26.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 23, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosProdutores investem no equilíbrio do solo

Produtores investem no equilíbrio do solo

Entenda sobre a bioativação dos microrganismos do solo.

Alfredo Lang Scultetus é engenheiro civil aposentado, e atualmente agricultor na Fazenda Rio Bonito, localizada em Bela Vista do Toldo (SC), onde cultiva no verão: soja e milho, e no inverno trigo. Além dessas, ele tem uma área experimental de Lúpulo.

As principais tecnologias e produtos utilizados por nós em 1980 incluíam o plantio direto em nossa propriedade. Nos anos 2010, começamos a utilizar a agricultura de precisão e, em seguida, implementamos sistemas de adubação.

Posteriormente, começou a realizar análises do perfil do solo para corrigir o solo e sua profundidade, estendendo o processo para praticamente todas as áreas, a 60 centímetros de profundidade, com o alumínio 0.

“Usamos produtos para bioativação do solo há 14 anos. Graças a essas práticas, já estamos há oito anos realizando agricultura, sem a utilização de adubos químicos”, explica Alfredo Lang.

Desafios

Dos principais desafios da bioativação, o agricultor enumera conhecer a vida do solo, de como ele se desenvolve, como ele se modifica, o que ele aceita, o que ele deixa de aceitar com esses produtos. “Mas, o maior desafio é melhorar o solo e deixar para as próximas gerações um solo melhor do que estou tendo hoje. Isso é um desafio grande e é bem trabalhoso e difícil de ser conseguido”, pontua o agricultor.

Sobre os benefícios, inicialmente, quando iniciou a bioativação, se pregava a liberação do fósforo que está no terreno de forma indisponível. “Como nós fazemos uma análise frequente de solo, percebemos que, além de liberar o fósforo indisponível, começou a aumentar o potássio também da propriedade. Com isso, começamos a fazer a redução da aplicação de adubos químicos. Inicialmente estávamos apenas colocando o que a planta retira do solo, mas percebemos que, mesmo assim, estava aumentando o fósforo e o potássio. Com isso, fomos reduzindo aplicação e já estamos há oito anos fazendo lavoura sem a utilização de adubos químicos, apenas utilizando adubos nitrogenados”, relata, feliz Alfredo Lang.

Ele explica que a ureia é aplicada na produção de milho e na da soja, e o novo sistema tem trazido muitos benefícios.

ARTIGOS RELACIONADOS

Híbridos triplos: Antracnose do sorgo sob controle

Autores Pedro César de Oliveira Ribeiro pedroc.ribeiro14@gmail.com Ronaldo Machado Junior ronaldo.juniior@ufv.br Engenheiros agrônomos e doutorandos em Genética e Melhoramento – Universidade Federal...

Bioenergia: Plantios adensados de eucaliptos

Autores Gleison Augusto dos Santos Doutor e professor - Universidade Federal de Viçosa (UFV) Juliana Brunetta Engenheira florestal, doutora e pesquisadora - Renabio Laercio...

Efeito condicionador de solo proporcionado pelos organominerais

AutoresRegina Maria Quintão Lana Professora de Fertilidade e Nutrição de Plantas – Universidade Federal de Uberlândia (UFU) rmqlana@ufu.br Danyela Cristina Marques Pires Mara Lúcia...

Votorantim Cimentos apresenta Viter, nova marca da sua unidade de negócios de insumos agrícolas

Empresa amplia seu portfólio de produtos com o lançamento da linha Optmix, mix calcário e gesso que renova o potencial produtivo do solo até as camadas mais profundas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!