14.9 C
Uberlândia
quarta-feira, julho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiOs dois lados da moeda

Os dois lados da moeda

 

Ricardo AntonioAyub

Engenheiro agrônomo, mestre em Fitotecnia, doutor em Biologia Celular e Molecular, pós-doutor em Biotecnologia e em Armazenagem de Frutos e professor da Universidade Estadual de Ponta Grossa

Doutor e professor da Universidade Estadual de Ponta Grossa

Departamento de Fitotecnia

rayub@uepg.br

 Ricardo Antonio Ayub, professor da Universidade Estadual de Ponta Grossa - Crédito Arquivo pessoal
Ricardo Antonio Ayub, professor da Universidade Estadual de Ponta Grossa – Crédito Arquivo pessoal

A cultura do maracujazeiro é suscetível a várias doenças, dentre elas a bacteriose causada por Xanthomonasaxonopodispv. Passiflorae. Esta bactéria, se presente na área, pode dizimar a cultura. Partindo então do princípio que não há doença na área, pode-se pensar em poda.

Novamente, voltamos à discussão, agora de quantas safras o produtor espera poder colher após o plantio. Se a cultura se der em áreas onde existam doenças ou áreas suscetíveis ao aparecimento principalmente da Xanthomonas, frisando novamente a questão, que inviabilizem a cultura por mais de um ano, a poda de produção é desnecessária.

De novo, o maracujazeiro pode ser explorado por até três anos, em áreas comerciais. Neste caso, fazemos a poda de formação, que consiste em deixar apenas um ramo crescer até o arame, e daí despontá-lo deixando-se dois ramos que formarão a estrutura primária da planta, sendo um ramo para a direita e um para a esquerda.

A partir deste ponto, independente se a condução será em espaldeira, onde os ramos secundários crescerão livremente em direção ao solo ou latada, na condução horizontal, após o primeiro ano, o maracujá terá dado dois picos de produção – os ramos primários serão podados a 80cm e os secundários a 50cm, estimulando uma nova brotação de produção.

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Vale a pena?

Em minha opinião, é um risco desnecessário podar o maracujá. Eu faria apenas a poda de ramos secos, melhorando o arejamento da planta, facilitando os tratamentos fitossanitários e diminuindo o peso da estrutura.

Essa matéria você encontra na edição de maio 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Panorama nacional de produção de ameixa

A ameixa é uma das frutíferas da família das Rosáceas do grupo conhecido como frutas de caroço, assim como o pêssego e a nectarina....

Casal larga profissões na cidade para plantar orgânicos na zona rural

Na Semana Nacional dos Alimentos Orgânicos, conheça a história dos agricultores que prosperam na atividade com a assistência da Emater-MG   Largar o emprego na cidade...

Software aprimora diagnóstico nutricional em citros

Danilo Eduardo Rozane Engenheiro agrônomo, doutor e professor na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho“ (Unesp), campus de Registro e no Programa de Pós-Graduação...

Sequenciamento genômico do maracujazeiro: impactos esperados na produção

O artigo da Campo & Negócios destrincha todas as informações sobre o sequenciamento genético no maracujá.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!