesse estágio.

Normalmente, na meia seca, os produtores intercalam a secagem entre os terreiros e o processo mecânico, de oito em oito horas, isso possibilita controlar o momento crítico que representa. Essa técnica ajuda realizar a homogeneização dos níveis de umidade entre todas as sementes, comumente chamado do descanso do café.

Depois que o café entra no estágio final, com nível de umidade entre 12 e 13%, o último procedimento de secagem é feito em um local de armazenagem que chamamos de tulha, que são silos de madeira onde o café descansa por mais 30 dias. Essa é a última exigência para finalizar a secagem. Esse momento de descanso é primordial porque, a partir daí, é possível estabilizar o grau de umidade de todos os lotes. Nesse período, a principal ferramenta é o medidor de umidade, um leitor digital onde colocamos as amostras para obter os resultados necessários. É essencial que o equipamento seja calibrado anualmente para dar o número correto, é com base nisso chegamos ao padrão adequado para o café.

Lembrando que a umidade é um dos principais pontos avaliados na especificação do produto. Se o café tiver uma medida inferior a 11,5%, pode significar que o embrião está morto, resultando em uma possível quebra do grão, ou seja, produto com defeito. Mas não pode ultrapassar 12%, pois se houver uma umidade acima deste percentual há um alto risco de fermentação, criação de mofos ou até mesmo o surgimento de toxinas venenosas.

Para finalizar, é essencial termos em mente que a umidade é um dos principais parâmetros que garantem o tempo de prateleira do café. Normalmente, esse grão bem processado, é denominado como café verde, seria a matéria-prima produzida na fazenda com um tempo de prateleira de 12 meses sem perder a qualidade. As boas práticas de armazenamento precisam controlar a umidade, temperatura e iluminação, garantindo o máximo tempo de exposição.

A secagem é o processo mais importante depois da colheita do café, e realizar um processo de maneira exímia é uma das atividades chaves que as fazendas têm que desempenhar, que começa pelo bom planejamento, implementação de procedimentos de controle de qualidade rígidos e treinamento das pessoas, que são as responsáveis por todo esse trabalho. *Guilherme Amado é Líder de Qualidade Sustentável da Nespresso no Brasil e Havaí.

ARTIGOS RELACIONADOS

Estação de pesquisa ganha novo distribuidor de adubo

A Estação Experimental de Café da Coopercitrus de Araxá, em Minas Gerais, um importante ....

Bayer investe em soluções para nematoides com o lançamento de Verango® Prime

Em pré-lançamento na safra 2020/2021, o produto foi desenvolvido pela companhia para ajudar os agricultores no controle dos principais nematoides das culturas de soja, cana-de-açúcar, café e batata

Feira do Cerrado reúne produtores de café em busca de produtividade e sustentabilidade

A feira Cooxupé espera receber mais de 6 mil visitantes em Monte Carmelo, nos dias 15 e 16 de março.

Safra de arábica no Sul de Minas Gerais pode superar 2023

Os dados são do Radar Agro Mensal, relatório divulgado pela Consultoria Agro do Itaú BBA

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!