22.6 C
Uberlândia
domingo, junho 23, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesQualidade de fibra do algodão pode ser determinante para sucesso nas exportações

Qualidade de fibra do algodão pode ser determinante para sucesso nas exportações

Créditos Pixabay

A cultura do algodão é uma das mais complexas e desafiadoras, pois requer alto investimento e está suscetível a fatores climáticos e macroeconômicos. Apesar disso, é rentável ao se considerar o amplo leque de oportunidades do setor têxtil. Dados recentes da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) já indicam uma possível retomada no volume exportado para um patamar próximo a 2 milhões de toneladas da pluma ao final da safra 2022/2023, além de um estoque de passagem de aproximadamente 1,75 milhão de toneladas.

Neste cenário, o preço pela pluma pode sofrer variação e o que influencia o seu valor são as características físicas da fibra no pós-colheita. Quando falamos de qualidade de fibra, consideramos elementos como o índice de fibras curtas (SF), comprimento (UHML ou POL), uniformidade do comprimento (UI), a resistência (STR) e o micronaire (MIC), características levadas em consideração para determinar a qualidade do produto, seu valor no mercado e requisitos para exportação.

A tecnologia envolvida para a identificação correta da qualidade da fibra após o beneficiamento, por meio de equipamento de alto volume (HVI) tem se consolidado como a base para o comércio nacional e internacional do algodão, agregando maior precisão. Mas o que o produtor pode fazer para alcançar elevados patamares de qualidade? O segredo principal está na genética presente na semente e nas melhores práticas de manejo.

Podemos considerar algumas ações como as mais importantes para se alcançar uma qualidade de fibra que atenda padrões de exportação e que devem ser tomadas pelo cotonicultor para obtenção de um alto teto produtivo. A trajetória passa inicialmente por uma semente com biotecnologia capaz de proteger o algodoeiro de doenças, pragas e plantas daninhas e garantir adaptabilidade por região e para duas safras. Em seguida vem a fertilidade e compactação do solo, depois o controle eficaz de doenças e pragas e a regulagem de crescimento para equilíbrio da planta ao longo do ciclo.

Sabe-se que o clima está cada vez mais imprevisível e sujeito a intempéries, ainda mais em tempos em que já sentimos globalmente o impacto das mudanças climáticas. Mas há um importante fator que o agricultor pode controlar e que afeta diretamente a qualidade da fibra, que é a interação entre a genética e o ambiente. Isso porque uma semente com biotecnologia associada a um manejo integrado ao ambiente, junto ao trabalho de perfil do solo, pode garantir maior produtividade, sanidade e qualidade da pluma.

Com isso, podemos tornar a cultura do algodão mais tolerante a chuva, escassez hídrica ou calor extremo, além de ainda garantir rentabilidade para uma commodity de um mercado mundial que movimenta anualmente cerca de US$ 12 bilhões. Hoje o produtor encontra diversas soluções que permitem o manejo integrado, que vão desde a escolha da cultivar, a época de plantio, a fertilidade do solo, o investimento na parte orgânica e a adoção de regulador de crescimento. Novos germoplasmas trazem potencial de rendimento de fibra em torno de 43% e resistência às principais doenças e lagartas que afetam o algodoeiro.

Vale lembrar que a adoção de manejos que viabilizem a produção responsável, associando maior produtividade e economia de insumos, vai além da qualidade da fibra como resultado. Ao produzir com sustentabilidade e otimizando o uso de recursos naturais, o cotonicultor não só pode alcançar uma maior produtividade em uma mesma área como atende à uma importante demanda de mercado. Essa demanda, associada também à maior rastreabilidade em toda a cadeia, parte não apenas da indústria têxtil e das marcas, mas também do consumidor, cada vez mais consciente.

A rastreabilidade, que traz um raio-x do produto que chega ao mercado, é um reflexo da busca cada vez maior pela produção ética e responsável, que tem guiado inclusive decisões de negócios e investimentos por parte das empresas em diferentes setores. Produzir de forma eficaz, sustentável e com qualidade final será mandatório no futuro. Cabe ao cotonicultor investir nas melhores práticas para extrair o máximo de qualidade de fibra com a menor pegada ambiental possível — ferramentas para isso já estão no campo.

  • Luana Bonamigo é especialista em algodão e Gerente de Desenvolvimento de Mercado de Algodão da divisão agrícola da Bayer
ARTIGOS RELACIONADOS

Importações devem passar de 105 milhões de toneladas em 2029

Nosso resumo mensal traz os eventos principais de julho e o que observar em agosto. Começando pela economia mundial, o mundo segue acompanhando, diariamente, os impactos das políticas de isolamento, números de infeções e fatalidades e a consequente queda da confiança na economia mundial

Associação entre mulching e TNT no controle da mosca-branca

  Diego Tolentino de Lima diegotolentino10@hotmail.com Daniel Lucas Magalhães Machado danielmagalhaes_agro@yahoo.com.br Engenheiros agrônomos e doutorandos em Produção Vegetal - ICIAG-UFU Ernane Miranda Lemes ernanelemes@yahoo.com.br Roberta Camargos de Oliveira robertacamargoss@gmail.com Engenheiros agrônomos e doutores...

Algodão: respostas à correção do solo

O uso do calcário é um grande aliado para essa cultura e traz muitas vantagens no seu uso

Bacillus thuringiensis no controle de brocas do tomate

  Andrés da Silva Engenheiro agrícola, M.Sc. e consultor em cultivo protegido andresdasilva@live.ca   Apesar da grande importância do tomate no Brasil, esta sofre prejuízos enormes devido às pragas,...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!