23.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 16, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosNematoides fitoparasitas da bananeira

Nematoides fitoparasitas da bananeira

O combate aos nematoides fitoparasitas é essencial para a saúde das bananeiras e a produtividade dos cultivos!

Érika Cristina Souza da Silva Correia
Engenheira agrônoma, doutora em Agronomia e professora – Centro Universitário Sagrado Coração (UNISAGRADO)
erika.correia@unisagrado.edu.br

Cristiane de Pieri
Bióloga, doutora em Proteção Florestal – UNESP e especialista em Fitopatologia e Entomologia – AgroEfetiva
pieri_cris@yahoo.com.br

A bananeira (Musa spp.) é o fruto tropical mais consumido no mundo e o Brasil é o quarto maior produtor, atrás da Índia, China e Indonésia. Todos os Estados brasileiros produzem banana, com destaque para São Paulo, Bahia, Minas Gerais e Santa Catarina. Porém, a produtividade nacional é baixa, cerca de 15,3 t/ha/ano.

Foto: Shutterstock

Impedimento à alta produtividade

O baixo rendimento da banana é atribuído, principalmente, a incidência de fitonematoides em áreas de produção. Dentre eles, destacam-se Radopholus similis, nematoide cavernícola Helicotylenchus multicinctus, nematoide espiralado, Pratylenchus coffeae, nematoide das lesões radiculares, Meloidogyne incognita e M. javanica, nematoides formadores de galhas.

Os juvenis (J2, J3 e J4) e fêmeas do nematoide cavernícola, R. similis, provocam necroses em raízes e rizoma da bananeira devido ao seu processo de alimentação e locomoção nos tecidos do hospedeiro.

Em consequência do ataque, pode ocorrer o tombamento de plantas, à medida que os cachos se aproximam do período da colheita. O nível de dano econômico é de 2.000 nematoides/100g de raízes ou 3% de plantas tombadas.

O nematoide espiralado, H. multicinctus, é o segundo mais importante para a bananicultura em função dos danos causados, sendo encontrado associado a R. similis, nematoide que mais causa prejuízos à cultura.

O nematoide cavernícola, preferencialmente, penetra as raízes mais grossas, provocando pequenas lesões de coloração castanha. Quando a densidade populacional é alta, as lesões coalescem e observam-se necroses superficiais.

Sintomas

Os sintomas provocados pelo nematoide das lesões radiculares da bananeira, P. coffeae, são semelhantes aos causados pelo nematoide cavernícola, isto é, lesões necróticas no córtex das raízes e do rizoma, prolongamento do ciclo vegetativo, redução do porte da planta, do número e peso médio dos cachos, tombamento e menor rendimento por área.

A formação de galhas nas raízes representa sintoma primário do parasitismo de Meloidogyne spp., caracterizadas por reações de hipertrofia e hiperplasia no tecido cortical adjacente ao corpo do nematoide.

As galhas restringem o volume do sistema radicular e dificultam a translocação de água e nutrientes no interior da planta, causando o aparecimento de sintomas secundários na parte aérea, como redução no porte da planta, prolongamento do estádio vegetativo, amarelecimento das folhas, diminuição do tamanho e peso dos frutos.

A infecção ocasionada por fitonematoides predispõe as plantas ao ataque de outros patógenos de solo, como fungos e bactérias. Logo, justifica-se a importância do conhecimento da densidade e da flutuação populacional dos fitonematoides em áreas de cultivo.

A ação parasitária dos fitonematoides também pode causar desequilíbrios nutricionais, não identificados nas análises químicas do solo, o que prejudica a produtividade e contribui para o aumento da utilização de insumos.

Distribuição nacional

Os nematoides parasitas da bananeira estão amplamente distribuídos nas regiões produtoras, sendo encontrados simultaneamente ou isolados. A dispersão ocorre principalmente por material propagativo infectado, máquinas e implementos agrícolas contaminados, escoamento de água, trânsito de pessoas e animais na área de cultivo.

A partir da análise

O manejo integrado de fitonematoides toma como base os resultados da análise nematológica, a qual identifica e quantifica as espécies presentes na área amostrada. A análise nematológica deve expressar a situação real no campo, por isso, é importante que as amostras de solo e de raízes sejam coletadas corretamente e enviadas a um laboratório de nematologia agrícola.

Antes do plantio da bananeira, o produtor deve fazer uma coleta de solo, e que este tenha uma umidade natural, evitando o encharcamento ou ressecamento excessivo. Em plantios já instalados, deve-se coletar o solo das laterais da bananeira, sempre no sentido de condução da planta-filha. Neste caso, também recomenda-se coletar raízes.

A amostragem de solo e raízes deve ser conduzida em camadas de 0 a 20 – 30 cm de profundidade, seguindo um caminho aleatório, em zigue-zague, para uma maior representatividade da área amostrada. É importante dividir a área em quadrantes (1,0 – 2,0 ha, ou no máximo 10 ha) com o mesmo tipo de solo, topografia e histórico de cultivo.

Deve-se coletar uma amostra composta, constituída por 10 a 20 subamostras, Os resultados da análise nematológica serão mais precisos e confiáveis quanto maior o número de amostras compostas e subamostras.

Dicas

As amostras devem ser obtidas de plantas com sintomas moderados, evitando-se aquelas com sintomas em estágio avançado. Em áreas com manchas ou reboleiras, o material deverá ser coletado na área de transição entre as plantas doentes e aparentemente sadias.

As amostras devem ser acondicionadas em sacos plásticos, identificadas com as informações da aérea amostrada e encaminhadas ao laboratório de nematologia agrícola o mais rápido possível. Não deixar as amostras em ambiente aquecido pela exposição solar.

Os métodos de manejo de fitonematoides visam a redução de custos, aumento de produção e sustentabilidade ambiental. Dentre eles, destacam-se o uso de mudas sadias e tolerantes, adição de matéria orgânica, controle biológico, rotação de culturas na renovação do bananal, pousio e aplicação de químicos.

Ressalta-se que o sucesso do manejo está atrelado à identificação correta das espécies fitoparasitas, sua distribuição no solo, biologia, ecologia e parâmetros físico-químicos do solo.

Mudas sadias e a genética

O uso de mudas sadias impossibilita ou dificulta a entrada e o estabelecimento de fitonematoides em novas áreas, por isso a importância da certificação. A tecnologia de produção da bananeira tem a micropropragação como ferramenta de eliminação fitopatógenos e transplante de material vegetal sadio.

Além disso, favorece a uniformidade do estande e a produtividade da cultura.

A resistência genética é a medida mais desejável e eficaz no manejo de fitonematoides devido à compatibilidade com outras estratégias e por não ser prejudicial ao meio ambiente.

Porém, a inexistência de genótipos de bananeira com resistência é o maior desafio dos programas de melhoramento genético da cultura. Comercialmente, existem apenas variedades com diferentes graus de suscetibilidade.

O uso de mudas sadias dificulta a entrada de fitonematoides.
Créditos: Shutterstock

Matéria orgânica

A adição de matéria orgânica em cobertura ou incorporada ao solo vem sendo empregada na agricultura convencional como uma estratégia para diminuir o uso de insumos e aumentar a diversidade da microbiota do solo em detrimento à população de fitonematoides.

A quantidade de matéria orgânica para promover a supressão de fitonematoides em bananeira é variável, dependente das interações patógeno-hospedeiro, das condições edafoclimáticas, da cultura, da identificação e do nível populacional da espécie.

Deve-se, também, conhecer o mecanismo de supressão, a composição química, a concentração de mortalidade e/ou mobilidade para cada espécie de nematoide e o impacto desse material orgânico sobre as propriedades biológicas e físico-químicas do solo.

Controle biológico

O controle biológico tem ganhado destaque dentro do manejo integrado de fitonematoides por ser uma prática sustentável. Atualmente, a indústria tem disponibilizado organismos eficientes na redução dos danos causados por esse patógenos.

Dentre eles, o fungo Pochonia chlamydosporia, que tem como modo de ação a capacidade de parasitas ovos de fitonematoides, além de colonizar o sistema radicular da bananeira, promovendo o crescimento vegetal e a solubilização do fósforo (P).

Rotação de culturas e práticas culturais

A rotação de culturas com plantas não hospedeiras afeta a sobrevivência do patógeno, pelo rompimento do seu ciclo biológico por um período, o qual dependerá da espécie, do nível de infestação e das condições edafoclimáticas.

As plantas não hospedeiras podem ser incorporadas ao solo ou servir de cobertura, porém, seu uso está associado ao custo de implantação, à adaptabilidade da espécie e à aceitabilidade do bananicultor. Sugere-se escolher uma planta que tenha retorno comercial.

Práticas culturais, como a eliminação de restos culturais e a rotação com plantas não hospedeiras, contribuem significativamente para a redução populacional de fitonematoides. A aração do solo também afeta o nível populacional do patógeno, por permitir que os restos de raízes infectadas cheguem à superfície e sejam expostas a dessecação.

Ressalta-se que o manejo mecanizado do solo exige cautela e deve seguir os princípios da conservação de solo.

Durante a renovação dos bananais, a redução da população de nematoides também pode ocorrer através do pousio completo por um período de seis meses a um ano, com a destruição mecânica ou química dos restos culturais do bananal e de toda a vegetação da área.

Contudo, a manutenção do campo limpo por um período prolongado nem sempre é possível. Deve-se analisar a o tipo de solo e a declividade do terreno para não causar erosão.

A aplicação de produtos químicos representa outra alternativa difundida entre os bananicultores. No entanto, o uso indiscriminado de nematicidas, além de onerar a produção, coloca em risco a saúde dos aplicadores e consumidores.

Desta forma, deve-se utilizar somente os produtos indicados e registrados no AGROFIT, que constitui o banco de informações sobre os agrotóxicos e afins registrados no Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA).

Embora os fitonematoides estejam amplamente disseminados e sejam responsáveis por danos expressivos na cultura da bananeira, muitas vezes são confundidos com outras enfermidades ou com problemas de compactação e fertilidade do solo, o que acarreta no negligenciamento e na tomada de decisão tardia quanto ao manejo.

Por isso, a identificação de espécies presentes na área e sua densidade populacional são de suma importância para o sucesso do manejo integrado.

ARTIGOS RELACIONADOS

Lavagem e sanitização das pencas de bananas

Após a colheita, os cachos são transportados até o galpão de embalagem e são dispostos um ao lado do outro, suspensos por ganchos móveis embutidos em trilhos para realização do despencamento.

Consorciação de mogno com outras culturas pode diversificar lucro

Café, cacau, pimenta-do-reino, banana, coco, mamoeiro, manga, maracujá, milho, palmito pupunha e mandioca são exemplos de culturas que podem ser implantadas junto ao mogno africano. Essa modalidade de cultivo, que engloba mais de uma cultura, é conhecida como plantio consorciado, e é indicada para silvicultores e produtores rurais que buscam diversificar a receita de médio e longo prazo.

Stoller lança aplicativo com soluções essenciais para diversas culturas

  Objetivo é contribuir para que produtor explore o máximo do potencial genético das plantas   O app Soluções Essenciais Stoller, é o mais novo lançamento da...

Algas marinhas aumentam ºBrix e reduzem queda de frutos e flores

Nilva Teresinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora do Curso de Engenharia Agronômica do Centro Regional Universitário de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!