20.6 C
Uberlândia
sábado, maio 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosNutrição da goiabeira em produção

Nutrição da goiabeira em produção

Na produção da goiabeira, uma nutrição balanceada é o que eleva a colheita, garantindo frutos suculentos e saudáveis.

Caio Xavier dos Santos
Engenheiro agrônomo – Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA)

Harleson Sidney Almeida Monteiro
harleson.sa.monteiro@unesp.br

Sinara de N. Santana Brito
sinara.santana@unesp.br
Engenheiros agrônomos e mestrandos em Agronomia/Horticultura – UNESP

A nutrição da goiabeira em fase de produção é um aspecto crítico para garantir o desenvolvimento saudável da planta e a obtenção de frutos de qualidade. Durante esse estágio, a demanda por nutrientes é intensificada, sendo essencial fornecer uma nutrição equilibrada para atender às necessidades específicas da goiabeira.

Nitrogênio, fósforo, potássio e micronutrientes desempenham papéis fundamentais nesse processo.

Exigência nutricional

O potássio é um dos nutrientes mais exigidos pela cultura da goiaba, exercendo uma influência positiva na produtividade e no peso médio dos frutos. Este nutriente desempenha um papel fundamental em processos enzimáticos, especialmente na fotossíntese, garantindo uma produção eficiente de carboidratos essenciais para o fornecimento de energia e o crescimento dos frutos.

Além disso, contribui para a síntese de compostos orgânicos que servem como base para o acúmulo de reservas nos frutos. Sua presença também fortalece a resistência da goiabeira a estresses ambientais, como variações climáticas.

Esses benefícios coletivos asseguram uma produtividade consistente e estável, desde que os níveis adequados de potássio sejam mantidos.

O aumento de peso dos frutos está diretamente associado ao papel do potássio na turgescência celular. Esse nutriente mantém a pressão osmótica nas células, conferindo firmeza e sustentação aos tecidos dos frutos.

A firmeza resultante não apenas contribui para o aumento do peso dos frutos, mas também influencia positivamente a resistência a danos mecânicos, tornando-os mais robustos e comercialmente atraentes.

Essencialidade do potássio

O potássio desempenha papel essencial no acúmulo de reservas nos frutos, sendo necessário para a síntese de carboidratos, especialmente amido. Durante a fase de produção, o potássio é o nutriente mais demandado pela cultura da goiaba, visto que ele é crucial para vários processos fisiológicos que afetam diretamente o desenvolvimento e a qualidade dos frutos.

E como cofator em diversas enzimas envolvidas nesse processo, ele contribui para o armazenamento eficiente de energia nos frutos, impulsionando seu crescimento e maturação.

Além disso, o potássio é fundamental para a manutenção da turgescência celular, conferindo firmeza aos tecidos dos frutos e prevenindo problemas como a murcha. A regulação do movimento de água nas plantas, mediada pelo potássio, é particularmente crucial durante a fase de produção, garantindo a absorção e a distribuição eficiente de nutrientes essenciais para os tecidos em crescimento.

A síntese de proteínas é outra função vital do potássio, e durante a formação dos frutos, onde há uma demanda intensificada por essas macromoléculas, o potássio é necessário para garantir o desenvolvimento celular adequado.

A qualidade dos frutos também está diretamente ligada ao papel do potássio. A concentração adequada dele nos tecidos dos frutos está associada a características desejáveis, como maior teor de sólidos solúveis.

Isso contribui para o sabor, aroma e palatabilidade dos frutos, tornando-os mais atrativos para o consumo.

A síntese de proteínas é outra função vital do potássio, e durante a formação dos frutos, onde há uma demanda intensificada por essas macromoléculas, o potássio é necessário para garantir o desenvolvimento celular adequado. As proteínas são essenciais para a estrutura celular, o metabolismo e a resposta a estresses.

Portanto, podemos aferir que a adubação potássica se torna crucial durante a fase de produção plena, proporcionando às goiabeiras os nutrientes necessários para um desenvolvimento robusto, bom rendimento de frutos e a obtenção de produtos finais de alta qualidade visando o mercado consumidor.

Dose ideal

A dosagem da adubação potássica para goiabeiras em diferentes estágios de crescimento é determinada com base nos resultados da análise de solo e na produtividade esperada. A recomendação é de:

Ilustração: Caio Xavier, 2024.

É crucial destacar que a adubação potássica deve ser realizada em cobertura, mensalmente, após o pegamento das mudas. A quantidade média de K2O recomendada é de 15 gramas por cova.

Esse manejo nutricional adequado contribui significativamente para o desenvolvimento saudável das goiabeiras e otimiza a produtividade ao longo dos anos de cultivo.

Condições específicas

Há variações nas necessidades de adubação potássica que podem variar com base nas condições de solo e clima. Tanto o solo quanto o clima desempenham papéis fundamentais na disponibilidade e na absorção de potássio pelas plantas, influenciando diretamente as exigências nutricionais da cultura da goiabeira.

Em relação ao solo, as características físicas e químicas, como textura, teor de matéria orgânica, pH, capacidade de troca catiônica e presença de minerais argilosos, podem afetar a disponibilidade de potássio para as plantas.

Solos arenosos, por exemplo, tendem a reter menos potássio, enquanto solos argilosos podem apresentar maior capacidade de retenção desse nutriente. Além disso, o pH do solo influencia a disponibilidade de potássio, sendo que solos ácidos podem apresentar maior fixação desse nutriente, reduzindo sua disponibilidade para as plantas.

O clima também exerce influência nas necessidades de adubação potássica, uma vez que afeta a taxa de mineralização de nutrientes no solo, a absorção de potássio pelas raízes das plantas e a transpiração foliar.

Em regiões de clima úmido, por exemplo, a lixiviação do potássio pode ser mais intensa, levando à necessidade de reposição mais frequente desse nutriente. Além disso, em regiões de clima quente e seco, a transpiração das plantas pode aumentar, o que também influencia a absorção de potássio.

Sintomas de deficiência

Os principais sintomas em condições de deficiência de potássio na goiabeira podem ser observados nas folhas, que passam a apresentar características como manchas marrons, pequenas e agrupadas, com contornos variáveis.

Essas manchas se iniciam nos bordos das folhas e estendem-se em direção à nervura principal, podendo ser descritas como uma expressão visual de desequilíbrio nutricional. Elas tendem a se concentrar na porção mediana superior do limbo, criando um padrão distinto.

Logo, à medida que a carência de potássio progride, observa-se a fusão das manchas, especialmente na periferia das folhas, resultando em áreas maiores e mais escuras. Essa fusão indica um processo necrótico em andamento, em que as células estão morrendo devido à falta de potássio, um nutriente essencial para muitos processos metabólicos.

Pequenas áreas do limbo ainda mantêm sua coloração verde, indicando uma resposta compensatória da planta, em que ela prioriza a utilização do potássio disponível para áreas críticas.

O potássio é um dos nutrientes mais exigidos pela goiaba

Tal estratégia pode levar à preservação de algumas regiões da folha, mas a coloração geral das folhas se torna avermelhada devido à falta de potássio, que desempenha um papel vital na síntese de clorofila.

Na face inferior do limbo, em correspondência com as manchas na parte superior, há uma coloração marrom-avermelhada, indicando que a deficiência de potássio está afetando tanto a superfície superior quanto inferior das folhas.

A coloração avermelhada nas folhas é um sintoma adicional da deficiência de potássio, pois este nutriente está envolvido na regulação osmótica e na ativação de enzimas que influenciam a coloração das plantas.

Outros nutrientes

Além do potássio, que é o nutriente mais exigido pela goiabeira em seu período de produção, outros nutrientes também são essenciais para o seu desenvolvimento durante a produção, como: nitrogênio, fósforo, cálcio e magnésio.

Durante o período de produção, a goiabeira precisa de uma quantidade adequada de nitrogênio para sustentar o crescimento dos frutos. Além disso, ele auxilia no desenvolvimento de folhas, brotações e ramos.

Já o fósforo é vital para promover o desenvolvimento adequado dos frutos, garantindo uma boa formação e maturação. A falta de fósforo pode resultar em deficiências na formação dos frutos.

O cálcio atua na integridade celular. Durante o período de produção, ele é crucial para prevenir distúrbios fisiológicos, como a podridão apical dos frutos. Uma oferta adequada de cálcio contribui para a qualidade e durabilidade dos frutos.

O magnésio atua na formação da clorofila, que irá ajudar na produção de açúcares nas folhas, que por sua vez será transportado para os frutos. Além disso, o magnésio desempenha um papel crucial na ativação de enzimas relacionadas à divisão celular e elongação celular.

Esses processos são fundamentais para o desenvolvimento dos frutos em termos de tamanho e forma, contribuindo diretamente para a estética e a comercialização dos produtos.

Sem errar

Recomenda-se que o produtor busque sempre o auxílio e a orientação técnica de um engenheiro agrônomo para a correta e adequada aplicação dos nutrientes e das doses a serem utilizadas.

Isso proporcionará um direcionamento mais eficaz, resultando no cultivo de plantas saudáveis e bem nutridas, tornando o pomar mais produtivo, com frutos de qualidade e rentável.

Além disso, é fundamental, sempre que necessário, utilizar os equipamentos de proteção individual (EPI) e coletivo (EPC) de acordo com as atividades a serem realizadas, garantindo a segurança e o bem-estar durante as práticas agrícolas.

ARTIGOS RELACIONADOS

Manejo da adubação potássica em cafeeiro em produção

Renato Passos Brandão Engº Agrônomo, Mestre em Solos e Nutrição de Plantas pela UFLA e Gestor Agronômico da Bio Soja Rafael Bianco Roxo Rodrigues Estagiário do Deptº Agronômico...

Silício x requeima da batata – A hora da verdade

A batata é a terceira cultura alimentar mais importante do mundo, sendo amplamente cultivada e fazendo parte da dieta alimentar em diversos países. Entre os fatores limitantes da produção e de boa qualidade de batata, podemos destacar a doença denominada mela ou requeima.

Brix e alta produtividade

Autores Herika Paula Pessoa herika.paula@ufv.br Françoise Dalprá Dariva fran_dariva@hotmail.com Engenheiras agrônomas, mestras e doutorandas em Fitotecnia – Universidade Federal de Viçosa (UFV) Ronaldo...

Sojicultores com maiores produtividades na safra 2018/19 serão premiados em Londrina

O manejo eficiente das lavouras de soja, com o uso correto dos produtos e investimento em tecnologia, contribui para o aumento de produtividade. A BASF faz...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!