No dia do trigo, dólar é negociado acima dos R$ 5,30

O Brasil ainda é dependente do dólar quando tratamos do trigo consumido no país.

0
264
Divulgação

No meio de incertezas em relação fiscal e sem definições da equipe econômica do presidente eleito, Luiz Inácio ‘Lula’ da Silva (PT), o dólar passou a ser negociado acima de R$ 5,30 nesta quinta-feira (10/11). Acontece que hoje também é o Dia do Trigo, produto que depende da cotação da moeda estrangeira. Isso pode significar que o pão francês pode ficar mais caro no final do ano.

A reação vista na moeda é mais um sinal de desconfiança na política fiscal do próximo governo, somado com a falta de um nome para assumir o Ministério da Fazenda. O presidente eleito, Lula, afirmou em coletiva na última quarta-feira (09/11), que ainda não teria um nome certo para os seus ministérios.

Para Fábio Pizzamiglio, diretor da Efficienza, empresa especializada no comércio exterior, o impacto do dólar mais alto será sentido no preço dos pães, mas a produção do trigo pode aumentar no país, para abastecer a demanda externa e interna. “Pudemos observar com outras commodities esse movimento, com o aumento da demanda para exportação, a produção aumenta no país, até mesmo para abastecer o mercado interno. Porém, ainda dependemos de um dólar mais baixo para que os pães não se tornem um vilão na inflação”, explica o executivo.

A safra de 2021 do trigo brasileiro foi histórica e segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o crescimento do setor continuará, com previsão de crescimento de cerca de 22% da produção do cereal. Pizzamiglio explica que esse é um movimento natural, principalmente após o início da Guerra da Ucrânia.

“O conflito na Europa foi um divisor de águas, com menor produção do país europeu, o Brasil conseguiu alcançar novos mercados e ampliar a sua participação internacional”, explicou.

No Índice de Preços no Consumidor (IPCA) de outubro, dentre os principais produtos, derivados do trigo, que observaram uma elevação nos preços está o pão de forma, que registrou um aumento de 26,89%. A partir das métricas do índice, é possível observar que os pães tiveram, historicamente, um aumento superior à inflação, desde o início do Plano Real.

Ontem, a cotação do trigo encerrou o dia em R$ 100,00/Saca, registrando um aumento do preço da commodity. “O mercado externo ainda está aquecido e o valor das commodities no mercado externo torna a exportação um caminho ideal para os produtores brasileiros”, completa Pizzamiglio.

Outro ponto que o executivo destaca é a influência do grupo de Alimentação e Bebidas no no IPCA do último mês, que de forma geral avançou 0,59%. O grupo registrou um crescimento de 0,72%, com  impacto de 0,16 pontos percentuais no índice geral. “A inflação impacta diretamente na cotação da moeda. Isso é visto não apenas com a inflação do Brasil, mas como reflexo da inflação nos Estados Unidos (EUA). Tudo isso contribui para a desvalorização do real”, explica.

O Federal Reserve (FED), o Banco Central dos EUA, subiu os juros como forma de controlar a inflação no país norte-americano. Atualmente os juros estão em um patamar entre 3,75% e 4,00% ao ano. Além disso, a instituição também sinalizou possíveis aumentos futuros na taxa de juros no país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!