27.7 C
Uberlândia
segunda-feira, abril 22, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasQuelatos orgânicos favorecem produtividade

Quelatos orgânicos favorecem produtividade

A novidade contribui para um aumento geral na produtividade das culturas de até seis sacas a mais por hectare

Que nutrir a planta traz maior produtividade não é novidade para nenhum produtor. Mas, a nutrição e sua eficiência vão além do ato de simplesmente adubar. É preciso escolher a tecnologia ou solução mais adequada e que proporcione mais benefícios. Hoje o mais comum, por exemplo, é realizar a nutrição foliar principalmente de micronutrientes com quelatos sintéticos, e que tem muito menos a oferecer que os complexos orgânicos.

É importante entender primeiro a importância da quelatização, que segundo o doutor e pesquisador da consultoria Integração Agrícola, Tarcísio Cobucci, é fundamental porque evita que os elementos aplicados reajam com outros elementos. “Esta é uma forma de proteger os nutrientes para quando entrarem em contato com a planta a fim de não perderem o seu efeito”, explica. Essa proteção pode ser feita com quelato sintético ou com aquele dotado de complexo orgânico, o que propõem a tecnologia recém lançada pela Harvest Agro, a Xiflon e ainda o fertilizante foliar Argard Impact.

Basicamente são quatro as principais diferenças entre as duas tecnologias apontadas por Cobucci. A primeira delas diz respeito à estabilidade, já que a proteção sintética consegue quelatizar até um índice 6 de pH na planta. “Acima disso seu efeito de proteger o nutriente é comprometido. O ponto importante é que a planta normalmente tem o PH entre 6 e 7 e é aí que esses nutrientes alcançam pouquíssima eficiência, com alta perda dos mesmos”, ressalta. Isso já não acontece com o complexo orgânico.

O segundo ponto é o tamanho da molécula do quelato sintético, que grande, gera dificuldade na absorção pelas culturas, diferentemente do complexo orgânico, que é menor. “A terceira desvantagem do quelato sintético é que ele não consegue se distribuir de forma igualitária, somente pelo xilema que sobe, e não pelo floema que desce”, diz o doutor.

O quarto problema não atinge diretamente o Brasil, mas sim a Europa e os Estados Unidos, e por isso também precisa ser levado em consideração, segundo o especialista. Lá fora esses quelatos sintéticos são proibidos porque essas moléculas não são tão biodegradáveis e acabam contaminando o meio ambiente.

“Estamos realizando diversas pesquisas com a tecnologia Xiflon e é possível verificar um aumento geral na produtividade das culturas com até seis sacas a mais por hectare quando comparado ao sintético. Isso reforça tudo que mencionei acima”, completa Cobucci.

Simpósio esclarece dúvidas

Estas e outras informações pautaram o “Simpósio de Nutrição de Alta Eficiência” realizado pela empresa nesta semana em Jataí-GO com mais de 90 produtores da região. O intuito foi apresentar estratégias modernas para alcançar altos patamares em produtividade. Durante o evento, Cássio Borges da MPB Agro falou sobre a “Eficiência dos produtos indutores de resistência na cultura da soja”. 

Já o pesquisador da Embrapa Arroz e Feijão, Adriano Nascente, abordou “Nutrição e mobilidade de nutrientes de 4ª geração”. Após as palestras houve uma mesa-redonda para debater os temas com Borges, Nascente e Cobucci, morada pelo doutor e sócio da Harvest Agro, Dr Roberto Reis.

ARTIGOS RELACIONADOS

Produtores dos vinhedos utilizam tecnologia europeia para potencializar produtividade

Na serra gaúcha, o trabalho nos parreirais não para. Mas a dedicação de um ano inteiro nem sempre é suficiente para garantir uma boa colheita de uvas.

Radicchio – Iguaria amarga e crocante

Talita de Santana Matos Elisamara Caldeira do Nascimento Glaucio da Cruz Genuncio glauciogenuncio@gmail.com Doutores em Agronomia   A origem do radicchio ainda não é inteiramente certa, podendo ser originário da...

Rally da Safra avalia lavouras

A partir de segunda-feira, 22 de fevereiro, duas equipes técnicas do Rally da Safra ...

Green Has – Versatilidade em nutrição vegetal

A Green Has Brasil importa e comercializa fertilizantes produzidos pela sua matriz na Itália, em Canale d’Alba. As linhas de fertilizantes da Green Has Brasil têm registro para uso no solo, aplicação na folha, uso via irrigação ou em culturas hidropônicas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!