26.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 23, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasAgro espera ajustes no arcabouço fiscal

Agro espera ajustes no arcabouço fiscal

Entendimento da FAESP é de que ainda há muito trabalho a ser feito e faltam detalhes

O Governo Federal apresentou nesta o novo arcabouço fiscal. A receptividade foi positiva, mas o entendimento é de que ainda há muito trabalho a ser feito e que faltam detalhes na proposta apresentada pela equipe econômica. De acordo com Tirso Meirelles, vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (FAESP), a expectativa para todo o ecossistema do agronegócio é que as novas regras fiscais possam conter a inflação e permitir a redução da taxa básica de juros.

“Sabemos que o arcabouço em si não é suficiente para inverter a curva de juros, pois é preciso que o Governo mostre austeridade e compromisso com o controle da trajetória da dívida pública. Na avaliação da FAESP, as diretrizes apresentadas têm pontos positivos, mas há também uma maior complacência com os desvios de curso, trazendo preocupações. O que precisamos agora é aperfeiçoar o que foi apresentado, o que poderá ser feito na tramitação do Congresso Nacional”, disse Meirelles.

A maior preocupação do setor é se haverá ímpeto de elevação das receitas da união pelo Executivo, o que poderia acarretar a tentativa de aumento da carga tributária para os produtores rurais, por ocasião da discussão da reforma tributária no Congresso.

Ainda segundo Meirelles, a mudança na política monetária se faz necessária, já que o custo de não combater a inflação é grande e o compromisso do Governo com a trajetória da dívida pública deve criar um ambiente favorável ao início da redução da taxa de juros.

“A Taxa Selic se mantém em 13,75% desde agosto do ano passado. Taxas altas prejudicam muito a capacidade produtiva do país, pois aumentam o custo financeiro das empresas e as margens dos negócios. Isso impacta todos os setores da economia, incluindo o agronegócio”, diz. Apesar de haver taxas de juros controladas (subsidiadas) na política agrícola, os patamares elevados da Selic fizeram com que o custo financeiro do agro subisse consideravelmente nos últimos anos. As linhas de crédito oficial do Plano Safra, programa do governo federal para fomentar o agronegócio nacional, atende apenas 1/3 da necessidade de crédito dos produtores brasileiros. Os outros 2/3 são atendidos por linhas de crédito comercial e recursos próprios.

ARTIGOS RELACIONADOS

A importância da excelência fiscal no processo logístico do agronegócio

A excelência fiscal auxilia o agronegócio em diversos aspectos e se mostra essencial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!