20.6 C
Uberlândia
sexta-feira, abril 19, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosPulverização foliar no abacateiro

Pulverização foliar no abacateiro

Mantenha seu abacateiro saudável com a pulverização foliar adequada

Endrik Jhonatan dos Santos Miranda
Produtor rural e graduando em Agronomia – Centro Universitário de Ourinhos (Unifio)
endrikmiranda.agro@gmail.com
Guilherme Barbieri França
Graduando em Agronomia – Unifio
guilhermefaculdade@gmail.com
Adilson Pimentel Júnior
Engenheiro agrônomo, doutor em Agronomia e professor – Unifio
adilson_pimentel@outlook.com

O abacate está sendo cultivado em todas as regiões do Brasil, sendo uma excelente forma dentro do ramo da fruticultura de diversificação. No entanto, a produção maior se concentra nas regiões sudeste e sul do País.
Grande destaque para os municípios de Rio Parnaíba (MG), Jardinópolis (SP) e Aguaí (SP), como maiores produtores da fruta no Brasil.

Os hormônios

Foto: Shutterstock

Dentro da abacaticultura, um dos maiores desafios é manter a alta produtividade do pomar, uma vez que a planta tem grande característica de bienalidade, ou seja, produz muito em um ano,, com uma queda na produção no ano sequente.
A pulverização foliar é uma alternativa aliada do produtor rural, para diminuir as quedas de produção, seja com o uso de defensivos específicos ou realizada com o intuito de fornecer principalmente microelementos nutricionais por meio de aplicações programadas.
Ainda, a aplicação de fitorreguladores interage no organismo das plantas com o intuito de beneficiar o sistema hormonal. A operação é realizada comumente com turbo-atomizadores de arrasto, muito semelhantes aos usados na citricultura; tracionados por tratores de pequeno a médio porte.

Resultados

No que diz respeito à utilização de pulverizações foliares, tem se utilizado muito o cálcio via foliar e até em pulverização direta nos frutos, elemento principal para a membrana celular da fruta do abacateiro.
O cálcio é indispensável para o sistema fisiológico vegetal, para uma boa formação de frutos, redução de desordens fisiológicas, maior firmeza de frutos e, consequentemente, melhor qualidade pós-colheita, aumentando o shelf life (tempo de prateleira) do produto.
O uso de fitorreguladores vegetais também tem se tornado um aliado para alcançar grandes produtividades, como é o caso da utilização de alguns triazóis, inibidores da biossíntese de giberelina e etileno, diminuindo a queda prematura de frutos, chocamento, bienalidade na produção e melhoria na qualidade final das variedades mais comercializadas.

Opções

No mercado existem diversos fabricantes e modelos de turbo-atomizadores para aplicação via foliar, sendo os mais comuns em formato de leque e caracol. A tomada de força do trator é o que garante que o ventilador do implemento impulsione a calda com pressão até o alvo, atingindo a superfície das folhas no alto, meio e baixeiro da planta, adentrando até os pontos mais fechados.
Dentro da classe dos triazois, temos o uniconazole (UCZ) e paclobutrazol (PBZ), utilizados como antagonistas da síntese de giberelinas, hormônio vegetal responsável pela queda prematura de frutos.
Estes são utilizados também para desaceleração do crescimento de ramos após a florada do abacateiro, uma vez que ramos com alto vigor vegetativo demandam energias que a planta poderia estar direcionando para o fruto.
A utilização de citocininas, especificamente a citocinina benziladenina (BA), via pulverização foliar, para diminuir a alternância produtiva do abacate, vem demonstrando excelentes resultados.

Recomendações

Recomenda-se a utilização de uniconazole ou paclobutrazol nas dosagens de 0,7%, para diminuição do crescimento vegetativo de ramos, e maior comprimento longitudinal e transversal de frutos, resultando em aumento de massa fresca.
Alguns estudos demonstram que a utilização de UCZ proporciona aumentos de duas a três toneladas por hectare.
O uso de citocininas na dosagem de 25 mg/L diminui a alternância produtiva em até 70% em pomares de abacateiro e melhoram o aspecto de brilho da casca, mantendo um verde mais intenso por mais tempo, a depender da variedade.

Foto: Shutterstock

Eficiência da pulverização foliar

No abacate, as pulverizações são escaladas, a depender da variedade. Como sabemos, existem quatro variedades principais produzidas no Brasil, sendo elas Fortuna, Geada e Margarida de clima tropical, e o Hass de clima temperado.
Busca-se fazer pulverizações de fontes nitrogenadas, citocininas e reguladores exógenos em períodos que compreendem os meses de abril e maio (outono), época apropriada para a nutrição das gemas florais, e outubro a novembro (primavera), época apropriada para nutrição de flores e frutos.
As pulverizações programadas devem ser feitas antes da florada a fim de fornecer nutrientes ao organismo vegetal, depois da antese (maturação fisiológica da flor), e em fases de chumbinho, quando frutos estão prestes a iniciar sua granação.
Já a pulverização de fitorreguladores são normalmente divididas em duas vezes, sendo no período da antese e frutos em estágio chumbinho, para diminuir a queda de flores e frutos.

Dicas importantes

Para o abacateiro, existem horários ótimos para melhor absorção de produtos pulverizados, como temperatura abaixo de 28ºC. Acima disso, teremos a interferência do calor no fechamento de estômatos, dificultando a penetração das moléculas no organismo.
Com umidade relativa do ar superior a 55%, evita-se a evaporação antes da absorção, e velocidade do ar inferior a 8 km/hora diminui a taxa de deriva. É muito importante o produtor se atentar às recomendações em bula de produtos, bem como à regulagem de equipamentos e à velocidade de trabalho, a fim de minimizar perdas, buscando sempre pulverizar em horários que a planta responda melhor, como períodos frescos do dia e com incidência solar.
É preciso estar sempre atento a previsões meteorológicas, evitando a perda do produto por chuvas ou orvalho.


O que você precisa saber

Na preparação da calda de aplicação, deve ser utilizado de forma correta o EPI adequado para este tipo de procedimento, misturar bem o produto com a água, atentar-se à qualidade da água usada na solução, pois o pH dela pode interferir no pH da calda, aumentando a volatilização e diminuindo a eficiência das moléculas.
O pH ideal deve estar entre 5,5 a 6,5, segundo manuais técnicos. A utilização de adjuvantes espalhantes melhora a eficiência de absorção pelas folhas, fazendo com que o produto chegue no alvo com mais facilidade.

Foto: Bruno Leite

Atenção!

Apesar dos inúmeros benefícios da pulverização foliar, é sempre importante seguir a recomendação de um técnico na área para evitar perdas na produtividade ou até mesmo plantas, sendo de suma importância respeitar recomendações da bula.
O uso de doses cavalares de produtos de origem nitrogenada, potássica ou clorada pode ocasionar queimas de ramos, folhas e frutos, ou até mesmo o abortamento de botões florais, trazendo prejuízos ao produtor, como quebra de safra e até perdas irreparáveis, como morte de plantas.
Os momentos mais críticos geralmente são as entradas no pomar, quando as plantas estão frágeis e necessitam de um cuidado maior. Por isso, se faz importante reconhecer os sinais aparentes e buscar por soluções sustentáveis que minimizem os riscos e que aumentem a produção.

ARTIGOS RELACIONADOS

Controle de tripes do feijoeiro com Beauveriabassiana

  Nilton Gomes Jaime Engenheiro agrônomo, M.Sc. e consultor da Cerrado Consultoria Agronômica ngjconsultor@yahoo.com.br NiltonCezarBellizzi Engenheiro agrônomo, doutor e professor da Universidade Estadual de Goiás   O tripes é um...

Prevenção e combate à broca-do-café

AutoresCássio Pereira Honda Filho Mestre em Fisiologia Vegetal e doutorando em Fitotecnia - Universidade Federal de Lavras (UFLA) cassiop.hondafv@gmail.com Mariana Thereza Rodrigues Viana ...

A gota que vem dando certo

O Agr'óleo, hoje, tem a melhor performance de segurar o inseticida por muito mais tempo na planta.

Aplicação inicial de fungicidas na soja é essencial contra doenças

Autores Amanda Sabino do Nascimento amandasabinonascimento@outlook.com Bruna Cristina de Andrade andradebruna2020@gmail.com Engenheiras agrônomas e mestrandas em Proteção de Plantas/Fitopatologia - Universidade Estadual de Maringá...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!