18.6 C
Uberlândia
sábado, junho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiNutrição da gravioleira

Nutrição da gravioleira

Bianca Cavalcante da SilvaDoutoranda em Agronomia/Ciência do Solo – FCAV/UNESPbianca.cavalcante@unesp.br

Thiago Feliph Silva Fernandesthiagofeliph@hotmail.com

Antonio Santana Batista de Oliveira Filhoa15santanafilho@gmail.com

Mestrandos em Agronomia/Produção Vegetal – FCAV/UNESP

Graviola – Crédito: Freepik

O manejo correto garante ao produtor o produto final de qualidade e quantidade na mesa, e atrelado a isso, a nutrição mineral é um fator primordial para que essa produtividade seja alcançada.

A deficiência nutricional ou a aplicação excessiva de fertilizantes ou, ainda, desequilibrada pode afetar a qualidade, como, por exemplo, o teor de açúcares, a firmeza da massa, as cores externa e interna e rachaduras nos frutos.

Dessa forma, o desenvolvimento da graviola acontece em climas com temperaturas variando de 21°C a 30°C, não suportando quedas de temperatura. Desenvolve-se muito bem em regiões quente-úmidas. Altitudes de até 1.200 m e precipitações superiores a 1.000 mm anuais não limitam a gravioleira, desde que não ocorram durante a frutificação.

Para produção dos pomares de graviola, é necessário que se faça análise do solo, amostrando-se, por talhão, 20 pontos (amostras simples) para compor a amostra composta que representa a área. 

A área deve ser previamente limpa, arada e gradeada. Sabe-se que a acidez é um dos principais fatores da baixa produtividade das culturas nos solos brasileiros, sendo, pois, imprescindível a realização da calagem.

Para o cultivo de anonáceas em condições brasileiras, a faixa de pH deve estar entre 6,0 e 6,5. Pode-se inferir que a calagem deva ser feita para elevar a saturação por bases da camada arável a 50%.

Anote aí

Para o cálculo da necessidade de calcário (NC), utilize a fórmula:

                          T (V2 – V1)

N.C. (t/ ha) = ———————— onde:

                                PRNT

N.C = Necessidade de calcário em t por hectare

T = capacidade de troca de cátions; T= S + (H + Al+3);

S = Ca+2 + Mg+2 + Na+

V1 = valor da saturação por bases do solo antes da correção

V2 = valor da saturação por bases desejada a 50%

PRNT = Poder Relativo de Neutralização Total do Calcário

Alguns autores, como Viégas e Frazão (2004), citam que deve ser realizada a calagem 60 dias antes do plantio. Por outro lado, Rozane e Natale (2014) citam que a correção da acidez deve ser de, no mínimo, 90 dias antes do plantio.

É de grande valia que as mudas para a implantação do pomar sejam enxertadas e adquiridas de viveiristas idôneos, pois é o que garante o sucesso do empreendimento frutífero. Sacramento, Moura e Coelho Júnior (2009) recomendam que pomares comerciais sejam formados a partir de mudas propagadas vegetativamente, pois são geneticamente superiores.

Início do pomar

Para implantação do pomar, deve-se escolher o espaçamento de 5,0 x 5,0 m, tendo produtores que optam por espaçamentos maiores, como 6,0 x 5,0 m ou 6,0 x 6,0 mm para utilizar as entrelinhas com o plantio de outras culturas e também para facilitar o acesso de tratores e implementos, permitindo o melhor manejo e diminuindo o entrelaçamento das copas.

Realizar a cova em 40 x 40 x 40 cm, e/ou em uma produção mecanizada utilizar um sulcador acoplado a um trator, realizando um sulco de 40 cm na base superior e de 40 cm de profundidade (40 x 40 x 40 cm).

Adicionar à cova, como indicado por Viégas e Frazão (2004), 10 litros de esterco de curral curtido, ou 3,0 litros de esterco de galinha e 50 g por planta em solo com 0 – 10 mg dm-3 de fósforo (P), com 11 – 20 mg dm-3 de P, aplicar 30 g por planta e mais 20 mg dm-3 de P, e 15 g por planta de superfosfato triplo ou fosfato natural.

Por outro lado, segundo Rozane e Natale, (2014), cada cova deverá receber 20 L de composto orgânico curtido à base de esterco bovino; 180 g de P2O5 por cova na forma de superfosfato simples; 2,0 g de Zn (sulfato de zinco) e 1,0 g de B (ácido bórico).

Salienta-se que não deve ser aplicado calcário na cova de plantio, especialmente junto com fontes de fósforo.

Após o transplantio

Entre 35 e 40 dias após o transplantio das mudas para o campo, aplica-se 140 g de N e 112 g de K2O por planta, parceladas em quatro vezes a cada 30 dias, na forma de ureia e cloreto de potássio, respectivamente (Rozane, 2008).

A adubação de potássio (K) no primeiro ano, segundo Viégas e Frazão (2004), deve ser feita de acordo com a análise de solo. Indica-se de 0 a 40 mg dm-3 de K, aplicando 70 g por planta. Já se estiver entre 41 – 90 mg dm-3 de K, aplicar 50 g por planta e mais 90 mg dm-3 de P, aplicando 25 g por planta de cloreto de potássio. O fertilizante fosfatado deve ser aplicado de uma só vez, no início do período chuvoso.

Os fertilizantes devem ser aplicados no início das chuvas ou no final da estação chuvosa, quando a precipitação pluviométrica diminui. Os fertilizantes contendo nitrogênio, potássio e magnésio devem ser parcelados em duas aplicações. A adubação de formação do pomar depois da fertilização do pós-plantio, esperando vigor nas mudas na fase inicial, é realizada segundo a análise de solo (tabela 1).

Se possível, realizá-la anualmente, distribuindo e incorporando 1/3 para dentro e para fora do raio de projeção da copa da gravioleira sem incorporação, a fim de que não haja danos ao sistema radicular superficial, evitando disseminação de pragas e doenças.

A partir do segundo ano, aplicar o sulfato de magnésio, sendo a quantidade de MgO correspondente a 1/3 de K2O e 60 g por planta de nitrogênio (N) (Viégas e Frazão, 2004).

Tabela 1. Recomendação de adubação para gravioleira em função da análise do solo.

Idade   P2O  K2O
N P no solo (mg dm-3) 0-10      11-20      >20 P no solo (mg dm-3) 0-40      41-90      >90
  1° ano   40   50   30   15   70   50   25
  2° ano   60   80   40   20   100   60   30
3° a 4° ano   80   100   50   25   130   70   35
5° a 6° ano   100   120   60   30   160   90   45
7° ano em diante   120    120   60   30   190   100   50

Fonte: Viégas e Frazão, (2004)

As anonáceas são exigentes em boro e zinco. Para evitar esta deficiência nas plantas é necessário manter os níveis mínimos no solo de 0,4 mg/dm3 de B (extrator água quente) e de 1,0 ou 1,4 mg/dm3 de Zn, respectivamente, para os extratores DTPA e Mehlich-1 (Raij et al., 1997).

Os micronutrientes devem ser aplicados em pomares de graviola em produção, segundo Galrão (2004), que recomenda 2,0 g de boro, 3,0 g de cobre, 4,0 g de manganês e 5,0 g de zinco por planta em cobertura. Indica-se que os fertilizantes sejam solúveis e a aplicação realizada com o auxílio de uma barra de herbicidas acoplada a um trator, a fim de que haja distribuição homogênea dos adubos na projeção da copa das plantas.

ARTIGOS RELACIONADOS

Nutrição cafeeira

Formulações de suspensão concentrada (SC) são formadas por um ingrediente ativo disperso ...

Adjuvante multifuncional gera mais rentabilidade ao produtor

Lançado pela Kimberlit Agrociências, o BLEND é um adjuvante que traz diversos benefícios as plantas melhorando a performance das caldas de aplicação   O adjuvante BLEND...

Benefícios do silício para o cafeeiro

Embora não seja considerado essencial às plantas, porém benéfico, o silício (Si) tem aumentado a resistência de várias espécies de plantas às pragas e...

Satis participa da 10ª edição da Ficafé no Paraná

Com o objetivo de reforçar a nutrição vegetal como fator chave para o aumento da produtividade e qualidade nas lavouras de café, a Satis...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!