15.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiProdução de coentro em cultivo protegido

Produção de coentro em cultivo protegido

Roberta Camargos de Oliveira

Engenheira agrônoma e doutora em Fitotecnia

robertacamargoss@gmail.com

Ernane Miranda Lemes

Engenheiro agrônomo, fitopatologista e doutor em Fitotecnia

ernanelemes@yahoo.com.br

João Ricardo Rodrigues da Silva

Engenheiro agrônomo

joaoragr@hotmail.com

 

Crédito Luiz Jorge
Crédito Luiz Jorge

O coentro (Coriandrumsativum L.) apresenta relevante importância econômica para as regiões norte e nordeste do Brasil, com grande volume de importação e produção nacional de sementes. Isto ocorre porque a espécie está entre as plantas medicinais mais utilizadas no mundo, possuindo propriedades nutricionais e medicinais.

O destaque da cultura é crescente, por ser uma fonte potencial de constituintes com alta atividade biológica: antioxidantes, hipoglicêmicas, ansiolíticas, analgésicas, anti-inflamatórias e anticonvulsivas, entre outras.

Frutos, sementes e folhas de coentro são ricos em óleos essenciais, o que confere característico aroma nos pratos temperados com a espécie. Também fornece nutrientes (cálcio e ferro) e vitaminas (A, B1, B2 e C) e atua como agente digestivo, acelerando o processo de digestão.

Além da alimentação, desperta interesse farmacológico, com foco em combinações entre bioativos de coentro e drogas convencionais para melhorar o tratamento de doenças como o Alzheimer e o câncer.

 É preciso ter cuidado com a quantidade de íons na solução em cultivos hidropônicos - Crédito Luiz Jorge
É preciso ter cuidado com a quantidade de íons na solução em cultivos hidropônicos – Crédito Luiz Jorge

Integração de cultivos

O cultivo de coentro em associação com outras espécies vegetais de alto valor agregado, como o tomate, já foi relatado na literatura como sendo favorável à atração de insetos polinizadores e predadores. O cultivo de coentro em consórcio ou solteiro pode ser realizado nos mais diversos ambientes, pois a espécie tem alta capacidade de adaptação.

Condições para o plantio

Apesar de não ser exigente em condições climáticas, desenvolvendo-se em climas quentes, frescos e moderadamente frios, o coentro não suporta geada, valores de precipitação elevados e solos encharcados, não sendo recomendados plantios em regiões que propiciem tais condições.

Cultivos sob altas temperaturas e fotoperíodo podem ser limitantes, pela indução prévia do florescimento, o que é indesejado, uma vez que desfavorece o crescimento das folhas e a produção de biomassa.

Manejo e tratos culturais

Observa-se o cultivo de coentro em sistema convencional ou orgânico, a campo ou protegido, fertirrigado ou em hidroponia. O ciclo do coentro varia de 40 a 55 dias. Antes do plantio, as sementes devem permanecer imersas em água por dois dias para quebrar a dormência. O plantio pode ser feito em canteiros, substrato ou espuma fenólica. A germinação depende das condições climáticas, ocorrendo entre sete a 12 dias.

Durante o desenvolvimento, as doenças que incidem no coentro são favorecidas por alta temperatura e umidade, com destaque para: mancha de alternária (Alternaria dauci), podridão aquosa (Sclerotiniasclerotium), mancha de cercóspora (Cercosporacarotovora), podridão mole (Erwiniacarotovora) e rizoctonia (Rhizoctoniasolani).

Dentre os insetos que causam problemas à cultura, destacam-se: pulgão (Cavariellaaegopodi), lagarta-rosca (Agrotisipilon) e nematoides (Meloidogynesp e Pratylenchusbrachyurus).

Foto 03 - O coentro estáentre as plantas medicinais mais utilizadas no mundo - Crédito Weber Velho
O coentro está entre as plantas medicinais mais utilizadas no mundo – Crédito Weber Velho

Em cultivo protegido

As vantagens do cultivo protegido favorecem também o coentro, especialmente quanto à proteção contra o excesso de chuvas, umidade excessiva do solo e ventos, os quais propiciam alta incidência e proliferação de doenças e reduzem o crescimento da cultura.

Com o controle do ambiente mais adequado para o desenvolvimento é possível obter melhores rendimentos por área, produzir em épocas do ano que são difíceis cultivar a campo aberto, promover crescimento acelerado, reduzir o consumo de água devido às menores perdas por evapotranspiração e comercializar produtos de melhor qualidade.

Irrigação e adubação

A aspersão é o principal sistema de irrigação para o coentro, tanto no campo como no sistema de cultivo protegido. A cultura não se desenvolve bem em solos com elevada acidez, sendo o pH ideal de 5,5 a 6,5.

Quando necessário, deve ser realizada a calagem, com antecedência de 30 a 90 dias, para correção de pH e elevar a saturação por bases do solo a 80%. Quanto à adubação, sugere-se aplicar 40 a 80 kg ha-1 de N, 10 a 20 kg ha-1 de P2O5 e 20 a 40 kg ha-1 de K2O, parcelado em duas a quatro aplicações durante o ciclo.

Os macronutrientes mais exigentes são o K, N e Ca, com aumento significativo na produção de folhas com a adubação nitrogenada. A qualidade da água utilizada no cultivo de coentro, juntamente com a soma dos sais onde será cultivado, pode ser fator limitante ao desenvolvimento, por ser a cultura moderadamente sensível a altos níveis de sais.

Portanto, é preciso ter cuidado com as adubações pesadas dentro de ambientes protegidos e com a quantidade de íons na solução em cultivos hidropônicos. A dosagem de nutrientes em solução nutritiva recomendada é a de Furlani (1999) para a cultura da alface.

Trabalhos relataram que reduzir a concentração citada é mais favorável ao desenvolvimento do coentro do que doses superiores, pela sensibilidade do coentro à salinidade.

Essa matéria completa você encontra na edição de Agosto 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Deficiência em fósforo limita produtividade

  Giovani Belutti Voltolini Graduando em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras - UFLA giovanibelutti77@hotmail.com Marcos Vinicius de Oliveira Gonçalves Graduando em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras...

Como lidar com os substratos para mudas hortícolas

  Talita de Santana Matos Pós-doutoranda em Agronomia/Ciência do Solo " Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) Elisamara Caldeira do Nascimento Professora do curso técnico em...

Logística reversa das embalagens de produto sustentável

Apesar da mudança na legislação de classificação de adjuvantes, empresa continua associada ao inpEV para o descarte correto de embalagens Como parte de suas ações de sustentabilidade,...

Como funcionam as calhas autoirrigáveis na hidroponia?

Talita de Santana Matos Elisamara Caldeira do Nascimento Glaucio da Cruz Genuncio glauciogenuncio@gmail.com Doutores em Agronomia As calhas autoirrigáveis podem ser divididas em dois sistemas - o NGS, ou...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!