19 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosPesquisa cria o primeiro inseticida à base de vírus contra lagarta-do-cartucho

Pesquisa cria o primeiro inseticida à base de vírus contra lagarta-do-cartucho

O primeiro inseticida à base de Baculovirusspodoptera contra a lagarta-do-cartucho acaba de ser desenvolvido e surge como nova ferramenta para minimizar os danos que ela representa, os quais podem variar entre 30% e 70% de perda

 

Crédito Arthur Torres
Crédito Arthur Torres

Com o início da comercialização previsto para outubro deste ano, para atender à safra 2017/2018, o primeiro inseticida à base de Baculovirusspodoptera contra a lagarta-do-cartucho (Spodopterafrugiperda) será ofertado por uma rede de distribuição da VR Biotech, em parceria com Araunah Agro.

O CartuchoVIT, lançado em 12 de maio, em Uberaba (MG), é resultado da parceria entre a Embrapa Milho e Sorgo e a VR Biotech. Será disponibilizado e comercializado oficialmente pela Araunah Agro, em âmbito nacional, para todos seus canais de distribuição e clientes, por meio do segmento Bio PRO®, direcionado à bioproteção de cultivos. É a mesma empresa que representa os produtos Penergetic®, há 16 anos.

Inovação

FernandoValicente, pesquisador da Embrapa, no dia da inauguração do Cartucho VIT - Crédito Guilherme Viana
FernandoValicente, pesquisador da Embrapa, no dia da inauguração do Cartucho VIT – Crédito Guilherme Viana

Em 2010, a VR Biotech se fez presente na agricultura e exerceu sua missão de oferecer tecnologia limpa para a agropecuária. Então, realizou prospecção junto à Embrapa Milho e Sorgo, de Sete Lagoas (MG), e lá encontrou a tecnologia do Baculovirusspodoptera, um vírus que controla a lagarta-do-cartucho.

“As negociações evoluíram até que, em 2012, fechamos um contrato com a Embrapa. A partir daí, já passamos à tecnologia de produção laboratorial. Em 2013, a VR Biotech colocou em ação a sua planta para produzir em escala piloto e determinou as condições de produção industrial para que tivéssemos o Baculovirusspodopterasendo produzido para atender às necessidades da agricultura nacional. Isso foi feito até 2016 e início de 2017. Paralelamente, trabalhamos na parte regulatória“, relata Paulo Bittar.

Como funciona

Uma das maiores vantagens do CartuchoVIT é a baixa necessidade de aplicação - Crédito Guilherme Viana
Uma das maiores vantagens do CartuchoVIT é a baixa necessidade de aplicação – Crédito Guilherme Viana

O inseticida à base de vírus tem que ser colocado nas plantas, sobre as folhas, como qualquer outro inseticida, por meio da preparação de uma calda, que deve ser pulverizada. “A diferença é que o inseticida à base de vírus precisa ser comido pela lagarta. Ele não funciona por contato, como alguns inseticidas químicos. Quando o inseto engole o inseticida e faz a digestão, o produto, então, chega ao seu intestino, é processado e começa a ocupar, por multiplicação, todos os tecidos da lagarta“, explica Paulo Bittar.

Entre quatro e dez dias, a lagarta estará toda tomada pelo vírus e morrerá. Mas, segundo os especialistas, quase que imediatamente após a ingestão do baculovírus (até dois dias), a lagarta já para de comer a plantação e de causar danos. Cessa em até 93% a ingestão de alimento.

Outra vantagem do baculovírus é a frequência de aplicação. “Em geral, são necessárias duas aplicações por ciclo de cultura. Temos uma característica especial: o baculovírus deve ser aplicado até no máximo 45 dias após a emergência da planta, que é a fase crítica, quando a planta precisa ser bem protegida para que produza depois. Esperamos que dentro desses 45 dias, em geral, se façam duas aplicações, a depender da pressão das lagartas, que varia geograficamente“, pontua Bittar.

Ele ressalta que o monitoramento é fundamental, pois o diagnóstico e controle na fase inicial da lagarta é primordial para a efetividade do controle que se busca. “É preciso ficar de olho na raspagem das folhas, pelas lagartas“. Em geral, a aplicação é feita aproximadamente dez dias após a emergência da planta, dependendo do histórico de ataque dessa praga na região, e repetida cerca de 10 – 12 dias após essa primeira aplicação ou a partir do momento em que houver raspagem de folhas. “Este monitoramento é essencial e, pela dificuldade de avaliação a campo, na fase inicial da lagarta, muitas vezes, a aplicação preventiva seria o mais ideal“, alerta.

Paulo Bittar falou das vantagens do CartuchoVIT - Crédito Guilherme Viana
Paulo Bittar falou das vantagens do CartuchoVIT – Crédito Guilherme Viana

Eficiência contra lagarta-do-cartucho

Em contato com a Embrapa, Paulo Bittar obteve a informação de que a tecnologia do Baculovirusspodoptera é muito eficiente no controle da lagarta-do-cartucho e que o mercado precisa muito desse produto. “Ela está distribuída por praticamente todo o Brasil. Alguns locais e culturas com maior agressividade; outras, menores. Outro agravante é que mais de 90% do cultivo de milho no Brasil é transgênico, o que torna o sistema invariavelmente mais susceptível e vulnerável a resistências a pragas, como temos presenciado. Notamos também que a lagarta-do-cartucho desenvolveu resistência aos inseticidas químicos. Foi aí que enxergamos a oportunidade de trabalhar com o Baculovirusspodoptera“, conta Paulo Bittar.

Como o alvo principal é a Spodopterafrugiperda, lagarta que acomete diversas outras culturas, além do milho, o CartuchoVIT possui grande versatilidade e abrangência de uso.

Ainda segundo o empresário, foi comprovada a eficácia contra lagartas, em dois ou três dias, de 90 a 95%. Já a eficácia contra lagartas mais velhas (cinco dias) é de 75% a 85%, o que é muito bom, em se tratando de controle biológico.

Lagarta-do-cartucho atacando espiga de milho - Crédito Luize Hess
Lagarta-do-cartucho atacando espiga de milho – Crédito Luize Hess

Biológicos x químicos

  Uma das maiores vantagens do CartuchoVIT, como citado anteriormente, é a baixa necessidade de aplicação. “São duas aplicações de CartuchoVIT durante o ciclo, contra 12 aplicações de produtos químicos em determinadas áreas do Brasil, onde a pressão da lagarta é muito grande. Somente em custos com mão de obra e maquinário para aplicação já se tem uma economia muito importante do produto em si, além dos benefícios para o meio ambiente“, compara Paulo Bittar.

Sintomas da lagarta-do-cartucho na folha do milho - Crédito Luize Hess
Sintomas da lagarta-do-cartucho na folha do milho – Crédito Luize Hess

Essa é parte da matéria de capa da revista Campo & Negócios Grãos, edição de Julho 2017. Adquira a sua para leitura completa.

ARTIGOS RELACIONADOS

Nova plataforma de inovação e empreendedorismo da BASF

O AgroStart é a nova plataforma da BASF para promover inovação e empreendedorismo no agronegócio. A iniciativa vai ampliar sua atuação na Amélica Latina com equipes dedicadas...

Biotrigo – Há 10 anos fortalecendo a triticultura nacional

Programa de melhoramento genético visa atender a região do Cerrado, através de cultivares adaptadas desde o sistema irrigado ao sequeiro, com resistência às doenças...

Padronização de tamanho da beterraba pelas algas

Autores Fábio Olivieri de Nobile Professor do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos – UNIFEB fabio.nobile@unifeb.edu.br Maria Gabriela Anunciação Graduanda em...

ABC Bio elege nova diretoria e conselho – biênio 2017/18

A partir de janeiro de 2017, a ABC Bio (Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico) terá nova diretoria e conselho. O novo presidente...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!