20.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 22, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesÓleos essenciais no controle de fungos na manga pós-colheita

Óleos essenciais no controle de fungos na manga pós-colheita

Foto: Envato

Cientistas da Embrapa e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) registraram atividades antifúngicas de sete óleos essenciais contra quatro fungos causadores de doenças pós-colheita em mangas. O trabalho ainda identificou a concentração mínima inibitória dos quatro mais eficientes e a composição química de cada um deles. Os resultados mostraram que os de orégano, alecrim pimenta, canela casca e alfavaca cravo inibiram 100% do crescimento dos patógenos estudados. 

Apesar de possuir composição complexa, os óleos essenciais têm sido muito estudados por sua eficácia contra microrganismos. Os resultados do estudo mostraram que a sua ação varia de acordo com o patógeno.

A concentração mínima inibitória variou de acordo com o óleo e o fungo alvo. O de orégano se destacou pelo efeito inibidor sobre os patógenos C. siamenseL. theobromae e B. dothidea, demonstrando excelente atividade antifúngica na menor concentração testada. Já o A. alternata foi mais sensível ao óleo essencial de casca de canela do que ao de orégano.

A análise por cromatografia gasosa revelou a composição dos óleos e a sua relação com a atividade antifúngica. Foi observada essa atividade em constituintes dos óleos como o carvacrol, o timol, o linalol e o α-pineno. Carvacrol e timol, constituintes majoritários dos óleos essenciais de orégano e alecrim pimenta, respectivamente, apresentaram os melhores resultados, evidenciando o significativo efeito inibitório dos fungos C. siamenseA. alternataL. theobromae B. dothidea, com maior atividade antifúngica contra os fungos pós-colheita da manga avaliados.

O componente principal encontrado no óleo de alecrim foi o carvacrol, com aproximadamente 69%; já no óleo de alecrim pimenta destacou-se o timol, com teor de 77%; cinamaldeído é o principal constituinte do óleo canela casca, 85%, e o eugenol é o componente mais abundante da alfavaca cravo, com mais de 84%.

Os resultados fornecem subsídios para o desenvolvimento de tecnologias utilizando óleos no controle de C. siamenseA. alternataL. theobromae e B. dothidea de manga, como alternativa de fungicida sintético.

Fruto mais sustentável e competitivo

De acordo com Elke Vilela, analista da Embrapa Meio Ambiente, o uso de fungicidas no tratamento pós-colheita de manga tem sido uma prática comum visando à redução da incidência de doenças e ao prolongamento do tempo de vida útil da fruta, mas, com a conscientização sobre possíveis riscos à saúde provocados por eles, tem-se buscado tratamentos mais sustentáveis, de acordo com Vilela.

O uso de tratamentos alternativos, que não usam produtos químicos, também ajuda a contornar barreiras não-tarifárias de países que não compram frutos que contenham traços de agroquímicos. “Além disso, o uso excessivo de agroquímicos, além de poder ocasionar a contaminação química das frutas, pode provocar o surgimento de cepas de patógenos resistentes ao fungicida, dificultando o controle das doenças pós-colheita”, alerta a analista.

A manga é uma fruta climatérica, que geralmente é colhida ainda imatura e amadurece mesmo após a colheita, durante o armazenamento. Seu amadurecimento envolve alterações fisiológicas e bioquímicas, acompanhadas de aumento acentuado da respiração e da produção de etileno. “Durante esse processo de amadurecimento, as frutas se tornam mais suscetíveis ao ataque de patógenos, principalmente durante o armazenamento e transporte, causando severas perdas”, explica o pesquisador da Embrapa Daniel Terao.

Ele conta que os fungos são os principais causadores das perdas de qualidade e produtividade das frutas. “Com os fungos, fazer chegar frutas de qualidade aos consumidores é um desafio”, afirma Terao, ao contar que a antracnose, causada pelo fungo Colletotrichum siamense, é a doença pós-colheita mais comum na manga. Além desse patógeno, a fruta ainda é alvo de Alternaria alternata, fungo causador da mancha de alternaria; de Lasiodiplodia theobromae, e Botryosphaeria dothidea, causadores de severas podridões nas frutas.

O mecanismo de ação antifúngica dos óleos essenciais é atribuído aos seus componentes, que atuam de forma sinérgica (um complementando a ação do outro) ou aditiva no exercício de seus efeitos. Por isso, de acordo com o pesquisador, o conhecimento da atividade antifúngica desses constituintes pode ajudar a compreender a eficácia dos óleos essenciais e sua atividade contra os fungos.

ARTIGOS RELACIONADOS

Fungos podem causar perdas de até 50% da produção de café

Os fungos se disseminam com maior facilidade em ambientes quentes e úmidos, características da maior parte do território brasileiro durante a maior parte do ano.

Doenças fúngicas do cafeeiro

Estamos passando por momentos climatológicos muito instáveis, e a cafeicultura tem sofrido os efeitos drásticos destas mudanças, pois vivemos o extremo de cada situação, com secas prolongadas, excesso de frio e agora chuvas constantes a ponto de limitar até mesmo a aplicação de defensivos.

Alerta: podridão-de-frutos pode destruir o pomar de abacate

A podridão-dos-frutos do abacateiro são doenças de ampla distribuição mundial, com registros de incidência na Austrália, Chile, Estados Unidos, Grécia e Índia. No Brasil, existe registro apenas no Estado de Minas Gerais.

Transporte de mangas para exportação

Responsável por 87% de toda a produção de manga para exportação, o Vale do São Francisco,

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!