Inicio Revistas Hortifrúti Panorama nacional da produção de melancia

Panorama nacional da produção de melancia

0
2214

Autores

Rita de Cássia Souza Dias
Pesquisadora de Recursos Genéticos e Melhoramento Vegetal da Embrapa Semiárido
rita.dias@embrapa.br
Joice Simone dos Santos
Bolsista FACEPE/CNPq/Embrapa Semiárido
joicessm@gmail.com

A produção brasileira de melancia corresponde a 105.064 hectares de área colhida e a 2.314.700 toneladas. O Nordeste lidera em termos de área plantada e de produção, com 36.864 ha e uma produção de 663.458 toneladas, seguido pelas regiões sul, norte, centro-oeste e sudeste do País. Dentre os Estados, o Rio Grande do Sul é o maior produtor nacional (18.551 ha).

A produtividade média brasileira de melancia é 22 t.ha-1, mas a região centro-oeste apresenta a maior produtividade média (33,26 t.ha-1), destacando-se Goiás como o maior produtor entre os demais dessa região (32,0 t.ha-1). No entanto, o Ceará apresenta nos cultivos irrigados a maior produtividade média nacional (34,0 t.ha-1).

Características atrativas ao mercado consumidor

No que se refere à aparência dos frutos, as melancias devem apresentar as seguintes características mínimas de qualidade: a) inteiras; b)  isentas de podridões ou alterações que as tornem impróprias para consumo; c)limpas, praticamente isentas de matérias estranhas visíveis; d) praticamente isentas de parasitas ou de sua ação; e) firmes e suficientemente maduras, de forma que a cor e o sabor da polpa devem corresponder a um estado de maturação suficiente; g) não rachadas; h) isentas de umidade externa anormal; i) isentas de odores e/ou sabores estranhos.

Mas, ao abrir os frutos, os consumidores desejam encontrar uma polpa de cor vermelho intenso e doce (sólidos solúveis de 11 a 12ºBrix).

Tecnologias

As empresas situadas nos polos de irrigação do RN e CE operam com alto nível tecnológico e alto custo administrativo – fertirrigação, híbridos, uso de mulching, manta agrotêxtil, manejo fitossanitário adequado (inclusive muitas têm aumentado o controle biológico em suas lavouras), instalação de colmeias de abelhas para a polinização, cuidados pós-colheita e assistência técnica.

No entanto, as condições climáticas, solo e manejo de Uruana (GO) são muito boas para a produção de melancia. Ela é considerada a “Capital Brasileira da Melancia” e, em 2015, apresentou rendimento médio de 50 toneladas por hectare.

Os produtores da região, associados à Emater/GO, estão se organizando para requisitar e implantar a indicação geográfica (IG) para a melancia produzida em Uruana e municípios vizinhos.

BOX

Cultivares mais plantadas

As cultivares de melancia do grupo globular predominam no cenário nacional, das quais as do tipo “Crimson Sweet” são as mais representativas. As principais são: Crimson Sweet, Manchester (F1), Talisman (F1), TopGun (F1), Red Heaven (F1), Ranger (F1), Explorer (F1). Outros tipos de melancia são: Magnum (F1), Charleston Gray, Congo, Esmeralda, Fairfax, Jetstream, Pérola e cultivares de menor massa de fruto, onde se incluem, principalmente, as cultivares triploides (‘sem sementes’).

Manejo da cultura

O manejo da cultura começa pela escolha de cultivares adaptadas às condições de clima e solo. Entre elas, há melancias com formas, tamanhos e cores diferentes, de polpa vermelho intenso ao amarelo, com ou sem sementes, mais precoces, produtivas e uniformes (normalmente, cultivares híbridas), com frutos maiores.

O plantio deve ser realizado em solos de textura média, arenosos, profundos, bem drenados e com boa disponibilidade de nutrientes. Deve-se evitar terrenos pesados, de má drenagem e sujeitos a encharcamentos.

A melancia se adapta bem a solos de acidez média, com pH de 5,5 a 6,8 e saturação por bases de 70%. No local definitivo, coloca-se em cada cova duas sementes (se for híbrido, pela qualidade da semente e o preço, coloca-se apenas uma), a uma profundidade de 02 ou 03 cm, cobrindo-as sem compactar o local que foi depositada a semente. O desbaste das plantas ocorrerá quando as mesmas apresentarem de três a quatro folhas, deixando-se apenas uma planta/cova (a mais vigorosa).

Adubação

_ Na fundação (antes do plantio): com distribuição de fertilizantes em sulcos, recomenda-se a aplicação de 10 a 20 m3/ha de esterco de curral curtido – de bovino, ovino ou caprino (em torno de 01 litro por cova) ou de aves (de 01 a 02 quilos por cova); ou quantidade equivalente de outros resíduos vegetais disponíveis na propriedade. Para uso da adubação química (ou mineral) de nitrogênio, fósforo e potássio, deve-se fazer de acordo com a recomendação da análise de solo.

_ Adubação de cobertura: no plantio convencional, a adubação de cobertura deve ser feita aos 25 e aos 45 dias após a semeadura, utilizando-se nitrogênio (N) e potássio (K), conforme recomendação do laboratório, quando da análise de solo. Quando se adota o sistema de fertirrigação, a aplicação do N deve ser iniciada após a germinação das plântulas, até 45 dias, e o K, até 55 dias após a germinação. Todos os fertilizantes devem ser distribuídos onde há umidade no solo para facilitar sua solubilização e absorção pelo sistema radicular.

Calagem

É essencial para neutralizar o alumínio em solos ácidos. Por isso, um mês antes do plantio, aplique a lanço e incorporado ao solo por meio de gradagem calcário dolomítico, que possui teores elevados de magnésio, além do próprio cálcio.

É importante lembrar que a calagem melhora os teores de cálcio e magnésio, nutrientes muito importantes para a melancia e para evitar o distúrbio fisiológico, denominado podridão apical dos frutos ou fundo preto.

Irrigação

A cultura da melancia é bastante exigente no manejo da aplicação de água, pois a escassez por um período curto de tempo, principalmente na floração/frutificação, pode afetar muito a qualidade dos frutos e a produtividade.

A demanda hídrica da melancia varia de acordo com a cultivar usada e a condição edafoclimática da região, podendo consumir de 300 a 550 mm por ciclo. A demanda hídrica diária varia por fase de desenvolvimento da cultura.

Espaçamento

Utiliza-se 3,0 m x 0,6 m; ou 3,0 m x 0,8 m  (para cultivos menos tecnificados) ou 2,0 m x 0,4 m (cultivares de frutos  pequenos).

Cuidados fitossanitários

Normalmente, as cultivares comerciais são suscetíveis a doenças e pragas. A umidade elevada nas lavouras aumenta a incidência de doenças virais e de doenças fúngicas.

O desejável é o manejo integrado de pragas (MIP) e doenças. Contudo, como não há ou são escassas as informações para o cultivo da melancia, recomenda-se seguir os indicadores do MIP do melão, já que ambas são da mesma família botânica.

Na seleção do agrotóxico a ser utilizado, devem-se considerar alguns parâmetros, como: a) selecionar produtos com eficiência conhecida para o alvo que se deseja controlar; b) conhecer a seletividade, poder residual e grau de toxicidade do princípio ativo; c) conhecer os mecanismos de ação dos produtos, não os associando quando estes forem iguais; d) conhecer a fenologia da cultura, o hábito e o ciclo de desenvolvimento do inseto ou forma afim, pois estes são fatores determinantes para utilização de alguns produtos específicos; e) utilizar produto registrado pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA); f) respeitar a carência do produto.

BOX

Abelhas

Para assegurar uma boa produção de frutos é preciso contar com abelhas próximas ao plantio, pois estas são os principais agentes de polinização. Em grandes áreas de cultivo, principalmente, é recomendável a instalação de duas a três colmeias por hectare perto da cultura, que contribuirá para o aumento da produção.

Colheita

A melancia atinge o ponto de colheita entre 28 a 45 dias após a fecundação das flores femininas ou hermafroditas, dependendo da cultivar e das condições climáticas. No Nordeste brasileiro, esse período corresponde a 60-80 dias após o plantio. Porém, há uma grande influência de diversos fatores climáticos sobre o ciclo da cultura.

São indicativos do ponto da colheita: quando a gavinha próxima ao fruto estiver seca (que é um talinho localizado no mesmo nó do fruto), próximo ao pedúnculo e o som do fruto estiver “oco”, ao bater com a mão fechada no fruto. A melancia ainda estará verde se o som for metálico. Com um canivete, faca ou tesoura, corte o pedúnculo, cerca de cinco centímetros do fruto.

Erros que devem ser evitados

Para cada região, a época de plantio ocorre em distintos períodos do ano, uma vez que a época mais adequada é aquela em que durante todo o ciclo da cultura ocorrem as condições climáticas favoráveis, dependendo da localização e altitude.

A época de plantio mais favorável para a cultura da melancia é que apresenta temperaturas variando de 18°C a 25°C. Nesse contexto, nas regiões de clima frio, evitar as temperaturas abaixo do mínimo suportado pela cultura, e nas regiões de clima quente, o ano todo, com uso da irrigação. Deve-se evitar, porém, as épocas de chuvas intensas.

No Centro-Sul, o plantio durante a primavera-verão, com temperaturas adequadas, porém com pluviosidade excessiva, não produz frutos de boa qualidade. Já a semeadura durante o outono, desde que a temperatura não se torne fator limitante, oferece condições para se obter alta produtividade e boa qualidade de frutos.

É importante planejar o plantio de maneira que a direção dos ventos facilite o posicionamento das ramas de melancia, evitando-se, assim, o desgaste das plantas por sucessivas operações de penteamento ou movimentação pelos ventos.

Durante a colheita e o transporte, os frutos devem ser manuseados com cuidado a fim de evitar qualquer tipo de ferimento, que pode comprometer a aparência, a firmeza, o sabor e a vida útil da melancia.


Novidades

Os híbridos apresentam vantagens sobre os cultivares tradicionais, como plantas mais vigorosas e ciclo precoce para a colheita, quantidade elevada de flores femininas e produção de grande número de frutos por área e com melhor qualidade.

O cultivo de melancia temporariamente protegido, associado às coberturas do solo (mulching): normalmente se usa o plástico de dupla face (branco/preto ou prateado/preto), mas é possível o uso da cobertura do solo com materiais de origem vegetal (uma boa alternativa para a produção familiar).

Este sistema de cultivo, quando engloba os princípios da produção integrada, tem boa eficiência no controle das principais pragas e retarda o surgimento de algumas viroses, como também diminui a aplicação de agroquímicos para controle dos insetos-pragas, além de reduzir o uso de água e de capinas.

Para a cobertura temporária da parte aérea das plantas com agrotêxtil (manta de TNT, gramatura de 15 g/m2, cor branca), faz-se necessário cobrir o solo com mulching (cobertura morta) para evitar o desenvolvimento de plantas espontâneas e reduzir as perdas de água em torno de 20%.

BOX

Melancia sem sementes

Tecnicamente denominada de ‘melancia triploide’, normalmente são cultivares com frutos menores (1,5 kg a 3 kg). É exigido no mercado de exportação, muito apreciado no mercado interno pelos consumidores de maior poder aquisitivo ou em famílias com número reduzido de pessoas.

Enxertia em melancia

Atualmente, a enxertia em melancia é praticada em várias partes do mundo, para solucionar os problemas ocasionados por esses patógenos.  Na Europa, sua utilização é cada vez mais frequente, destacando-se, a Espanha, como o país em que praticamente todo o cultivo de melancia ocorre com mudas enxertadas em híbrido de Cucurbita spp.

A Embrapa Semiárido tem trabalhado no melhoramento genético, visando ao desenvolvimento de porta-enxertos de abóbora e de Citrullus spp., compatível com as principais cultivares de melancia utilizadas nas áreas de produção, com resistência a doenças e adaptados às condições semiáridas.

Inicialmente, a principal finalidade da enxertia em melancia era a tolerância aos patógenos do solo, entretanto, outros benefícios podem ser obtidos, como maior absorção de nutrientes, melhor eficiência no uso da água, aumento da tolerância a temperaturas extremas, a salinidade, ao encharcamento, proporcionando assim melhor rendimento e qualidade dos frutos.

Como, normalmente, o cultivo da melancia é feito com o plantio de sementes, os produtores nacionais ainda apresentam restrição devido ao custo das mudas enxertadas e a incompatibilidade entre enxerto e porta-enxerto, que necessita de mais trabalhos de pesquisas.

Os ganhos com a qualidade dos frutos, a melhoria da absorção de água e no conteúdo mineral na parte aérea é atribuída às características físicas do sistema radicular, tais como desenvolvimento vertical e lateral, que resulta em uma maior captação de água e sais minerais, sendo este um dos principais motivos para o uso generalizado de plantas enxertadas.

Além da diminuição do uso agrotóxicos, principalmente para as doenças do sistema radicular, as plantas enxertadas podem resistir a condições ambientais mais estressantes, como déficit hídrico.

Nichos de mercado

Os compradores internacionais da melancia são, em especial, os Países Baixos, Reino Unido, Argentina e Espanha. Os envios de melancia são intensificados a partir do mês de setembro.

As cotações médias (de abril a outubro) estiveram em R$ 0,66/kg para a melancia graúda (>12 kg). Com isso, a rentabilidade/kg de fruto registrada na safra 2018 foi superior à de 2017, com cotações 66,3% acima dos custos médios.

Considerando diversos mercados nacionais, no início de dezembro/2018 os preços do quilo da melancia atingiram as seguintes cotações: R$ 0,40 (Juazeiro-BA), R$ 0,56 (São Paulo-SP), R$ 0,80 (Uruana-GO) e R$ 0,90 (municípios de Tocantins; Salvador-BA).

Custo

Como o Brasil é um país de dimensões continentais e com grande diversidade climática e de solo, há muitos sistemas de produção adotados para o cultivo da melancia, com uso de cultivares de polinização aberta e de híbridos, incluindo cultivos irrigados e de sequeiro, produção familiar e cultivos altamente tecnificados.

É importante ressaltar que, também, os estresses bióticos que afetam a cultura são muito variados, o que explica as grandes diferenças na produtividade e nos custos nos diferentes sistemas de cultivos encontrados nas diferentes regiões do País.

Mas, podemos considerar o custo médio da produção irrigada de melancia no Submédio do Vale do São Francisco de R$ 13.000/ha (considerando semente de cultivar híbrida e taxa de administração).

Rentabilidade

Os produtores de melancia têm que pensar em aumentar a produtividade para ter maior rentabilidade comercial. Os custos de produção para os produtores de melancia no Submédio do Vale do São Francisco, que utilizam a irrigação localizada e se especializaram nesta olerácea, são de R$ 12.556/ha.

Deste total, 94% correspondem às despesas de produção e cerca de 6% são com outros custos inerentes ao empreendimento agrícola irrigado — impostos, custo da terra, depreciação do sistema de irrigação e administração.

No entanto, é muito comum que o próprio produtor seja também o administrador, e não gaste com assistência técnica. Considerando uma produtividade média de 35 t/ha, que foi comercializada por um preço médio de R$ 0,40/kg, a rentabilidade foi em torno de 10,3%. Mas em outras áreas produtoras do nordeste brasileiro, estima-se que a rentabilidade média seja de 35%, enquanto no Centro-Oeste superam esses valores.

A depender das condições climáticas e da cultivar, o ciclo pode variar de 65 a 100 dias após plantio. Em média, está em 75-85 dias. Lembrando que no verão é quando ocorre a maior demanda.

SEM COMENTÁRIO