28.7 C
Uberlândia
sábado, fevereiro 24, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiNormas técnicas específicas para a produção integrada de tomate tutorado

Normas técnicas específicas para a produção integrada de tomate tutorado

 

Walter Ferreira Becker

Anderson Fernando Wamser

afwamser@epagri.sc.gov.br

Janaína Pereira dos Santos

Janice Valmorbida

janicevalmorbida@epagri.sc.gov.br

Anderson Luiz Feltrim

Leandro Hahn

Fernando Pereira Monteiro

Pesquisadores da Epagri/Estação Experimental de Caçador

Leandro Luiz Marcuzzo

Professor do IFC/Campus Rio do Sul

 

No dia 09 de novembro de 2016 foram aprovadas, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), as Normas Técnicas Específicas (NTEs) para a Produção Integrada de Tomate Tutorado, por meio da Instrução Normativa nº 42.

Complementarmente, foi lançado no dia 06 de setembro de 2017 o livro “Sistema de produção integrada para o tomate tutorado em Santa Catarina“. Estes dois eventos são o resultado final do projeto desenvolvido desde 2004 pela Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) e liderado pela equipe de pesquisadores da Estação Experimental de Caçador (SC).

O objetivo do projeto foi desenvolver e adaptar tecnologias que viabilizassem o Sistema de Produção Integrada de Tomate Tutorado (Sispit), pioneiro e único no Brasil.

IMG_4329

O Sispit é um sistema de cultivo que envolve todas as etapas da produção de tomate tutorado – Crédito Ana Maria Diniz

O que é

O Sispit é um sistema de cultivo que envolve todas as etapas da produção de tomate tutorado e preconiza o uso de boas práticas agrícolas que busquem a conservação dos recursos naturais e a minimização dos efeitos inconvenientes decorrentes da atividade agrícola.

As NTEs do tomate também abrangem todos os processos conduzidos na produção agrícola, do preparo do solo à pós-colheita dos frutos, totalizando dezessete áreas temáticas.

As normas permitem o controle de todo o processo produtivo por parte do produtor, da assistência técnica e da certificadora, possibilitando a implantação da rastreabilidade do produto, tendência crescente no mercado consumidor de tomate.

O uso da rastreabilidade na cadeia produtiva, aliada à aplicação das boas práticas agrícolas previstas nas NTEs e aos novos padrões de exigência do consumidor, podem se tornar um forte aliado do tomaticultor na oferta de um produto diferenciado e com valor agregado.

Espera-se, assim, que estas Normas Técnicas Específicas (NTEs) possam auxiliar os produtores, técnicos e demais integrantes da cadeia produtiva do tomate tutorado em suas atividades como uma alternativa eficaz e sustentável de produção, colocando à disposição do consumidor produtos seguros.

A adesão ao Sispité voluntária e o produtor se compromete a seguir as orientações contidas nas Normas Técnicas Específicas do Tomate Tutorado, transcrever para o Caderno de Campo as ações executadas e permitir a Verificação de Conformidade, de acordo com as auditorias.

O projeto foi apoiado pelo MAPA, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina (Fapesc).

 Crédito SXC
Crédito SXC

Principais recomendações

ðLocal do cultivo: escolha a área respeitando a legislação ambiental. A declividade deve ser inferior a 12%, o local de fácil acesso e com disponibilidade de água. Evite áreas frias, sombreadas e úmidas. Conheça o histórico da área (cultivo nos últimos três anos), evitando aquelas com históricos de solanáceas (tomate, tabaco, batata, pimentão, berinjela, etc.).

O Sispitrecomenda plantio direto sobre a palhada. A época de coletar o solo para análise deve ser feita obedecendo a época de plantio em sua região. Recomenda-se coletar o solo oito meses antes do plantio do tomate.

ðAdubação e fertirrigação: de posse da análise do solo, corrija e adube o solo com base na recomendação oficial. Dê preferência à adubação orgânica compostada. Com teor de fósforo na análise muito baixo e baixo, a adubação fosfatada deverá ser aplicada 50% no plantio da cobertura de inverno e 50% no plantio do tomate.

Quando os teores de P estiverem acima de médio, aplique todo o P no plantio, juntamente com 03 a 05 kg/ha de boro, 10% da necessidade de nitrogênio e 5,0% de potássio. Os adubos de cobertura (90% de N, 95% de K e micronutrientes) podem ser dissolvidos na água de irrigação e aplicados parcialmente, de acordo com a curva de crescimento da planta.

ðIrrigação: dar preferência para a irrigação por gotejamento. Para determinar a quantidade de água aplicada, utilizar dados com base no solo e clima. O equipamento para aferição da umidade do solo é o tensiômetro, que determina o momento da irrigação. A estimativa da evapotranspiração determina a quantidade da água a ser aplicada em cada irrigação.

ðEscolha da cultivar: ao escolher a cultivar, deve-se levar em consideração a aptidão edafoclimática, adequação do fruto ao mercado consumidor, resistência a insetos-pragas, doenças e ao transporte, alta produtividade e sementes de origem idônea.

Estão disponíveis no mercado cultivares dos grupos Santa Cruz, Salada e Saladete de crescimento indeterminado ou semideterminado, com frutos tipo Longa Vida e Extra Firme. Recomenda-se que as mudas sejam adquiridas de produtores especializados e idôneos, com certificação fitossanitária. Identificar cada talhão com a respectiva cultivar, data de plantio e registro no caderno de campo.

ðEspaçamento e tutoramento das plantas: a condução das plantas é preferencialmente no sistema vertical. Os espaçamentos entre sulcos (fileiras) de plantio podem variar de 0,8m a 2,20m e os espaçamentos entre as plantas na fileira de 0,40 a 0,70m.

 Crédito SXC
Crédito SXC

O espaçamento entre fileiras depende, principalmente, do sistema de pulverização que se queira adotar. Caso se use pulverizador, barra vertical ou turbinado, acoplado ao trator, se recomenda fileiras duplas de 0,8 a 1,0m e de 2,0 a 2,2m entre cada conjunto de fileiras duplas.

Deve-se lembrar que é entre cada conjunto de fileiras que passará o trator com o pulverizador para aplicar as caldas com fungicidas e inseticidas. Quando a aplicação dos agrotóxicos é feita com canetas de pulverização acopladas à motobombado trator, então as fileiras podem ficar expostas em linhas individuais espaçadas entre elas de 1,25 a 1,50m.

Essa matéria completa você encontra na edição de novembro 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Batata-doce: Consumo em alta

A batata-doce (Ipomoea batatas (L.) Lam) é uma hortaliça que está em sublime alta, principalmente pelo público fitness e atletas por motivos de seus diversos benefícios à saúde, tanto por suas características nutritivas e funcionais.

Uso de bioestimulantes e ácidos húmicos e fúlvicos na agricultura

  Regina Maria Quintão Lana   Engenheira agrônoma, pós-doutora, professora titular do Instituto de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Uberlândia (UFU) rmqlana@iciag.ufu.br Ana Carolina Pereira de Vasconcelos  ...

Abóbora tetsukabuto: Variedades que têm feito a diferença

Autores Ronaldo Machado Junior Engenheiro agrônomo, mestre em Fitotecnia e doutorando em Genética e Melhoramento – Universidade Federal de Viçosa (UFV) ronaldo.juniior@ufv.br Herika...

Efeito da temperatura e do fotoperíodo no desenvolvimento do mofo preto da cebola

Leandro Luiz Marcuzzo leandro.marcuzzo@ifc.edu.br Jaqueline Cargnin Marques Fitopatologista - Instituto Federal Catarinense - IFC/Campus Rio do Sul Diversas doenças incidem sobre a cultura da cebola, entre elas o...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!