18.6 C
Uberlândia
segunda-feira, maio 27, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioAnimaisSaiba quando e por que realizar o controle estratégico de carrapatos na...

Saiba quando e por que realizar o controle estratégico de carrapatos na pecuária

Prática ainda pode ganhar mais força entre produtores e auxiliar no controle eficaz de ectoparasitas; médicos-veterinários orientam sobre o assunto

Divulgação

Já é de conhecimento geral que o carrapato bovino causa significativos prejuízos econômicos à cadeia produtiva, no entanto, ainda é predominante entre os criadores o controle do ectoparasito somente quando o gado já está visivelmente infestado. Nessa etapa, muitos danos já foram causados, desvalorizando o produto e impactando o bem-estar do rebanho. A soma dos prejuízos anuais à pecuária brasileira, incluindo tanto os danos diretos quanto os custos para controle, tem sido estimada em bilhões de dólares (GRISI et al., 2002).

Nesse cenário de controle de carrapatos, o produtor tem dois caminhos: optar pelo controle estratégico, que segue um planejamento prévio, baseado em informações científicas locais e características específicas da propriedade, ou pelo controle paliativo, este quando os animais já estão com a infestação elevada e o produtor decide por conta própria quando tratá-lo. O Prof. Dr. Welber Daniel Zanetti Lopes, médico-veterinário e docente da Universidade Federal de Goiás, pontua que o controle estratégico deve ser o caminho prioritário, já que a ideia é não deixar que muitas teleóginas, a fêmea do carrapato, completem seu ciclo de vida.

“Quando nos encontramos na ‘estação do carrapato’, que inicia entre setembro e outubro e segue até meados de julho, dependendo da região, e realizamos o tratamento estratégico, é possível manter níveis de infestação mais baixos nos animais, pois o protocolo previamente realizado não permite que teleóginas completem seu ciclo de vida”, orienta o Prof. Dr. Welber.

O controle estratégico, então, deve ter início na estação chuvosa, quando é possível ver os primeiros carrapatos nos animais. Depois, esse controle vai depender da região, por exemplo, nos estados da Região Sul e demais regiões do país com grandes altitudes (clima temperado), podem ocorrer até três gerações anuais do carrapato, então é preciso tratar até a segunda geração; nas regiões que têm até cinco gerações, é preciso tratar até a quarta, que costuma ser até maio. “Ou seja, esses retratamentos têm que acontecer de modo que o produtor não consiga visualizar muitas teleóginas. Se ainda tiverem muitas, todo o serviço do controle estratégico vai por água abaixo, porque essas teleóginas vão cair no ambiente e correm o risco de fazer a explosão parasitária. Assim, todo o processo precisa ser muito bem executado, do controle aos retratamentos”, completa Prof. Dr. Welber.

Há dados, principalmente de estudos feitos em gado de corte, que, quando mantém os níveis de infestação mais baixos, o animal responde mais em termos de ganho de peso. “Estudos mostram que é possível ter em torno de 20kg a mais nesses animais estrategicamente tratados”, diz o Prof. Dr. Welber. Assim, com a execução adequada do controle estratégico e dos retratamentos, os produtores vão interrompendo o ciclo de vida dos ectoparasitos, impedindo a explosão parasitária e, consequentemente, permitindo mais ganho de peso dos animais.

Já quando é feito o tratamento paliativo, que ocorre quando se visualiza grande quantidade de teleóginas nos bovinos, o ciclo não é cortado. Dessa forma, no momento da ação já terão teleóginas desprendendo, caindo no solo e dando continuidade ao ciclo de vida. O Prof. Dr. ainda explica que: “No esquema de tratamento desse tipo, a critério do produtor, corre-se o risco de que, ao chegar por volta dos meses de abril, maio, junho e julho, haverá uma explosão parasitária, ou seja, os animais estarão muito infestados. E isso acontece porque é consequência de um efeito somatório do número de carrapatos que foram se criando desde setembro/ outubro, quando o ciclo não foi interrompido. Então, matematicamente, você vai ter mais carrapatos nesse final da ‘estação de carrapato’, dificultando a ação de medicamentos, devido ao desafio estar elevado”, detalha.

Por isso, é necessário que se estabeleça na pecuária a prática do controle estratégico. O médico-veterinário Daniel Rodrigues, gerente técnico da unidade de negócios de Ruminantes da MSD Saúde Animal, orienta que o controle de carrapatos deve ser regionalizado, considerando a dinâmica populacional do ectoparasito em cada localidade e as condições climáticas e ambientais que vão interferir em seu ciclo. “É preciso um olhar individualizado para os rebanhos, pois não existe uma fórmula única, mas existem caminhos para otimizar a saúde e o bem-estar dos animais e, consequentemente, a produtividade e a qualidade do produto, com menos custo e menos impacto ao ambiente”, afirma.

Tratamento inédito

Parte do sucesso desse controle está na definição do produto a ser utilizado. Em 2022, os produtores passaram a ter acesso a uma solução inédita com a molécula Fluralaner para o controle de parasitas externos. A primeira isoxazolina aprovada para uso em bovinos, com aplicação via pour-on. Experimentos realizados apontaram eficácia de 100% nas semanas seguintes ao início do tratamento.

Em estudos de campo, realizados em três diferentes regiões do Brasil, os resultados da formulação demonstraram que é uma ferramenta revolucionária no combate ao carrapato Rhipicephalus microplus, promovendo uma limpeza completa dos bovinos entre o terceiro e sétimo dia pós-tratamento. Com três aplicações, o pecuarista consegue passar a primeira e a segunda geração com ausência de carrapato nos animais, e com intervalo de tempo entre as aplicações superior ao encontrado com os tratamentos tradicionais, o que possibilita a essa ferramenta driblar a resistência parasitária e trazer ao pecuarista a possibilidade de ganhos em países tropicais.

“O parasiticida exclusivo para bovinos, o Exzolt 5%, proporciona alta eficácia contra carrapato, moscas-dos-chifres, bernes e bicheira. É um produto de ação rápida que permite a elaboração de programa de controle estratégico que limpa o animal e reduz a infestação nas pastagens, com resultados sem precedentes na pecuária. É uma solução que impacta também a redução do manejo dos animais e melhora o planejamento do trabalho da equipe da fazenda”, diz Daniel.

ARTIGOS RELACIONADOS

Doenças parasitárias impactam crescimento dos bezerros e provocam prejuízos à pecuária

Os parasitas impactam significativamente na vida dos bovinos, desde bezerros até adultos. Esses impactos são referentes principalmente a saúde e o ganho de peso...

Exportação de carne bovina declinou 20% em março

No primeiro trimestre as exportações de carne bovina caíram em 8%, enquanto a carne suína apresentou alta de 16%.

Calor e chuvas intensificam infestações de carrapatos no gado, alerta especialista 

Problema requer medidas para proteger a saúde e a produtividade do gado

Corteva lança plataforma

A Corteva Agriscience deu um passo importante dentro do seu propósito de "melhorar a vida daqueles que produzem e daqueles que consomem, garantindo progresso das próximas gerações".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!